Bahia é primeiro lugar em número de transplantes renais no Nordeste

1

Totalizando 224 transplantes de rim realizados entre os meses de janeiro e novembro deste ano, sendo 217 de doador cadáver e 7 de doador vivo, a Bahia ocupa a primeira posição em número do procedimento no Nordeste e a sétima no país. A enfermeira Carolina Sodré, coordenadora de Central de Órgãos do Estado, conta que apesar da pandemia do novo coronavírus (Covid-19), no início de março, foi possível realizar um número expressivo de transplante de órgãos na Bahia, com a efetivação de 123 doações de múltiplos órgãos e 323 de córneas, lembrando que nos primeiros meses da pandemia o Ministério da Saúde suspendeu a realização dos transplantes de rim intervivos e de córneas.

“Durante a pandemia de Covid-19, a Central de Transplantes vem adotando todas as medidas de segurança recomendadas pelos órgãos responsáveis, garantindo a continuidade do programa de transplante, sendo o único Estado do Nordeste que não interrompeu suas atividades de transplante renal e hepático, bem como manteve o serviço de acolhimento, entrevista familiar e captação de órgãos, garantindo o direito das famílias que tinham a intenção de ser doadoras”, revela Carolina Sodré.

“Em 2015, a Bahia figurava entre os últimos Estados do Brasil em número de doações e transplantes, além de altas taxas de negativa familiar. Estamos mudando essa realidade e isto só foi possível devido ao apoio incondicional do governador Rui Costa, que disponibilizou recursos do tesouro estadual para reduzir as dificuldades na realização de transplantes, incluindo estímulo financeiro às equipes médicas e hospitais, até o investimento em equipamentos, exames e medicamentos de alto custo na capital e interior”, destacou o secretário da Saúde do Estado, Fábio Vilas Boas.

A coordenadora do Sistema Estadual de Transplantes, Rita Pedrosa, ressalta os resultados alcançados pela Bahia nas atividades de transplantes, destacando que o Estado foi o único no país a não interromper o procedimento durante a pandemia. Já a coordenadora da Central de Transplantes destaca ainda que a educação continuada, que vem sendo mantida de forma online em todos os municípios baianos, é outro importante aspecto relacionado à atividade de transplante, e enfatiza que “progressivamente estamos reduzindo a taxa de negativa familiar, que já alcançou 76% e hoje está na casa de 54%. Nosso objetivo foi manter acesa a chama do transplante, para que pudéssemos dar continuidade à atividade, mesmo nesse momento difícil para a saúde”.

Unidades credenciadas 

Existem atualmente, na Bahia, 505 pessoas na fila esperando por um transplante renal, procedimento que é realizado em Salvador, nos hospitais Ana Neri, Geral Roberto Santos, Português, São Rafael, Cárdio Pulmonar e Martagão Gesteira – sendo os dois últimos recém habilitados e ainda não realizaram o procedimento. Em Feira de Santana, o transplante é realizado nos hospitais Dom Pedro de Alcântara e EMEC, e em Vitória da Conquista no hospital IBR.

1 COMENTÁRIO

  1. Em pernambuco foram realizados 324 transplantes renais em 2019. O Ceará realizou 293. É só fazer uma rápida pesquisa no Google. Ceará e Pernambuco sempre fizeram muito mais transplante renal que a Bahia, mesmo tendo uma população menor. Se o número inverteu esse ano, provavelmente reflete mais uma redução desses dois estados causados pela pandemia.

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome