Ao selar apoio com Frente Popular, Cappellaro ressalta: “Queremos ser tratados como iguais”

1

cappellaro_524x375Em palanques opostos até a última eleição municipal, em 2012, PPS e PSB vão caminhar juntos na campanha para o Governo de Pernambuco este ano. O sinal verde foi dado pelo presidente nacional da legenda pós-socialista, Roberto Freire, e encontrou em Vilmar Cappellaro o principal articulador da aliança com a Frente Popular no Sertão do São Francisco.

Ao Blog, o presidente municipal do PPS e pré-candidato a deputado estadual informou que antes do martelo ser batido, a formalização do apoio aos pré-candidatos a governador da Frente Popular, Paulo Câmara (PSB), a vice Raul Henry, e a senador Fernando Bezerra Coelho (PSB), foi amplamente discutido em assembleia realizada no Recife com demais lideranças pós-socialistas.

Uma dessas lideranças, Raul Jungmann – atualmente vereador na capital pernambucana e que tentará um retorno à Câmara Federal – elogiou o trabalho de articulação de Cappellaro. Por isso mesmo os pós-socialistas não esperam ser apenas ilustres coadjuvantes nesse processo.

Se hoje estamos com a Frente Popular, queremos ser tratados como iguais”, ressaltou Cappellaro, que fala com a experiência de ter sido candidato a vice-prefeito de Petrolina, há dois anos, e sobretudo de ter alcançado surpreendentes 15 mil votos em sua primeira eleição a estadual, em 2010.

Projetos

Empresário respeitado no ramo da fruticultura na região, Cappellaro justifica seu ingresso na política para tentar viabilizar projetos que tirem a região da “estagnação econômica” na qual se encontra. Citou, por exemplo, a infraestrutura precária das estradas que dificultam o escoamento da produção e os problemas enfrentados pelos fruticultores locais.

“Há dez, 15 anos nós tínhamos 14 mil hectares de uvas plantadas; hoje temos 10 mil. Tínhamos 30 mil hectares de mangas, e hoje temos 22 mil. Nossa população vem aumentando e as atividades econômicas diminuindo. Então, precisamos trazer para a política experiências da iniciativa privada, junto com pessoas que se preocupam com a região, nesse debate”, ponderou Cappellaro.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome