Alexandre Mota: Mangabeira Unger é ridículo.

por Carlos Britto // 25 de janeiro de 2009 às 14:23

Prezado Carlos Britto


Parabens pelo se blog era o que estava faltando em Petrolina.
Queria dizer ao amigo que não perca tempo divulgando noticias deste Mangabeira Unger,este poeta que apesar de ser brasileiro fala com sotaque de americano que é simplismente ridiculo,é apenas figurante do governo sem nenhum poder para realizar nada. Não podemos nos esquecer que esta mesma figura disse horrores do presidente Lula e de seu governo quando da época do mensalão e hoje da uma de sem memoria sendo ministro do futuro, que coisa patética. Está gastando o dinheiro dos impostos pagos com o nosso suor para fazer uma viagem inutil pelo nordeste para conhecer a região,veja que ridiculo,e dando declarações as mais bestas possiveis beirando o ridiculo.Não podemos aceitar isso de bom grado chega de  palhaçada,acho que seria bem melhor que nós pedissemos ao presidente Lula que devolvesse este principe para os americanos que gostam de poesia.Se este rapaz é da universidade de Harvard ela está caindo de nivel.

Alexanre Mota

Alexandre Mota: Mangabeira Unger é ridículo.

  1. Concordo em número, gênero e grau. É patético o ministro e o ministério. SEALOPRA Aloprados

  2. Aurélio disse:

    Também implicava com o sotaque carregado de Mangabeira Unger, próprio de quem foi criado nos Estados Unidos por quase 50 anos e com o fato de Lula ter criado o SEALOPRA para calar as críticas ácidas de Mangabeira ao seu governo. Até que, em dezembro do ano passado, ouvi da boca de importante liderança do Democratas (que faz oposição implacável ao governo petista), altos elogios à inteligencia dele e ao plano de desenvolvimento para a Amazônia exposto no dia anterior pelo ministro.

    Não conheço com profundidade o currículo do Sr. Alexandre Mota, mas, com certeza, não chega nem aos pés do ministro, que, numa rápida pesquisa na internet fiquei sabendo que foi até professor do presidente americano recém empossado.

    Aconselho a Mota, inclusive, que também estude português, pois nestas poucas linhas encontramos uma dúzia de erros de acentuação gráfica.

    Quem tiver curiosidade em conhecer a biografia de Mangabeira, pode ler nos links abaixo:

    http://pt.wikipedia.org/wiki/Roberto_Mangabeira_Unger

    http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EDG77170-6014,00-O+MALABARISTA+DE+HARVARD.html

  3. Aurélio disse:

    Também implicava com o sotaque carregado de Mangabeira Unger, próprio de quem foi educado e viveu nos Estados Unidos por quase 50 anos e com o fato de Lula ter criado o SEALOPRA para calar as críticas ácidas de Mangabeira ao seu governo. Até que, em dezembro do ano passado, ouvi da boca de importante liderança do Democratas (que faz oposição implacável ao governo petista), altos elogios à inteligência dele e ao plano de desenvolvimento para a Amazônia exposto no dia anterior pelo ministro.

    Não conheço com profundidade o currículo do Sr. Alexandre Mota, mas, com certeza, não chega nem aos pés do ministro, que, numa rápida pesquisa na internet, fiquei sabendo que Mangabeira foi professor até do presidente americano recém empossado.

    Aconselho a Mota, inclusive, que também estude português, pois nestas poucas linhas encontramos uma dúzia de erros de acentuação gráfica.

