Comissão de produtores do Salitre se mobiliza para lutar por escrituras e infraestrutura adequada no perímetro

por Carlos Britto // 19 de julho de 2013 às 15:00

NatanaelA comissão de produtores do perímetro irrigado do Salitre, em Juazeiro, promoverá uma grande reunião na próxima segunda-feira (22), às 18h30, na Câmara de Vereadores.

De acordo com o representante da comissão, Natanael Torres (foto),um dos pontos cruciais do encontro diz respeito a 186 agroempreendedores que ainda não conseguiram as escrituras dos seus lotes.

Apenas 69 deles estão devidamente regularizados, em dois anos e meio de inaugurado o perímetro pelo governo federal. “Já procuramos a Codevasf em Juazeiro e fomos informados que somente com um decreto da presidente Dilma para regularizar a nova Lei de Irrigação é que poderíamos conseguir as escrituras. Então, o momento é de nos mobilizarmos”, declarou Natanael, explicando que sem as escrituras fica difícil, por exemplo, o acesso a créditos financeiros.

Os produtores também questionam a infraestrutura do perímetro, que tem solo argiloso e já passando por processo de salinização em alguns trechos. “O Salitre tem um potencial imenso para geração de emprego e renda, e não podemos deixar que entre em decadência antes mesmo de entrar em operação total”, ponderou. O último ponto da pauta refere-se à água utilizada pelos colonos, que passará a ser cobrada, apesar de a maioria não ter as escrituras.

Comissão de produtores do Salitre se mobiliza para lutar por escrituras e infraestrutura adequada no perímetro

  1. Frank Chaves disse:

    Absurdo total. Eu sou umas das vítimas deste processo de descaso do Projeto Salitre. Há mais de 02 anos que 48 escrituras estão no Cartório para confecção, inclusive a minha. Sou natural de Juazeiro e exercia minha profissão na região da Chapada Diamantina como autônomo. “Com a chegada” do Projeto Salitre, pensei: OPORTUNIDADE DE VOLTAR PARA CASA. Até brincava dizendo: ”DE VOLTA PARA MINHA CASA”. Na Chapada Diamantina optei por não assinar novos contratos e não renovar os que já estavam em andamento confiante no financiamento bancário para estruturar o lote, mas sem a escritura em mãos nada feito. O resultado foi mais um pai de família ficar desempregado e sem recursos financeiros para estruturar o lote de forma satisfatória.
    Sem condições, estou estruturando o lote com recursos próprios, não tem outra forma, é tirando de casa para botar no lote, interessante não é. “É sabido que agricultura é uma “loteria”, ganha hoje, perde amanhã”. Sem recursos financeiros institucionais não teremos condições de estruturar o lote que dê suporte para arcar os débitos que viram, inclusive de água. “PAGAMENTO DE TARIFA DE ÁGUA SÓ COM ESCRITURA EM MÃOS”.

    surdo total

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *