Artigo do leitor: “O plano Estadual de Combate às moscas-da-fruta”

0

Neste artigo, o engenheiro agrônomo Ibis Dias ressalta o trabalho de combate às moscas-da-fruta, deflagrado pelo Governo de Pernambuco através de um plano estadual.

Confiram:

O Plano Estadual de Combate às Moscas-da-fruta (PEC/MF) foi lançado pelo Governo do Estado em 2014 e tem como principal objetivo estabelecer medidas de controle das moscas-da-fruta por meio do monitoramento populacional da praga e fiscalização em pomares de culturas hospedeiras, de forma integrada e coordenada, promovendo a redução dos níveis populacionais da praga em Petrolina e Lagoa Grande.

O Governo do Estado de Pernambuco investiu R$ 2,9 milhões na primeira etapa do programa e na segunda etapa, em convênio com o MAPA, investiu mais R$ 1,5 milhão. Com os recursos, foram instaladas 1.300 armadilhas para monitoramento semanal da praga em 12.954 hectares de 2.163 pequenos produtores, localizados nos perímetros irrigados de Bebedouro e Nilo Coelho, em Petrolina, e no município de Lagoa Grande, onde foram instaladas 30 armadilhas para monitorar 300 hectares de 314 produtores. Entre as ações do PEC/MF, ainda podemos destacar a aquisição de 24.690 litros de agrotóxico, que foram distribuídos de forma gratuita aos pequenos produtores de manga, uva, acerola e goiaba, para o controle da praga.

A ADAGRO (Agência de Defesa e Fiscalização Agropecuária), executora do plano, ainda contratou uma empresa especializada, a MOSCAMED, para fazer o monitoramento das moscas-das-frutas, a fim de obter dados semanais da flutuação populacional da praga, orientando, dessa forma, uma melhor tomada de decisão quanto ao local e aos métodos de controle a serem aplicados previstos na legislação.

A implementação do plano estadual conta com a participação de diversos parceiros: Embrapa, Codevasf/Ater, Moscamed, Distritos de irrigação dos perímetros de Bebedouro e Nilo Coelho, organizações de produtores, entre outros.

As exigências do cumprimento das ações de controle das moscas-da-fruta estão previstas na Portaria nº 08/2013 da Adagro, e, entre os tipos de controle recomendados, destaca-se o controle cultural, que consiste na retirada dos frutos maduros não comercializados da planta e do chão, devendo ser dada uma destinação adequada a esses frutos, impedindo, assim, a reprodução da mosca.

Até o momento, a ADAGRO vem intensificando as atividades de defesa e fiscalização agropecuária, com atividades de educação sanitária e de fiscalização do cumprimento da Portaria 08/2013. Para tanto, foram realizados vários treinamentos de técnicos e produtores sobre o controle das moscas-da-fruta, várias palestras, dias de campo, reuniões, visitas com orientação técnica, distribuição de material educativo, veiculação educativa no rádio e TV, divulgação dos resultados do monitoramento semanal da praga, entre outros.

As ações visam, principalmente, a manter a qualidade das nossas frutas e, consequentemente, garantir os mercados interno e externo dos produtores. Na oportunidade alertamos, mais uma vez, aos produtores que todos, sem exceção, devem fazer o controle das moscas de forma contínua, a fim de baixarmos, cada vez mais, os índices de infestação da praga. Devido aos esforços realizados pela ADAGRO e os produtores, os índices de população da praga permanecem estabilizados na região. Certamente, sem tais esforços, a infestação da praga poderia ter aumentado significativamente.

Cabe ressaltar que o polo de Petrolina/Juazeiro, localizado no Submédio do São Francisco (PE e BA), constitui o principal polo de fruticultura do país, tanto em qualidade como em exportação de frutas. No Submédio, já são explorados 69.000 hectares com culturas frutícolas irrigadas, que geram 250.000 empregos diretos e 950.000 empregos indiretos. As exportações corresponderam em 2018 a 28% do valor de todas as exportações da fruticultura brasileira. São exportados, ainda, 86% da manga e 99% da uva do país, além da geração de uma renda total anual de cerca de R$ 2 bilhões. Portanto, não podemos perder todas as nossas conquistas por causa da população elevada de uma praga.

Cabe evidenciar que, no cenário nacional, no segmento de defesa sanitária, a ADAGRO é um exemplo de empresa governamental que acompanha o desenvolvimento do agronegócio mundial e os seus desafios. Com uma gestão competente e dinâmica, a instituição vem trabalhando à frente das suas demandas, capacitando seus técnicos no Brasil e no exterior, inclusive nos níveis de mestrado e doutorado, com a finalidade de maior aprofundar os seus conhecimentos para transferi-los aos produtores.

Ebis Dias/Engenheiro Agrônomo da Adagro, Mestre em Irrigação e Drenagem pela Universidade de Chapingo (MEX) e ex-consultor da Unesco para a América Latina e o Caribe

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome