Comissão de Administração Pública da Alepe discute propostas para trânsito mais seguro

0
Foto/divulgação

No ano de 2017, mais de 45 mil pessoas perderam a vida nas estradas brasileiras – vítimas de acidentes em ruas, estradas e rodovias. Esse cenário preocupante levou a Comissão de Administração Pública da Assembleia Legislativa de Pernambuco a promover, na manhã de ontem (27), uma audiência pública que reuniu representantes dos órgãos controladores de trânsito e sociedade civil. A ideia foi buscar propostas para diminuir os números trágicos no trânsito.

O deputado Lucas Ramos (PSB), presidente da Comissão, conduziu o debate e destacou a importância da construção coletiva de um conjunto de propostas que busquem melhorar a segurança no trânsito. “As sugestões e relatórios apresentados nesta reunião deverão contribuir com a elaboração do Plano Nacional de Redução de Mortes e Lesões no Trânsito em Pernambuco que será apresentado ao Departamento Nacional de Trânsito (Denatran). Nossa missão fui cumprida: garantimos o espaço para que a sociedade se manifeste e participe deste momento“, afirmou.

A presidente do Conselho Estadual de Trânsito, Simíramis Queiroz, alertou que a solução para a redução dos acidentes de trânsito passa pelo envolvimento de todos. “Precisamos unir os esforços de todos os envolvidos para que tenhamos uma mudança efetiva, inclusive chamando à responsabilidade os órgãos de fiscalização. É uma missão que envolve cada um de nós“, disse.

Representando a Associação Metropolitana de Ciclistas do Grande Recife (Ameciclo), Daniel Valença citou a redução significativa dos acidentes em cidades que adotam programas de incentivo ao uso das bicicletas como meio de transporte. “Em Fortaleza, por exemplo, já é possível verificar um menor número de mortes e lesões no trânsito graças às políticas públicas voltadas para melhor circulação de ciclistas e pedestres. A redução do limite de velocidade nas vias também promove uma circulação mais segura“, enfatizou.

Os dados apresentados na audiência pública devem ser enviados ao Conselho Nacional de Trânsito até o dia 1º de agosto. A sociedade pode contribuir preenchendo um questionário que está disponível no site do Detran (www.detran.pe.gov.br) e apresentando sugestões até 15 de julho.

Lei Seca

Em 2016, quase 1.900 pessoas morreram no trânsito, gerando uma taxa de 20 óbitos a cada grupo de mil habitantes. A embriaguez ou o consumo de outras drogas ao volante ainda aparece como principal responsável pelos acidentes. Após dez anos de implantação da Lei Seca no Brasil, foi observada uma redução de 2,4% no número de óbitos. “Apesar do avanço, ainda há muito a ser feito para que tenhamos mais segurança nas nossas vias de circulação“, relatou Lucas. “Desde 2011, quando implantamos a Operação Lei Seca (OLS) em Pernambuco, realizamos em média 200 ações por mês buscando sempre salvar vidas”, detalhou o coordenador executivo da OLS, Tenente coronel Fábio Bagetti.

O deputado Eduíno Brito (PP), coordenador da Frente Parlamentar de Trânsito, cobrou maior fiscalização e execução constante de ações educativas. “Falta educação no trânsito e maior fiscalização dos órgãos responsáveis. Precisamos adotar leis ainda mais rígidas para quem dirige sob efeito do álcool”, defendeu. As informações são da assessoria de Lucas Ramos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome