Em agenda pelo Sertão, Joel da Harpa afirma que Governo de PE “não vacinou 10%” dos policiais e cobra convocação de aprovados

0
Foto: Blog do Carlos Britto

Aliado do deputado federal Eduardo da Fonte (PP), mas crítico contundente do Governo Paulo Câmara quando o assunto é segurança pública, o deputado estadual Joel da Harpa (PP) cumpriu uma extensa agenda em Petrolina nesta quinta-feira (6). Em visita ao Blog, o parlamentar disse que sua vinda à cidade deve-se, primeiro, à representatividade que tem na maior cidade do Sertão. Em 2014 ele chegou à Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe) com 19 mil votos; quatro anos depois emplacou o segundo mandato, com 47 mil votos, impulsionado pelos profissionais de segurança pública. Somente em Petrolina Joel obteve quase 1.300 votos.

O segundo motivo, conforme o parlamentar, é justamente para defender sua categoria – nesse momento, no que se refere à vacinação contra a Covid-19. Joel informou que o Governo Paulo Câmara não vem conseguindo executar a prerrogativa do governo federal, que determinou a inclusão dos profissionais desse segmento nos grupos prioritários da vacina.

O governo do Estado até agora não vacinou nem 10% dos agentes de segurança pública, mas já está encaminhando as doses da vacina para outros grupos que não estão na prioridade acima dos profissionais de segurança pública, que foram colocados recentemente pelo governo federal”, lamentou.

Joel explicou que sua missão, nesse sentido, é de realizar um trabalho de Ouvidoria. Em sua agenda em Petrolina ele conversou com representantes do 5º Batalhão de Polícia Militar (BPM) e do 2º Batalhão Integrado Especializado (BIEsp). Na sua jornada até Petrolina, no entanto, Joel disse ter se reunido com comandantes de outros municípios sertanejos. “Se na Região Metropolitana esse processo da vacinação não avançou, imagina no Sertão”, frisou o parlamentar.

Concurso

Joel aproveitou para estender a pauta em relação à necessidade de reforçar o efetivo na segurança pública. Ele afirmou que, atualmente, as polícias Militar e Civil, além dos bombeiros, encontram grandes dificuldades até mesmo para escalar as tropas devido à falta de recursos humanos. “Em algumas cidades do Interior há dois, três policiais tomando conta de três, quatros cidades com uma só viatura, que às vezes quebra. Aí ficam as cidades sem atendimento porque não tem efetivo”, pontuou.

Joel revelou que até o final deste ano existe uma estatística prevendo que até 4 mil policiais entrem na reserva (aposentadoria). Em contrapartida, os 1.500 aprovados no concurso do governo do Estado, em 2018, estão aptos para entrar no curso de formação e aguardam apenas serem convocados. A expectativa de convocação era para abril último, o que não aconteceu.

O deputado não engole a desculpa dada pela atual gestão, de que a pandemia impede a nomeação dos aprovados. Ele argumenta que Estados vizinhos como a Paraíba já nomearam os concursados na área e a qualificação aconteceu por meio de atividades remotas. “Há várias matérias que poderiam ser feitas através de atividades remotas”, pregou. Joel defendeu ainda que o curso de formação, que acontece no Bairro do Curado, no Recife, aconteça de forma descentralizada, em outras regiões de Pernambuco. O deputado afirmou ainda que a qualificação possa acontecer urgentemente, para aumentar o efetivo da segurança pública no Estado. “Esses 1.500 homens não vão resolver o problema da Polícia Militar, nem os 400 dos bombeiros, mas ajudam”, pontuou. Atualmente o efetivo da PMPE é de 17 mil homens, que ficará ainda menor sem os 4 mil que se aposentarão até o final de 2021, como informou Joel.

Por Antonio Carlos Miranda     

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome

três × 3 =