Acompanhantes de pacientes do HDM/Imip reclamam de demora no atendimento; diretoria esclarece

1
Foto: Wanderley Alves/Blog Carlos Britto

Na manhã desta quarta-feira (17), o comunitário Milton Rodrigues participou do programa Carlos Britto, na Rural FM, para denunciar a demora no atendimento de sua esposa no Hospital Dom Malan (HDM)/Imip. “Minha esposa está aqui há dois dias, com dilatação, perdendo líquido. Além do mais, o enfermeiro veio tirar a dilatação dela, disse uma coisa que era outra. Disse que ia voltar por volta das 8h da noite e até as 8h da manhã de hoje não voltaram para fazer isso [medir a dilatação]”. Preocupado com a saúde de sua esposa e do bebê, ele até procurou a Ouvidoria do Hospital.  

Como ele, outros familiares de pacientes também reclamaram do atendimento e da falta de estrutura para os acompanhantes. Alguns estão aguardando do lado de fora da unidade há vários dias. “Faz oito dias que estamos aqui. Viemos de Araripina. Estamos levando vento, frio, tudo. Estava dormindo no papelão, aí veio a chuva”, contou. Segundo eles, por conta da pandemia do novo coronavírus (Covid-19), a orientação repassada é de que não é possível ficar no interior do hospital.

A assessoria de imprensa do HDM informou, por meio de nota, que “o problema da superlotação é uma constância na unidade materno-infantil, que, em alguns momentos, chega a 140%, 150% da sua capacidade física instalada. Com relação à demora na realização dos partos, ressalta que os casos são avaliados individualmente, seguindo protocolos médicos. “A perda de líquido, por exemplo, nem sempre é indicação para interrupção da gestação, principalmente quando se trata de prematuridade. Sobre os acompanhantes, a direção ressalta que os protocolos foram mudados devido à pandemia da Covid-19 e seguem as recomendações do Ministério da Saúde”.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome

dez − três =