    Quem tiver curiosidade em conhecer a biografia de Mangabeira, pode ler nos links abaixo:

    http://pt.wikipedia.org/wiki/Roberto_Mangabeira_Unger

    http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EDG77170-6014,00-O+MALABARISTA+DE+HARVARD.html

  4. Marcos Antonio Brasil disse:

    O comentário do ilustre médico deveria também ser menos raivoso, pois que também beira ao ridículo quando apresenta suas críticas ao ministro, que se sabe, já disse que o Governo a quem serve agora, é e foi o mais corrupto que o Brasil já teve. Ao falar do modo com posto no blog, ele se iguala ao ao ministro, que já provou ser inconsequente e mal educado. Também não gosto do referido ministro, mas sendo ele uma autoridade da república, devemos tratá-lo com respeito. Seria bom se alguém fizesse chegar o comentário feito nas mãos do criticado, pois assim, certamente, teria o signatário do comentário, que responder judicialmente por suas palavras desmedidas.

  5. Pedro Lupion disse:

    Que nada a ver Marcos Brasil. Não vi agressão alguma para ocorrer uma retratação via justiça. Talvez por isso a justiça seja emperrada no Brasil. Por tanta besteira que se colocam na justiça.

    O Ministro é ridículo. Pedante. Não me importa de quem ele tenha sido professor. Para mim não tem caráter do mesmo jeito. Basta ver o que ele dizia e onde ele está agora

  6. Petrolina disse:

    Afinal de contas? O que foi que esse ministro disse de tão ruim pra gerar tanta raiva da elite de Petrolina?

  7. Fernando Perisse disse:

    Resposta para Petrolina:
    Entre outras besteiras disse que existe um vazio intelectual no Nordeste.

  8. Alvaro Zanatta disse:

    As biografias dizem tudo, se publicar biografia também pode ser motivo de ameaça judicial , com jornalista estou pronto a responder:

    Otávio Mangabeira – Era filho de Francisco Cavalcanti Mangabeira e Augusta Mangabeira. Estudou na cidade natal, onde formou-se na então Escola Politécnica, onde mais tarde veio a ser professor de Astronomia.
    Já em 1908 elege-se vereador da capital, iniciando assim uma longa carreira política que rendeu-lhe dois exílios.
    Em 1912 é eleito deputado federal e, em 1926, no governo Washington Luís, ministro do Exterior.
    Em 1930 é eleito para a Academia Brasileira, mas é exilado, voltando somente em 1937. mas o Estado Novo força-o novamente a exilar-se, retornando apenas com a redemocratização, elegendo-se deputado constituinte (1945 – foi o vice-presidente da Assembléia) pela UDN – partido do qual foi um dos fundadores e primeiro Presidente, elegendo-se em seguida governador da Bahia.
    Após o governo é novamente deputado federal e, em 1958, elege-se senador, falecendo durante o mandato.
    O general do exército dos EUA, Dwight Eisenhower, um dos comandantes das tropas aliadas na Segunda Guerra Mundial, visita o Rio de Janeiro, em 13 de agosto de 1946, ocasião em que o líder da UDN, Otávio Mangabeira, beija-lhe a mão.

    Roberto Mangabeira Unger – Nasceu no Rio de Janeiro em 1947, filho da poetisa e jornalista Edyla Mangabeira e do advogado alemão naturalizado estadunidense Artur Unger. Seu avô, o famoso político baiano Otávio Mangabeira – de cuja carreira constam postos como o de governador, senador e ministro – sempre foi o seu grande exemplo. Através dele Mangabeira conheceu e fascinou-se pelo mundo político. Educado nos Estados Unidos e no Brasil (formou-se no tradicional Colégio Santo Inácio), experimentou o contraste dos sistemas educacionais e das culturas dessas duas sociedades.

  9. Caio Lima disse:

    Chamar essa besta do tal Mangabeira Unger de ridículo, chega a ser um elogio!!!…
    O imbecil é atrapalhado ao máximo em suas discurseiras sem sentido, tipo Dilma Rousseff, além de um sotaque idiota e desnecessário que o imbecil deve achar o máximo.

  10. jonatas anjos disse:

    A obra de Mangabeira não é de fácil compreensão. O que acontece é que muita gente se sentem confrontadas por sua própria ignorância, e parte pra o ataque só porque não conseguem entender um parágrafo do que esse professor titular da Harvard escreve.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *