Campanha Nacional contra a Gripe em Petrolina vai focar principalmente no grupo prioritário das crianças, diz coordenadora

1
Mariana Araújo, representante da Sesau/foto: Gabriel Siqueira/Blog do Carlos Britto

A Secretaria de Saúde (Sesau) de Petrolina iniciou nesta quarta-feira (10) a Campanha Nacional contra a Influenza (Gripe) no município, com boas perspectivas de cumprir a meta de imunizar 90% do público-alvo – conforme preconizado pelo Ministério da Saúde. Nos anteriores já tem sido assim, menos em relação às crianças.

De acordo com a coordenadora de imunização de Petrolina, Mariana Araújo, essa faixa de público continua sendo a única a não atingir a meta, ficando em torno dos 78%. Por isso, a estratégia da prefeitura para este ano mudou.

“Ano passado, o grupo prioritário das crianças era a partir dos seis meses até menores de cinco anos. Nesse ano a gente ampliou para até menores de seis anos, para tentarmos atingir essa meta”, revelou Mariana, acrescentando que as crianças, juntamente com os idosos, são os mais atingidos pela Influenza nas faixas prioritárias da campanha.

Para aumentar ainda mais o grau de eficiência, em 2019 a coordenadora informou que o Ministério da Saúde dividiu a campanha em duas etapas: de hoje até 19 de abril, os grupos prioritários são crianças nessa faixa etária e as gestantes. A partir do dia 22 do mesmo mês até 31 de maio, os oito grupos restantes receberão as doses da vacina.

Ainda em relação às crianças, a Sesau fechou uma parceria com a Secretaria de Educação, Cultura e Esportes para levar as vacinas até as unidades do Nova Semente e dos Centros Municipais de Educação Infantil (CMEIs), num dia previamente agendado e mediante a devida autorização dos pais. O motivo é que muitos pais alegam dificuldades de levar seus filhos aos postos, justamente porque o horário de funcionamento dos mesmos praticamente coincide com o dessas unidades.

Dia ‘D’

Além disso, Mariana lembrou o Dia ‘D’ da campanha, que acontecerá em 4 de maio (sábado), quando os pais têm disponibilidade para levar os filhos ao postos. “Todas as unidades vão estar funcionando para fazer tanto a administração da vacina contra a Influenza, quanto à atualização das carteiras de vacinação das crianças e gestantes”, frisou.

A coordenadora revelou ao Blog que Pernambuco é o segundo Estado do país em aumento no número de notificações graves da doença, entre 2018 e 2019, mas deixou claro que isso não significa necessariamente óbitos.

Em relação aos outros grupos prioritários da campanha, Mariana citou as puérperas (mulheres com até 45 dias pós-parto, também conhecido como resguardo). Elas precisam levar Certidão de Nascimento ou documento comprovando alta do hospital ou, ainda, qualquer outro que comprove que esteve gestante e deu à luz. Em relação aos idosos acima dos 60 anos, também é necessário comprovação da idade para ter direito à vacina.

As outras faixas prioritárias são adolescentes e jovens entre 12 e 21 anos sob medidas socioeducativas, pessoas privadas de liberdade, funcionários do sistema prisional, povos indígenas (a partir dos seis meses de idade), trabalhadores da saúde pública e privada e pessoas com doenças não transmissíveis – a exemplo de diabéticos e asmáticos. Nesses casos, porém, é necessário prescrição médica para receber a dose.

Esse trabalho é para reduzirmos as complicações, mortalidade e as internações por conta do vírus da Influenza, porque a gente sabe que nas pessoas que não fazem parte desses grupos, a Influenza tende a ser mais leve”, frisou.

Mariana admitiu que as fake news espalhadas pelas redes sociais em torno das campanhas de vacinação tornaram o trabalho das autoridades sanitárias ainda mais desafiador. Um exemplo é o de que, ao tomar a dose contra a Influenza, a pessoa tende a adoecer. “A vacina é altamente segura, feita com vírus inativados, purificados. Portanto, não causam nenhuma doença”, concluiu.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome