Comissão do Senado discute como tirar país da dependência externa de fertilizantes

por Carlos Britto // 14 de abril de 2009 às 18:23

A ampliação da produção de fósforo, potássio e produtos nitrogenados pela Petrobras foi defendida nesta terça-feira (14), na Comissão de Agricultura e Reforma Agrária do Senado, pelo assessor técnico do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento, Ali Alberto Saab. Segundo ele, uma empresa que realiza grandes projetos como a Petrobras “tem tudo para lançar seu foco também para esse setor”.

Saab disse que Brasil, India e China consomem 90% de todo o fósforo e do potássio demandados no mundo inteiro, ingredientes usados na fabricação de fertilizantes, que são fundamentais para os resultados da agricultura. A comissão reuniu técnicos e representantes de governo para discutir alternativas para a redução de preços e da dependência externa de fertilizantes e insumos químicos.

Ele afirmou que, no trabalho de prospeção de petróleo, a empresa acaba conhecendo o potencial do país em reservas dos minerais. Saab sugeriu a criação de uma empresa holding pela Petrobras para cuidar com prioridade dessa área, uma vez que “a questão dos fertilizantes e as dificuldades de logística são os pontos mais críticos da agricultura nacional”. Saab afirmou que depois da safra de verão, que termina nesses dias, “vai faltar fertilizante para a agricultura”.

O presidente da Associação dos Misturadores de Adubo (AMA), Jorge Wagner Bonifácio, alertou que o governo precisa tomar uma decisão de curto prazo em relação às dificuldades na aquisição de fertilizantes, vividas pelos agricultores no momento, sob pena da próxima safra ser prejudicada pelo desabastecimento. Ele acredita que, em razão disso, os resultados da próxima safra poderão ser os mais críticos da história.

O presidente da Comissão, senador Walter Pereira (PMDB-MS) ressaltou que o agricultor brasileiro, hoje, está nas mãos de dois ou três grandes fornecedores e essa é a razão maior das dificuldades que vive.

Fonte: Agência Brasil

Comissão do Senado discute como tirar país da dependência externa de fertilizantes

  1. epaminondas disse:

    por estas e outras e que eu digo:precisamos eleger” o senador do sertao”.e preciso juntarmos as nossas forças e fazer fbc senador.la ele vai lutar pela agricultura irrigada,pelos enpregos e oportunidades pro sertao.nosso destino e crescer…todomundo sabe disso!a encruzilhada do progresso e a nossa petrolina que da irrigaçao gera renda prum numero enorme de pessoas faz a regiao crescer e prosperar.desoneraçao dos insumos agricolas tem que ser uma bandeira forte!.

  2. Opara disse:

    Palavras ao vento….. Epaminondas apesar de termos visão diferente quanto a política… meu voto vai para FBC senador…

  3. UMBERTO ALVES disse:

    O que está sendo discutido é a quebra do monopólio internacional de fertilizantes. O Brasil precisa acelerar esse processo. Tal procedimento fará com que os produtos agrícolas tornem-se mais competitivos, melhorando de forma significativa tanto para os produtores como para os consumidores.

  4. E com a quebra do monopólio interncional de fertilizantes, muito bem lembrado pelo Sr. UMBERTO ALVES, o Brasil terá condições atraves da Petrobras, de fornecer insumos como N, P K, por preços mais baratos, tornandos os nossos produtores de frutas e hortalíças mais competitivos, tendo em vista que os custos de produção de suas lavouras serão bem mais baratos, porque não sofrerão alteração cambial diaria, na importação desses insumos. José Batista da Gama, Professor do IFET.

  5. Voltando a comentar o assunto que julgo de fundamental importância, principalmente para a Agricultura Familiar, vamos torcer pra que esses SENADORES saiam da toca e prestem um grande serviço ao PAÍS, nesse segmento que contribui com 40% do PIB agricola Nacional. Porque Senador é igual a orelha de FREIRA, ninguém vê, em lugar nenhum. José Baista da Gama, Professor do IFET.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *