Artigo do leitor: “Na pandemia, oi, como você está?”

0
Foto: Internet/reprodução

Em tempos de pandemia, um assunto até então pouco comentado ganhou visibilidade: a saúde mental. É disso que trata neste artigo a psicóloga, poeta e professora Raíza Figuerêdo. Natural de Salgueiro (PE) e atualmente residindo no Recife (PE), ela fez Doutorado em Psicologia pela UFPE e é Arteterapeuta (em formação). Também é pesquisadora do campo da Psicologia da Arte e publicou o livro de poesias O coletor, pela Editora Confraria do Vento (Rio de Janeiro, 2019). Quem quiser saber um pouco mais de Raíza pode acessar seu Instagram (@raizabarrosfigueredo) ou o site www.raizafigueredo.com.

Confiram seu artigo:

Confinados estamos todos, mesmo os que precisam sair para trabalhar, voltam as suas casas após o final do expediente, e de lá, geralmente não saem, a não ser que seja para ir novamente ao seu ofício no outro dia. Nesse cenário de caos que define a pandemia que estamos vivendo, nunca se ouviu falar tanto em saúde mental.

Emoções como medo e tristeza ou sentimentos associados à angústia, tensão, tédio e ansiedade têm sido muito relatados pelas pessoas e diante dessas vivências. Como lidar com tudo isso?

Quando o assunto é a subjetividade humana, não existem receitas prontas, o que temos são possibilidades e caminhos e cada ser tem uma forma de lidar com essas dificuldades.

Estamos passando mais tempo em nossos lares, um convite ao recolhimento e à introspecção. Se faz presente o símbolo da casa, Héstia, a deusa grega protetora dos lares nos convida a viver a experiência de estar em casa, que é marcada por momentos de alegria, tristeza, tédio, enfim…um misto de emoções e sentimentos. Não é tarefa fácil, mas vamos tentando nos equilibrar no passar das horas.

Somos chamados a desenvolver a criatividade, que é um processo psicológico que precisa ser regado e alimentado para germinar e florescer. Os momentos de crise ofertam várias possibilidades de adaptação,  saímos da nossa zona de conforto e podemos nos reinventar. Vemos pessoas fazendo exercícios físicos em seus lares, trabalhando de forma remota, artistas fazendo lives de música, a arte está ganhando cada vez mais espaço em nossas casas e sabemos o quanto ela é importante para trazer mais leveza e calma.

E no terreno fértil da arte muitas são as veredas, músicas, filmes, séries, livros, trabalhos manuais, artes culinárias e da jardinagem, enfim, diversas são as possibilidades de fruição e cada um se identifica mais com uma ou outra coisa. E você, gosta de fazer o que?

E assim vamos tentando viver um dia por vez e, ao olhar para dentro, possibilidades de crescimento nascem.

Raíza Figuerêdo/Psicóloga-poeta-professora

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome