Após tricampeonato em etapa regional do Brasileiro de Judô, jovem Iasmine já mira competição no Amapá

2

iasmine e jéssicaUm mês após se sagrar tricampeã brasileira da etapa regional do Campeonato de Judô na categoria até 40 kg, realizado em Igarassu (Região Metropolitana do Recife), a jovem petrolinense Iasmine Silva, de apenas 13 anos, quer mais. Ela teve de esperar todo esse tempo para ver que estava confirmada na seletiva que lhe garantiu vaga para a competição nacional, marcada para o Amapá, em agosto. Agora, não pensa em outra coisa.

Com um ritmo intenso de treinos no tatame durante três dias na semana, mais o preparo físico através de corridas no Parque Josepha Coelho ou próximo a sua casa, no Jardim Amazonas, zona oeste da cidade, Iasmine quer fazer bonito no nacional. “Estou com boas expectativas”, analisa a atleta, que é faixa verde.

Com mais duas irmãs judocas, Iasmine encontrou justamente na mais velha o estímulo que precisa para alcançar o sucesso, apesar de todos os obstáculos. Jéssica Silva, 23 anos, já tem um currículo considerável na carreira: foi campeã pernambucana oito vezes, campeão brasileira do regional em 2010 e alcançou o quarto lugar no brasileiro em Santa Catarina, em 2011. Em Igarassu, mês passado, ela ficou com o segundo lugar e virou uma reserva de luxo. Caso alguma atleta da seletiva fique impossibilitada de ir ao Amapá, é Jéssica quem irá.

A união entre as duas irmãs fez de Jéssica a professora ideal para Iasmine. O resultado não poderia ser outro. “A gente se entende muito bem. Nessa etapa em Igarassu, por exemplo, minha irmã estava com um problema de estômago, até pensou em desistir. Mas eu disse a ela que conseguiria. Ela lutou e venceu, e quando acabou a luta, começou a chorar. As pessoas achavam que era de emoção, mas eu sabia que foi pela superação. Acho que essa união da nossa família é um grande estímulo”, afirma Jéssica.

Apoio

A velha falta de apoio do poder público e do empresariado local ainda é o maior empecilho para as duas atletas. Em 2013, inclusive, elas deixaram de competir em Rondônia por não conseguirem patrocínio. O único patrocinador oficial das irmãs Silva, até o momento, é a Farmácia Nomequel. Ainda é pouco. Mas elas não perdem o otimismo de guerreiras. Para o Nacional de Judô em agosto, elas esperam viabilizar ao menos as passagens, e já estão mantendo contato com o vereador Aílton Guimarães, ex-secretário de Esportes da Prefeitura de Petrolina. Quem desejar apoiar as duas, pode entrar em contato com Jéssica pelo telefone (87) 8832-1587.

2 COMENTÁRIOS

  1. Obrigada a todos do blog!! É fundamental esse apoio pela mídia!! Só lembrando que na seletiva que classifiquei em 2° lugar o Brasileiro será em Fortaleza!!Sênior!

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome