Aprovado na Casa Plínio Amorim projeto que obriga Samu a encaminhar paciente a hospital particular

17

Após a retirada de alguns projetos, inclusive do Executivo, os vereadores da Casa Plínio Amorim aprovaram na sessão plenária desta quinta (3), que acabou agora há pouco, uma matéria que rendeu polêmica.

Trata-se do Projeto 069/218, que autoriza o Executivo a estabelecer normas para atendimentos de emergência prestados pelo Samu de Petrolina. Na prática, a proposta obriga o Samu a encaminhar um paciente acidentado para o hospital particular do qual tenha plano e saúde.

O projeto, de autoria de seis vereadores, passou por 14 votos a favor, mas teve duas abstenções. Mais detalhes pelas próximas horas.

17 COMENTÁRIOS

  1. respondam ai esta duvida, e se o paciente estiver sozinho e inconsciente, como é que os socorristas do Samu vão saber que plano a pessoa tem e qual hospital atende?!

      • Eduardo o ‘especialista’ que está dizendo, eu quero ler o projeto detalhado o que diz, afinal a materia fala em SAMU sendo OBRIGADO a levar, o que pressupoe que os socorristas vão ter que dar seus pulos pra saber se o sujeito tem plano ou não – e depois ter que responder alguma confusão criada com essa medida

  2. Nada mais justo… o camarada não irá lotar os leitos públicos, já que tem o seu plano de saúde…. e deixa a vaga do serviço público para quem não tem o plano de saúde… não sei porque tanta polêmica….

    • Se o cidadão tem plano de saúde é problema dele. Cabe a ele ou família escolher para qual hospital ele vai, seja público ou particular. Se paga altos impostos da mesma forma.

  3. Mas isso não deveria eximir hospitais particulares e planos de saúde de terem suas próprias ambulâncias pra atender urgências que não são tão urgentes assim. Isso seria exploração indevida de serviços públicos por entidades privadas.

      • Na verdade o comentário do Luiz é muito pertinente. Se a questão fosse só essa, de levar um acidentado para um hospital privado, caso o acidentado tenha convênio, não haveria polêmica alguma. Seria só a lógica. A verdadeira questão é que os dois únicos hospitais da região que têm ambulância própria são o HGU e a Unimed. Todos os outros adorariam ter o SAMU à sua disposição. Hoje quando um paciente do Memorial ou Neurocardio vai fazer um exame ou procedimento fora, vai no carro próprio, uber, mototáxi, o que for. Os hospitais não querem nem saber… O SAMU não dá conta da demanda atual, e o próximo passo é mudar a interpretação dessa lei para que o SAMU faça todo tipo de transporte de hospital privado.

  4. Agora o cidadão vai ter que andar com um “tenho plano de saúde” estampado na testa. Já que o cidadão que usa plano de saúde não poderá mais ser levado para hospital público, o governo poderia dar isenções de IR e IPTU para quem usa plano de saúde. Simples assim! Se não usa o SUS não tem por quê pagar pelo que não usa. É cada lei ridícula. Só em Petrolina mesmo!

  5. A pergunta é. Quanto os empresários de um grande plano de saúde pagou a algum vereador para aprovar essa lei. Enquanto isso no ultimo mês de fevereiro o STF obriga os planos de saúde a ressarcirem o SUS por atendimentos na rede pública. Esses nossos legisladores municipais. E aí fica a pergunta? Qual a contrapartida dos hospitais particulares para com o serviço público?

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome