Com história vencedora no Palmeiras, ex-goleiro Sérgio quer trazer para Petrolina espetáculo com grandes nomes do futebol brasileiro

0

Nos 22 anos de carreira como jogador profissional, ele passou por vários clubes brasileiros, mas marcou época mesmo no Palmeiras, onde se sagrou bicampeão com aquele supertime de 1993/94. O auge foi o título da Copa Libertadores com o alviverde do técnico Luís Felipe Scolari, em 1999. Hoje, o ex-goleiro Sérgio Luiz continua militando no esporte que lhe deu tudo na vida, só que fora das quatro linhas.

Entrevistado do Carlos Britto Talk Show desta semana, Sérgio contou que agora atua como empresário esportivo. Foi exatamente por isso que veio a Petrolina. O objetivo da visita é trazer para a cidade, e também à vizinha Juazeiro (BA), um grande espetáculo com algumas das principais estrelas que marcaram o futebol nacional – a exemplo de Marcelinho Carioca, Flávio Conceição, César Sampaio, Athirson, Júnior Baiano, entre outros.

Segundo Sérgio, sua agência tem hoje mais de 40 ex-atletas desse naipe. E ele disse ter percebido que o Norte-Nordeste do país é um grande nicho para explorar essa atividade, principalmente pela paixão do torcedor nos Estados dessas regiões. “A minha intenção e da nossa empresa é trazer um trabalho diferente. Muitos fazem esse tipo de jogo, mas queremos sair na frente na questão de organização, trazendo benefícios para a prefeitura, Secretaria de Esportes, porque isso influencia na garotada em escolinhas, na formação de atletas e do ser humano”, justificou, acrescentando que ex-jogadores locais serão convidados para participar do show esportivo. Por enquanto, ainda não existe uma data de quanto o evento acontecerá, mas o Blog vai divulgar assim que tudo for acertado.

Ídolos

Considerado por ele próprio um goleiro de poucos ‘frangos’, Sérgio encerrou a carreira aos 42 anos. Nesse tempo em que atuou, ele diz ter se inspirado em ídolos como João Leite (Atlético-MG), Leão (Palmeiras) e Carlos (Ponte Preta). Este último, já prestes a pendurar as chuteiras, chegou a conviver com o então novato Sérgio, em 1992, no Palmeiras. “Pude aprender muitas técnicas com ele”, lembra. Mas aquele que considera ‘o cara’ de sua geração é Taffarel, tetracampeão mundial com a seleção brasileira em 94. Se você perdeu a entrevista com Sérgio, basta acessar o link disponibilizado pelo Blog.

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome