Artigo do leitor: “O anjo de Siret”

por Carlos Britto // 05 de março de 2022 às 20:31

Foto: Poder 360

Neste artigo feito para o site Poder360, o jornalista Marcelo Tognozzi ressalta a atitude solidária de Maria Tereza Coelho  Cunha Bueno, neta do senador Nilo Coelo e sobrinha de Osvaldo Coelho, que, junto do marido alemão, abriu as portas de sua fazenda, na Romênia, para abrigar refugiados da guerra entre Rússia e Ucrânia.

Confira:

A bisneta do coronel casou-se com o filho do conde alemão e da baronesa. Foram morar na Romênia, onde ele tem fazendas. Ela se chama Maria Tereza Coelho Cunha Bueno e seu marido é Hubertus Droste Zu Vischering von Nesselrode-Reichenstein. Viveram felizes para sempre até que a guerra começou.

Maria Teresa tem no sangue o DNA dos Coelhos de Petrolina, dos Brennands e dos Cunha Buenos de São Paulo, cujo filho mais famoso é o ex-deputado Antônio Henrique, monarquista de carteirinha. Em 1993, os brasileiros votaram num plebiscito para escolher entre monarquia ou república por obra e graça de uma emenda do paulista Cunha Bueno.

Mas esta não é a história de uma princesa da mais fina linhagem pernambucana que se casa com um nobre alemão. É a história de uma mulher com muita garra e coragem, que guardou no seu DNA o instinto da solidariedade. Maria Teresa e Hubertus transformaram a fazenda na Romênia num posto consular avançado do Itamaraty para receber refugiados.

Ali, na cidade de Siret, bem na borda da guerra, eles ajudam a salvar vidas. “Por metros não fui eu que tive de fugir”, contou ela, com a voz firme e emoção a flor da pele de quem o destino fez vizinha de uma tragédia.

Maria Tereza segue a trilha de 2 heróis brasileiros. O embaixador Luiz Martins de Souza Dantas e Aracy Moebius Guimarães Rosa, o Anjo de Hamburgo, ambos homenageados no Museu do Holocausto. Ajudaram a salvar centenas de vidas durante a 2ª Guerra Mundial, dando vistos e permitindo a fuga de judeus perseguidos por nazistas na Alemanha e na França ocupada. Enfrentaram os bajuladores de Getúlio Vargas e os nazistas de Hitler, como Maria Tereza agora encara de frente as desgraças da guerra de Putin batendo à sua porta.

É movida por uma energia forte e profunda no sangue e na alma. Segue a bisavó Josefa, a dona Zefinha, cuja rede de solidariedade salvou milhares de vidas de fugitivos da seca e da miséria nos anos 1930 e 1940. O exemplo da bisavó ensinou que nobreza não é necessariamente sinônimo de riqueza. É muito mais uma atitude do que um conceito; a diferença entre coragem e covardia.

Naqueles tempos duros, em que os retirantes brotavam pelas estradas como nas Vidas Secas de Graciliano Ramos ou na Morte e Vida Severina de João Cabral de Melo Neto, Josefa chegava a preparar 500 refeições por dia para alimentar os necessitados. “Ninguém sai da minha porta sem comer, sem um leite para as crianças”, repetia a incansável dona Zefinha, conta José Nivaldo Junior no livro O gigante do São Francisco, biografia do Coronel Quelê. Os retirantes comiam num alpendre mandado construir por Quelê ao lado da sua casa. Ali tinha mesa, cadeira e dignidade.

Nascida em 1989 e batizada com o nome da avó, Maria Tereza não chegou a conhecer Nilo, o avô ilustre ex-governador de Pernambuco e ex-senador morto em 1983. Sua força vem de muito longe, milhares e milhares de milhas distantes daquele sertão nordestino europeu, onde fica a pequena Siret. Foi criada ouvindo as histórias de uma família que sempre cultivou a solidariedade. Não faziam isso por boniteza, mas por precisão.

As pessoas batiam na porta dos Coelhos, em Petrolina, fosse cedo ou tarde, porque naquela casa ajuda não tinha hora marcada. O ex-deputado Osvaldo Coelho, com quem eu costumava tomava café na liderança do finado PFL, acordava às 4 da manhã e recebia quem batesse na sua porta. Ouvia muito e falava pouco. Usava um bigode que tapava o lábio superior, era alto, gordo, extremamente simpático e elegante. Entendia de gente como poucos.

Como o tio Osvaldo, Maria Tereza também trabalha até tarde e acorda cedo. Ontem de manhã ela comemorou a chegada do filho de uma funcionária que conseguiu cruzar a fronteira. Mais uma família salva. Como seus ancestrais de Petrolina, Maria Tereza e o marido ergueram um oásis de solidariedade na fronteira com o inferno. No século passado era a seca. Agora, são os mísseis e os canhões. Que os deuses protejam o anjo de Siret.

Marcelo Tognozzi/Jornalista e consultor independente

Artigo do leitor: “O anjo de Siret”

  1. Petrus disse:

    Só faltou mostrar a carteirinha de puxa-saco.

  2. Popó disse:

    Rapaz tem gente que não mere resposta.

  3. Mislene Correia disse:

    É inacreditável que alguém possa ver isso como puxa-saquismo. O mundo realmente está muito doente.
    Aproveito para registrar minha admiração por essa descendente de pessoas tão humanas e solidárias.

  4. jilvandro Lino disse:

    O mundo necessita de mais pessoas como Maria Tereza,louvável sua atitude,admirável.

  5. Petrus disse:

    Idiotas, puxa-saco foi quem escreveu, não quem prestou solidariedade. Quer dizer que a pessoa só prestou auxílio por que pertence à família Coelho? Em que momento me referi à senhora Maria Tereza. Ela fez o que o qualquer pessoa humana e sensata faria.

  6. Rossânia Alves Costa disse:

    E você, a de despeitado…Talvez???

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.