Diversificação é arma do Brasil para liderança no agronegócio

por Carlos Britto // 01 de abril de 2009 às 08:49

A diversificação que permitiu ao Brasil despontar como maior exportador mundial de uma variedade de produtos agropecuários nas últimas décadas também será crucial para consolidar essa liderança e avançar sobre outras áreas até 2020, afirmam analistas.

Apesar de sempre ter tido presença destacada no mercado internacional de produtos agropecuários, foi quando começou a diversificar sua pauta que o Brasil se firmou como grande exportador.

“Nos anos 70, o café representava mais de 60% da pauta de exportações brasileira, enquanto soja e carnes, por exemplo, sequer figuravam nesse ranking”, diz o ex-ministro da Agricultura Roberto Rodrigues.

“Hoje, apesar de ter crescido em termos absolutos, o café representa 6%. Carnes e soja chegam a 45%”, afirma.

Além de manter a liderança no café, o Brasil hoje é o maior exportador mundial de carne bovina e de frango, etanol de cana-de-açúcar e do complexo soja (que inclui óleo, farelo e grãos), segundo dados do Ministério da Agricultura.

Está também entre os líderes em um leque de outros produtos, que vão de milho e soja em grão (segundo, atrás dos Estados Unidos) a carne suína e fumo.

“O modelo brasileiro é muito inovador. Não há mais um setor exportador, como era na época do café e nos ciclos anteriores, da borracha, da pecuária”, diz o representante regional da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), José Graziano.

“Hoje o Brasil exporta produtos de todo tipo, do mel de abelha do Piauí à soja do Paraná. O setor exportador não é mais um enclave, é parte das cadeias produtivas”, afirma.

Segundo o representante da FAO, essa diversificação torna possível também reorientar determinado produto para o mercado interno quando o externo vai mal, como neste período de crise mundial.

Mesmo com esse desempenho já destacado no comércio internacional, ainda há muito espaço para crescer, afirmam analistas. Até 2020 o Brasil deverá aumentar sua importância como exportador de uma série de cadeias produtivas.

“Há pelo menos duas áreas em que podemos crescer espetacularmente: fruticultura e floricultura”, diz Roberto Rodrigues.

A fruticultura brasileira já deu um salto nos últimos anos, com o surgimento de polos como o do vale do São Francisco, em Juazeiro (BA) e Petrolina (PE), que se destaca na exportação de manga e uva.

Em relação a frutas tropicais, especialistas afirmam que, apesar de já marcar presença no mercado internacional, o Brasil ainda pode aumentar o volume exportado.

“Em proteínas animais, vamos dar um grande salto. Suinocultura, produtos lácteos”, diz Rodrigues. “Acho também que vamos crescer muito em nichos específicos, como orgânicos.”

Da: Gazeta Online 

Diversificação é arma do Brasil para liderança no agronegócio

  1. AMIGO DA ONÇA disse:

    HOJE NAO SE PLANTA UM PE DE FEIJAO LA EM RAJADA, QUE PARA COLHER NAO PRECISE DE UMA MAO DE VENENO!!!

    TA DIFICIL COLHER ALGUMA COISA NESSE MUNDO COM VOLUME E QUANTIDADE QUE NAO PRECISE DOS AGROQUIMICOS.

    OUTRA COISA, DA PRA CONVIVER COM ELES! BASTA SEREM RESPEITADAS: AS CARENCIAS PARA COLHEITA, A DOSAGEM A INDICAÇAO E SUA UTILIZAÇAO NO PERIODO CERTO, COMO TAMBEM O RESPEITO PELA NATUREZA E PELO HOMEM….

    ESSA COISA DE ORGANICO E PRA BOI DORMIR…

    EU SOU AMIGO É DELA!!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *