Coluna da Folha: A divergência dos números e a matemática que não fecha

por Carlos Britto // 27 de dezembro de 2022 às 07:00

Final e inicio de governo, quando dos dois lados existem atores contrários, não tem chance de dar certo ou de desfecho harmônico. Enquanto a turma do governador Paulo Câmara (PSB) fala em estado saneado e com superavit, integrantes do time da governadora eleita Raquel Lyra (PSDB) afirmam total desequilíbrio, obras paradas e rombo nas contas públicas.

Na coletiva concedida ontem a vice-governadora eleita, Priscila Krause (Cidadania) falou com preocupação que metade da população pernambucana vive em situação de pobreza, com 18% em estado de miséria. Mais uma vez citou obras paralisadas, 400 no total, com gastos até agora na casa dos R$ 5 bilhões.

A equipe de transição informa que o atual governador só vai deixar 1,8 bilhão de reais dos 3,3 bilhões de reais necessários para concluir as obras em Pernambuco. Um abismo de 1,5 bilhão de reais no orçamento.

A maior bronca estaria nas estradas. Segundo a equipe 39 obras estão acontecendo com conclusão prevista para o ano que vem e que demandam 1,2 bilhão de reais em investimentos. Acontece que no caixa só se tem registro de 322 milhões de reais, claramente insuficientes para o termino das obras

A trégua

O deputado estadual eleito, José Patriota (PSB) não para de fazer politica. O ex-prefeito de Afogados da Ingazeira admitiu que ele e os colegas eleitos na oposição darão uma trégua de arrumação a governadora eleita, Raquel Lyra (PSDB) “Vamos aguardar uns meses a fim de observar. Vamos torcer pelo melhor para Pernambuco”, afirmou em entrevista a uma rádio local.
Isso é a democracia e a gente precisa aprender a lidar com isso. Agora, vem a fase da governança. O governo é para todos, não é para quem votou ou deixou de votar. A crítica construtiva acompanhada de sugestões de boa fé, colabora. E começo fazendo olho a olho, quero apenas acesso ao diálogo de ser escutado e de sugerir, porque não estou ajudando Raquel, Maria, José ou Paulo. Eu tenho que ajudar a população. Somos agentes públicos. Em primeiro lugar os interesses da população”, lembrou.

Remédio amargo

Um fato inusitado aconteceu na audiência de uma ação de improbidade administrativa contra o ex-prefeito de São José do agito, no Sertão do Pajeú, Romério Guimarães. Ele é acusado de movimentar de R$ 500 mil frutos de um convênio com o Ministério dos Esportes para pagar uma empresa quando não era mais gestor, em 4 de janeiro de 2017 no a própria defesa do ex-gestor propôs a devolução do recurso, com todas as correções, e sua inexigibilidade por 5 anos.

Na expectativa

Enquanto o secretariado da governadora eleita, Raquel Lyra (PSDB) não sai, as conjecturas vão ganhando força. São fortes os rumores de que a deputada eleita Débora Almeida (PSDB) vai mesmo virar secretária e a primeira suplente, Lucinha Mota (PSDB) vai assumir. Mãe da menina Beatriz Angélica Mota, assassinada em Petrolina, Lucinha obteve 25.851 votos e fez uma cruzada a pé de Petrolina até o Recife clamando por justiça. Por onde andou ganhou apoio.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.