Animais raros e em extinção são encontrados no Sertão do Pajeú durante programa de fiscalização

1
Aves apreendidas durante os trabalhos no Sertão do Pajeú. (Foto: FPI-PE/Divulgação)

Com o objetivo de realizar o resgate de animais silvestres em cativeiros, ilegalmente, para tratá-los e os devolver à natureza ou encaminhar ao processo de readaptação, técnicos da Equipe Fauna do Programa de Fiscalização Preventiva Integrada (FPI) em Pernambuco realizaram ações em municípios do Sertão do Pajeú. Na primeira semana de fiscalização, um total de 861 animais silvestres – em sua maioria aves – foram resgatados pelos técnicos do programa. Até o momento, 242 animais já foram devolvidos à natureza.

Entre estes, um papagaio da espécie Chauá, considerado raro e que está ameaçado de extinção. De acordo com os técnicos, a ave é uma espécie da Mata Atlântica, o que indica que chegou a esta região por intermédio de tráfico. Um outro caso de espécie rara encontrada é um pássaro identificado como Maritaca da Cabeça Azul. Além destes, um Jacu também foi entregue voluntariamente. Uma dezena de Pintassilgos do Nordeste, que também fazem parte da lista dos ameaçados de extinção, estão no grupo de animais resgatados, além de aves de como: Galo-de Campina, Golinho, Papa-capim, Garibaldi, Cravinhos Azulão, Mané-magro, Caboclinhos, Bigode, Canário-da-terra,Tico-tico, Tiziu, Sibito, Cancão e Maria fita.

Estes animais estão sendo avaliados e, os que estão saudáveis e aptos, são encaminhados para soltura em seu bioma de ocorrência. Já os que apresentam lesões permanecem no Centro de Triagem de Animais Silvestres (CETAS), da Agência Estadual de Meio Ambiente (CPRH), para o restabelecimento da sua saúde. Além das aves, alguns répteis (uma cascavel, 10 jabutis, uma tartaruga) e um sagui também foram encontrados.

Entregas voluntárias

O programa FPI reforça o caráter educativo da iniciativa e conta com um saldo positivo em relação às entregas voluntárias de animais. Um caminhão da PRF está circulando nos municípios de Afogados da Ingazeira, Carnaíba, Iguaraci, Ingazeira, Tabira e Tuparetama recebendo os animais entregues voluntariamente. “Os trabalhos da FPI no contexto da Equipe da Fauna demonstram que é possível uma mudança de paradigma da sociedade, por meio de uma ação educativa. A estratégia de termos uma campanha para entrega voluntária durante a FPI é uma comprovação de que é possível ter a sociedade como protagonista desse processo”, destaca o superintende do Ibama PE e coordenador da FPI, Francisco Campello.

Ação continuada

O FPI-PE é uma ação continuada cujo objetivo é adotar medidas preventivas para melhorias da gestão ambiental e qualidade de vida na região da Bacia Hidrográfica do São Francisco. Em Pernambuco, sob a coordenação do Centro de Apoio Operacional às Promotorias de Defesa do Meio Ambiente do MPPE, a iniciativa conta com a participação de vários órgãos e entidades fiscalizadores.

1 COMENTÁRIO

  1. É de bom alvitre ressaltar, que não é só a equipe fauna que está resgatando os diversos animais durante a operação. As equipes de agrotóxicos, flora, abate, águas e barragens, patrimônio histórico e etc… Também estão resgatando os animais.
    Excelente trabalho.

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome