Governo diz que não vai oferecer proteção especial ao MST

por Carlos Britto // 25 de fevereiro de 2009 às 18:20

O governo de Pernambuco não vai oferecer proteção especial aos integrantes do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) que estão acampados em São Joaquim do Monte (PE), onde quatro seguranças de uma fazenda foram mortos no sábado por integrantes do movimento.
A proteção foi reivindicada anteontem pelo MST, sob alegação de que os sem-terra correm risco de morte. O governo afirma que a obrigação do Estado é proteger quem está sob sua custódia -no caso, os dois presos por suspeita de participação no crime.
O governador Eduardo Campos (PSB) disse que o governo “não tolera a violência”, seja de fazendeiros ou de trabalhadores rurais, e que “quem cometeu o crime terá que dar explicações à Justiça”.
Pelo menos mais dois sem-terra estão sendo procurados, suspeitos de envolvimento no crime.
Um segurança que conseguiu fugir deverá ser ouvido amanhã pelo delegado responsável, Luciano Francisco Soares.
O superintendente do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) em Recife, Abelardo Siqueira, pretende se reunir hoje com as lideranças estaduais do MST, em Caruaru (PE). Ele planeja visitar a área do conflito.

Fonte:Agencia Folha

Governo diz que não vai oferecer proteção especial ao MST

  1. nicolas disse:

    bom, petrolina bem como o sertao pernambucuno teve os primeiros assentamentos da reforma agraria no estado, nas terras do ESCANDALO DA MANDIOCA, pois bem passados estes 15 a 20 anos destes assentamentos terem sido feito ta ai abandonados povo passando fome virando uma FAVELA RURAL, tipo, ASSENTAMENTO FEDERAÇAO, ASSENTAMENTO MANGA NOVA E OUTROS aqui em petrolina.
    pergunto ao sr. JAIME AMORIM coordenador do MST em pernambuco cade a reforma agraria??cade a produçao?? sim porque dinheiro voces recebem atraves das coorperativas cca, coptacac e outras tantas, dos persentuais das moradias, dos percentuais do fomento, e outros, dos pivos que sao vendidos como os pivos dos assentamentos agua viva, catalunia e outros,
    QUERO QUE ALGUEM ME MOSTRE EM ALGUM LUGAR EM PERNAMBUCO ONDE SE VENDA UM KILO DE FEIJAO DE MILHO UM KILO DE MANDIOCA OU DE MACAXEIRA PRODUZIDO POR SEM TERRA ME MOSTRE ONDE PRA MIM IR LA COMPRAR.
    mas antes vivem nos orgaos publicos pedindo mendigando.
    sou afavor da reforma agraria mas desta forma como se esta sendo feita.sou contra.
    dinheiro nao falta é so ir em normandia em caruaru caminho pra santa cruz do capibaribe que vc ver o derrame de dinheiro feito pelo mst, de onde veio este dinheiro preste contas.

  2. ROBSON PATRÍCIO disse:

    Sem Terra… Quem não se lembra dos grande engarrafamentos provocados por este movimento na Ponte Presidente Dutra, quem não se recordar da quantidade de carretas que tiveram suas cargas… qual era o nome mesmo que davam a este povo quando o proprietário da carga tinha sua carga subtraida do veículo? O movimento pra mim teve ao meu ver sua criação com uma finalidade politica, a chegado do Presidente Lula no Poder, tão logo isto aconteceu, já não se via o PT ao lado destes chamados “sem terras”; hoje é um problema existente e num futuro não tão distante, caso as lideranças deste movimento consigam ainda mais o fortalecimento das suas ideias, não vai demorar muito para vermos a tentativa da tomada de poder por parte dos sem terras; o movimento dos sem terras é um orgão superior as Leis e as Normas existentes no país, pois não vemos a aplicabilidade da Lei quando no afrontamento das mesmas pelo movimento; só JESUS pode ajudar este país a termos um Presidente que tenha acima de tudo uma postura defensora da maioria do povo e de nossos direitos, principalmente o do direito de liberdade e da propriedade.

  3. David nomero De Macedo disse:

    ESSE É O RESULTADO DE UM PAÍS SEM GOVERNO,OU PELO MENOS SEM MORAL. O MST É UM PROBLEMA, E DOS GRANDE…

  4. NICOLAS disse:

    SE EU ENVADIR SUA CASA, SOU PRESO, PROCESSADO.
    SE O MST INVADIR DIZ QUE É MOVIMENTO SOCIAL.
    REFLITAM BEM ISTO.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *