Antonio Coelho diz que Auxílio Tecnológico do Governo de PE possui “falhas graves”

por Carlos Britto // 23 de setembro de 2021 às 18:00

Foto: divulgação

O líder da oposição na Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe), deputado Antonio Coelho (DEM), declarou que o Programa de Auxílio Tecnológico do Governo de Pernambuco possui “falhas graves”. A afirmação foi dita durante o uso da tribuna nesta quinta-feira (23). Segundo Antonio, a obrigatoriedade de compra dos notebooks apenas através da Plataforma Professor Conectado é um “equívoco”.

De acordo com o deputado, os equipamentos comercializados na Plataforma ‘Professor Conectado’, além de possuírem uma configuração ultrapassada, estão com preços superiores a produtos semelhantes encontrados no mercado. “Os notebooks estão sendo vendidos a R$ 5 mil, cada. Enquanto isso, é possível encontrar produtos similares nos sites de comércio eletrônico a um valor médio de R$ 3 mil. Isso implica um sobrepreço de 40%”, destacou o líder da oposição, questionando, em seguida, “o interesse da gestão Paulo Câmara em forçar os professores a comprar computadores caros e ultrapassados”.

Antonio Coelho também lamentou a falta de flexibilização do programa estadual e considerou o valor único de R$ 5 mil destinado a cada docente muito aquém do praticado em programas similares, a exemplo de Petrolina, cujo valor é de R$ 8 mil. O democrata defendeu, ainda, a liberdade de compra dos professores a fim de que possam escolher os equipamentos eletrônicos que considerem mais adequados à melhoria da sua docência.

Antonio Coelho diz que Auxílio Tecnológico do Governo de PE possui “falhas graves”

  1. Petrus disse:

    Verdade misturada com mentira não se torna verdade. O auxílio concedido em Petrolina foi de 8 mil para os professores efetivos e 4 mil para os professores contratados, que, segundo o estatuto dos servidores, é servidor também, embora discrimando pelo Secretário de Educação, que não sabe mais o que é um professor. Não se trata de ingratidão. É pura discriminação com os contratados, que, aliás, é o tipo de servidor que vem predominando em Petrolina, uma burla ao princípio constitucional do concurso público, uma vez que a prefeitura vem ocupando os cargos com processo seletivo simplificado, prejudicando os profissionais da educação, que nunca alcançam a estabilidade, com o perigo de não haver manutenção da previdência municipal para os efetivos, já que não há recolhimento para o IGPREV. Portanto, deputado, a discriminação com os contratados é tanta, que o valor do efetivo foi 8 mil, só que como fala do deputado, dá
    a entender que todos receberam esse valor, o que esbarra na verdade. Só que é bom que ao deputado que não há diferença entre o voto de um contratado e um efetivo.

  2. Gomes disse:

    Bom dia.

    Realmente todos os professores trabalham cumprindo a mesma carga horária, currículo e normas determinada pelas secretarias nisso todos são iguais, mas qd é para dividir os montantes há essa disparidade revoltante. Porém que fique claro que o governo do Estado só deu auxílio tecnológico para o professor efetivo e ainda sem poder de escolha é tudo ditado por Recife. Com relação aos concursos qd fazem é para uma vaga, sendo que os processos seletivos chamam mais de dez vinte professores dependendo da área. Em Petrolina muitos professores se aposentando e surgindo vaga real ocupada por contrato. Enfim vá entender!?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *