Câmara de Petrolina quer ouvir versão do HDM/Imip sobre morte de adolescente

por Carlos Britto // 12 de agosto de 2022 às 11:22

Foto: divulgação

O caso da adolescente Maria Eduarda Delmondes, de 13 anos, que faleceu à espera de uma vaga de UTI no Hospital Dom Malan (HDM)/Imip, rendeu um protesto, na manhã de ontem (11), promovido pelo Movimento ‘Sou Mãe, Tenho medo’, que terminou na Câmara de Vereadores de Petrolina. Bastante nervosa, a mãe da menina, Maria Dulce Delmondes, chegou a interromper, aos gritos, a sessão plenária para cobrar apoio dos vereadores. O presidente da Mesa Diretora, Aero Cruz, comprometeu-se em se reunir com ela e outros familiares de Eduarda, mas lhe pediu para que a votação de projetos fosse concluída primeiro.

Assim que a sessão foi encerrada, Aero convidou Maria Dulce e outras pessoas da família para um conversa, da qual também participaram o presidente da comissão de Saúde, vereador César Durando, além dos vereadores de oposição, Professor Gilmar Santos e Marquinhos do N4, o líder governista Diogo Hoffmann e sua colega de bancada, vereadora Maria Elena.

Após a reunião ficou decidido que a Câmara vai solicitar um encontro com a direção da unidade médica, para ouvir o outro lado dessa história, e depois elaborar um  elaborar um documento a ser encaminhado ao governo do Estado, Ministério Público de Pernambuco (MPPE) e Conselho Regional de Medicina (Cremepe).

Maria Eduarda deu entrada no dia 6 de julho para uma intervenção cirúrgica de apendicite, e depois para uma abordagem pélvica. No entanto, a jovem contraiu uma infecção hospitalar entre um procedimento e outro. A mãe dela acredita que houve erro médico. “Perfuraram o intestino da minha filha. Ela não estava com o intestino perfurado porque a gente passou 11 dias no (hospital) São Lucas, em Juazeiro. Se ela estivesse com o intestino perfurado, os médicos lá tinham descoberto. Aí ela precisou de uma terceira abordagem, e quando fizeram ela já precisava de uma UTI e não jogaram no sistema. Eles fizeram pouco caso de minha filha”, lamentou.

Indignação

Segundo Maria Dulce, quando a filha deu entrada na sala vermelha do HDM, no dia 1º de agosto, ela já precisava de UTI, mas a unidade só teria registrado isso no sistema dois dias depois. “A gente implorou”, disse. A mãe de Eduarda e os demais manifestantes se mobilizaram em frente ao HDM, mas a direção não se pronunciou sobre o protesto.

Maria Dulce revelou ter procurado a Promotoria e a Defensoria Pública. Esta última chegou a entrar com uma ação cobrando providência para garantir uma vaga na UTI para a jovem, mas foi tarde. Dulce argumentou que o protesto não trará sua filha de volta, mas pode evitar que outras vidas terminem como a de Eduarda. “Se não for feita nenhuma intervenção agora, muitas mães vão chorar como estou chorado agora”, concluiu.

Câmara de Petrolina quer ouvir versão do HDM/Imip sobre morte de adolescente

  1. fas disse:

    A familia dessa criança não pode acreditar nessas amebas da camara, morre tanta gente, crianças todos os dias por esse tipo de atendimento e, ninguem ver nenhum vereador, e nenhuma autoridade se manifestar, quando aparece é pra se mostrar. é o caso dessa menina, ficam enganando os pais, pedindo informação do IMP ninguem fala da outra criança que morreu por negligência dos medicos do porto da ilha da picada de cobra

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.