Após seis meses de impasse, patrões e assalariados rurais chegam a acordo sobre CCT 2023

por Carlos Britto // 08 de junho de 2023 às 08:00

Foto: Ascom STTAR/arquivo

Após seis meses de impasse, os representantes dos produtores rurais do Vale do São Francisco e a comissão dos sindicatos que defendem os trabalhadores assalariados rurais da região finalmente chegaram a um acordo sobre a Convenção Coletiva de Trabalho 2023. Além de ajustes na CCT, ficou definido o novo salário da categoria, que é retroativo ao mês de janeiro deste ano.

O piso dos assalariados rurais passa de R$ 1.264,00 para 1.354,00. Com relação às cláusulas da CCT, os direitos trabalhistas conquistados nas convenções anteriores foram mantidos. A mudança foi a inclusão de dois compromissos sociais: combater o racismo e a violência contra a mulher, em cooperação mútua entre os produtores e os sindicatos dos trabalhadores rurais.

Foi uma negociação muito dura, o momento econômico e social foi considerado com muita atenção. Com nossas mobilizações, ficou claro que o trabalhador assalariado rural está consciente de sua importância na engrenagem do agronegócio. Por isso, a tendência é que, nas próximas negociações, vamos conseguir ampliar os direitos e melhorar ainda mais o salário da categoria”, resumiu a presidente do Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Assalariados Rurais de Petrolina (STTAR), Maria Joelma.

Sem retrocesso

Uma das grandes vitórias da negociação foi a garantia de conquistas anteriores e o não-condicionamento do aumento de salário. “Esta campanha é a 29ª e nunca houve reajuste de salário em troca de retirada de direitos dos trabalhadores. Então, o sindicato segue firme homologando as rescisões trabalhistas, bancos de horas vão continuar sendo feitos com a presença sindical e a pausa dos tratoristas também não foi revogada”, complementou Maria Joelma.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Últimos Comentários

  1. A manutenção da estátua de Daniel Alves manterá também a contradição de seus atos. Hoje os monumentos também servem para…