Comitê de Trabalhadores terceirizados acusa Univasf de descaso com a categoria e estudantes

3
Campus Sede da Univasf, no Centro de Petrolina. (Foto: Blog do Carlos Britto)

O Comitê em Defesa dos Trabalhadores Terceirizados (CDT) encaminhou uma nota a este Blog acusando a gestão da reitoria da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf) de descaso os estudantes e trabalhadores da instituição que prestam serviços terceirizados. Segundo o CDT, oito motoristas foram demitidos nesta sexta-feira (9) e durante a pandemia “não tiveram direito a quarentena plena”

“Se torna uma ação concreta com o fim do aviso de demissão aos motoristas da Universidade Federal do Vale do São Francisco. É sabido que desde o começo da pandemia os trabalhadores não tiveram direito a quarentena plena, tendo que ocupar seus postos mesmo que as aulas na Univasf não estivessem ocorrendo presencialmente”, diz a nota.

Em outro trecho do documento o comitê relata que “enviou alguns e-mails para a reitoria com uma carta que solicitava alguns direitos mínimos para estes trabalhadores. Mesmo enviada mais de uma vez, até hoje não obtivemos qualquer resposta. A questão é que entre estes pontos, estava a manutenção destes empregos, para que nenhum trabalhador fosse demitido”.

Os trabalhadores chegaram a denunciar a situação em reunião do Conselho Universitário (CONUNI) na sexta-feira (2), onde a reitoria se comprometeu em dar uma resposta a demanda até a terça-feira (6), mas segundo o CDT, “até hoje esta resposta nunca chegou”.

 

“Não estamos falando somente de oito motoristas, estamos falando de famílias, de trabalhadores que contribuíram e contribuem para uma Universidade que é de toda a comunidade do Vale do São Francisco”, ressaltou o Comitê.

A reportagem entrará em contato com a assessoria de comunicação da Univasf para que comente o caso.

3 COMENTÁRIOS

  1. Essa nova gestão temporária fala nas reuniões do conuni que vai resolver os problemas e nunca da uma devolutiva de nada.. ficam apenas na promessa. Estão ganhando e passando o tempo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome