Chesf terá de indenizar ribeirinhos em R$ 40 milhões por Barragem de Xingó

por Carlos Britto // 14 de maio de 2024 às 18:00

Foto: X/reprodução

Mais de duas décadas depois, a Companhia Hidrelétrica do São Francisco (Eletrobras Chesf) concordou em pagar R$ 40 milhões em indenização por danos coletivos a ribeirinhos impactados com a construção da barragem da Usina Hidrelétrica do Xingó, na divisa entre Sergipe e Alagoas.

A definição veio durante audiência realizada no edifício-sede da Justiça  Federal, em Aracaju, nesta segunda-feira (13). O montante deve ser depositado em conta bancária judicial e repartido entre os mais de 200 moradores do extinto povoado Cabeço até o início de junho.

Os ribeirinhos acionaram a Justiça em 2003, após uma série de enchentes ocasionadas pela construção do empreendimento destruírem o povoado. As águas tomaram a comunidade, fazendo com que as pessoas tivessem que deixar o espaço no qual viviam.

O povoado desapareceu e as pessoas passaram à condição de ‘exiladas ambientais’. Diversas perícias realizadas no local comprovaram que a destruição do povoado se deu em decorrência da implantação e operação dos barramentos da Usina.

Condenação

No ano passado, o juiz Ronivon de Aragão, da 2ª Vara Federal, condenou a Chesf ao pagamento de 100 mil reais por danos morais coletivos e outros 100 mil por danos materiais para cada morador.

A companhia recorreu, mas teve seus argumentos rejeitados pelo magistrado. Com o objetivo de encerrar o processo, propôs um acordo para pagar apenas R$ 40 milhões (R$ 4 milhões a menos em relação ao valor da sentença) e teve a solicitação acolhida.

Localizada no Rio São Francisco, a Usina Hidrelétrica do Xingó foi construída entre 1987 e 1994 com objetivo de potencializar os projetos de irrigação e abastecimento d’água da região. É uma das nove unidades do sistema Chesf espalhadas ao longo do Velho Chico.

Sua chegada mudou definitivamente a paisagem da região e foi a responsável, entre outras intervenções, pela criação dos hoje famosos Cânions do Rio São Francisco, muito procurados por turistas que visitam o lugar. (Fonte: Carta Capital)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Últimos Comentários

  1. Um Petrolinense real, assim foi Fernando, pois uns chamado carinhosamente de besourinho. Eu me lembro muito bem do SAMBOSSA, Fernando,…