Alvo de clínicas no Brasil, vacina indiana gera críticas por aprovação apressada

0
Foto: EPA/reprodução

No domingo (4), o governo indiano aprovou o uso da vacina do laboratório Bharat Biotech – conhecida como Covaxin – assim como do imunizante desenvolvido em parceria pela farmacêutica AstraZeneca e a Universidade de Oxford, que também está sendo produzido na Índia. No Brasil, clínicas privadas divulgaram no domingo que estão negociando com a Bharat Biotech para compra de 5 milhões de doses da vacina indiana, ainda não aprovada em nenhum outro país além da Índia.

O presidente da Associação Brasileira das Clínicas de Vacinas (ABCVAC), Geraldo Barbosa, afirmou em entrevista ao canal de TV Globonews que a expectativa é de que o resultado da terceira fase de testes do imunizante indiano saia ainda neste mês de janeiro. Caso isso se confirme, o laboratório entraria em fevereiro com pedido de registro definitivo na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Não está claro como funcionaria (e nem se de fato haveria) uma eventual fila na rede privada de vacinas no Brasil. Barbosa disse que, em um cenário otimista, a vacina estaria disponível em clínicas particulares a partir da segunda quinzena de março.

Segundo ele, um memorando de intenção foi assinado entre a ABCVAC e o laboratório Bharat Biotech, e uma comitiva de brasileiros viaja na segunda-feira (5/1) para a Índia para conhecer melhor a vacina e a fábrica da empresa.

Críticas na Índia

O primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, apontou a aprovação como uma “virada no jogo” da Covid, mas especialistas em saúde alertam que a medida é apressada.

A entidade independente de vigilância de saúde All India Drug Action Network disse estar “chocada”. Para ela, há “preocupações significativas decorrentes da ausência de dados de eficácia”, bem como uma falta de transparência que “levantaria mais perguntas do que respostas e provavelmente não reforçaria a fé em nossos órgãos de decisão científica“.

A declaração da entidade foi feita depois que o controlador-geral de medicamentos da Índia, V. G. Somani, insistiu que a Covaxin é “segura e fornece uma resposta imunológica robusta“.

Ele acrescentou que as vacinas foram aprovadas para uso restrito no “interesse público como uma precaução, em modo de ensaio clínico, para ter mais opções de vacinação, especialmente no caso de infecção por cepas mutantes“. “As vacinas são 100% seguras”, disse ele, acrescentando que efeitos colaterais como “febre baixa, dor e alergia são comuns a todas as vacinas”.

A All India Drug Action Network, no entanto, diz estar “perplexa ao tentar entender a lógica científica” para aprovar “uma vacina estudada de forma incompleta”. (Fonte: BBC)

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome

2 × 2 =