Coluna da Folha: Irmã de Marília diz que Arraes não aprovaria governo do PSB

por Carlos Britto // 16 de maio de 2022 às 07:00

Foto: Carlos Britto

Pela primeira vez, a advogada Maria Arraes (SD) vai partir para concorrer a uma vaga na Câmara dos Deputados, e será nas eleições deste ano. Ela já carrega a responsabilidade de manter a linhagem da sua família em destaque no cenário político regional e nacional. Irmã mais nova da pré-candidata a governadora Marília Arraes (SD), Maria está percorrendo Pernambuco, oferecendo o seu nome e defendendo o nome da irmã para o Governo do Estado.

Maria mantém o tom contundente em relação ao PSB, e chamou de “desespero” a tentativa do pré-candidato a governador da situação, Danilo Cabral (PSB), de colar sua imagem à do ex-presidente Lula (PT).

O que temos visto é um desespero de colar a imagem dele com Lula. A nossa história com Lula começou ainda com meu avô, e essa relação continuou com Marília e continua comigo, porque a gente acredita no projeto de Lula e sabe da importância de Lula para nosso Estado. E mais do que isso: a gente sempre esteve ao lado de Lula. Há dois anos tivemos uma eleição no Recife, onde a gente pode ver que a Frente Popular bateu muito no presidente Lula. Então a gente não precisa explicar a nossa posição. A gente continua com a visão política de Arraes e de Lula”, ressaltou. Maria analisou também que a pré-candidatura da irmã tem potencial para ganhar ainda mais musculatura. “Além da pesquisa, o que a gente tem visto é que o povo está pedindo Marília. É uma estrada longa, mas estamos preparadas”, completou.

Com relação ao uso do nome do ex-governador, a irmã de Marília bateu ainda mais forte. “O nome do meu avo é associado a luta, a defesa do povo, não ao que está posto aí. Arraes não aprovaria a forma como governam, se afastando da população. Então considero essa apropriação indébita. Arraes era de luta e não aprovaria esse descaso com o povo”, afirmou.

Falta diálogo

Em Ouricuri, Sertão do Araripe, o vereador Iran Severo, presidente de Câmara Municipal encerrou a última reunião ordinária dando um ultimato, a ser cumprido pelo sindicato e pela associação dos professores, a respeito do Projeto de Lei, que reajustará os salários dos professores. Ele afirmou que o prazo para que esse embaraço seja resolvido, já ultrapassou o limite e está prejudicando os servidores. O Projeto tramita na Casa há cerca de dois meses e nenhuma das propostas apresentadas pelo executivo agradou aos trabalhadores, e o presidente pede que definam o que pretendem fazer.

Rompeu

Em Santa Maria da Boa Vista, Sertão do São Francisco, a presidente do PDT, Marly Paiva, entregou o cargo de secretária de Desenvolvimento Social do município e rompeu com o prefeito George Duarte (PP). Aliada de Wolney Queiroz (PDT) foi nomeada coordenadora da agência do trabalho do estado em Petrolina, e deve assumir o cargo nos próximos dias.

O grito preso na garganta

Petistas insatisfeitos, espalhado pelo interior, comemoraram o discurso, na plenária do PT de Pernambuco, a fala do ex-deputado federal Fernando Ferro, que tachou Danilo Cabral, candidato do PSB ao Governo do Estado, de golpista por ter votado a favor do impeachment da ex-presidente Dilma.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.