13ª edição do Festival de Cinema de Triunfo anuncia vencedores das mostras competitivas

por Carlos Britto // 12 de dezembro de 2022 às 07:40

Na última semana o município de Triunfo, no Sertão do Pajeú, vivenciou dias que entraram para a história da cultura da cidade, com a reabertura do centenário Theatro Cinema Guarany e a realização da 13ª edição do Festival de Cinema de Triunfo, iniciativas promovidas pelo Governo de Pernambuco, por meio da Secretaria Estadual de Cultura (Secult-PE) e Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco (Fundarpe). Ao longo do festival, foram exibidos dezenas de filmes, tanto os da Mostra Sesc, uma novidade deste ano, como os 38 participantes, vindos de 12 estados do país nas mostras competitivas de curtas, longas e infanto-juvenil, com sessões gratuitas e voltadas para todos os públicos.

A culminância da programação aconteceu neste sábado (10), com a solenidade de premiação do festival e a entrega do troféu oficial, o Troféu Caretas, concedido aos filmes escolhidos pelos júris oficial e popular, uma referência às tradicionais figuras dos Caretas, manifestação da cultura popular triunfense. Clique aqui e confira as imagens da solenidade de premiação.

Nesta última noite do evento, Triunfo recebeu a presença de diversas autoridades, como o secretário Estadual de Cultura, Oscar Barreto, representando o Governo de Pernambuco; Severino Pessoa, Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco (Fundarpe); Ada Siqueira, gerente de Gestão de Ação Cultural da Secult-PE; Renato Carvalho, gerente de Políticas Culturais da Secult-PE; Luciano Bonfim, prefeito de Triunfo; e Lisandra Ferreira, vice-presidente da Associação dos Comerciantes do Município de Triunfo.

“Quero agradecer a todos que fazem parte da cadeia produtiva da cultura. Pernambuco é uma referência nacional, e isso é fruto de várias políticas culturais pulsantes, como o Funcultura. Estamos muito felizes porque, depois de dois anos de pandemia, pudemos retomar as nossas atividades culturais, e essa edição do festival veio para ficar na história do Estado”, celebrou Severino Pessoa, presidente da Fundarpe.

“Este é um momento muito importante. Primeiro, pelo centenário do Guarany, que foi totalmente revitalizado. Se o equipamento não tivesse passado pela reforma, não estaríamos aqui agora. Triunfo é uma cidade que vive e respira cultura, e agradecemos muito a parceria com a Secult-PE. Fica meu abraço em nome do povo triunfenses, e reforço que a cidade estará sempre de portas abertas para recebê-los”, disse Luciano Bonfim.

“Hoje é dia de celebrar aqui em Triunfo esse evento tão importante e esperado. Quero destacar a reinauguração do Theatro Cinema de Guarany, no último sábado (3), que foi totalmente reformado e revitalizado. Quero também ressaltar o esforço de toda a equipe da Secult-PE, que se empenhou com toda a dedicação para a realização do festival. No próximo ano, possivelmente teremos o Ministério da Cultura de volta e mais políticas públicas voltadas para a cultura, e vamos ter força e capacidade de dialogar e buscar os recursos para alavancar a economia criativa”, destacou o secretário Oscar Barreto.

 “Foram seis dias de exibições com debates, seminários, e exibição de obras com temas bastante necessários. Um festival desse tamanho não é possível sem uma equipe competente, e queria deixar meu agradecimento a todos os que estiveram envolvidos. E quero agradecer também aos realizadores e a todo mundo da cidade de Triunfo que recebe tão bem esse festival”, comemorou Luciana Poncioni, coordenadora do Audiovisual da Secult-PE e do Festival de Cinema de Triunfo.

O encerramento da programação do Festival de Cinema de Triunfo contou com outras atividades ao longo do dia, como o debate com os realizadores dos filmes exibidos na sexta-feira (9/12), na Praça do Avião, seguida de uma visita guiada no Theatro Cinema Guarany pelo Cine Rua PE. Teve também exibições do documentário Theatro Cinema Guarany: “Uma longa história, uma produção do Cineclube Caretas (Triunfo-PE/2011)”, e do filme “30 anos do Festival de Inverno se Garanhuns: a vitória da cultura de Pernambuco”, produzido pela Secult-PE e Fundarpe, em parceria com a TV Pernambuco, com direção de Sidney Rocha e Cacá Teixeira.

Outro destaque do festival foram vários debates envolvendo os realizadores, que puderam debater na rua sobre as produções de seus filmes, e a série de oficinas sobre temas ligados à política cultural em Pernambuco, assuntos como questões raciais e de gênero no audiovisual, a participação dos conselhos de cultura na elaboração da política cultural e sobre os recursos oriundos da Lei Paulo Gustavo e Lei Aldir Blanc, que irão aportar na cadeia produtiva da cadeia do Estado no próximo ano.

Filmes e realizadores de vários estados brasileiros participaram da programação: Pernambuco, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Bahia, Santa Catarina, Distrito Federal, Goiás, Amazonas, São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais, promovendo um intenso intercâmbio de pensamentos e ideias sobre o audiovisual.

 PREMIAÇÃO – O júri oficial selecionou os filmes nas categorias: Melhor Direção, Melhor Fotografia, Melhor Montagem, Melhor Roteiro, Melhor Produção, Melhor Direção de Arte, Melhor Trilha Sonora, Melhor Som, Melhor Ator e Melhor Atriz. Também foram distribuídos prêmios aos melhores filmes nas categorias Melhor longa-metragem Nacional (R$ 4 mil), Melhor curta-metragem Nacional (R$ 2 mil), Melhor Curta-metragem Pernambucano (R$ 2 mil), Melhor Curta-metragem Infanto-juvenil (R$ 2 mil) e Melhor Curta-metragem dos Sertões (R$ 2 mil).

Além do Troféu Caretas, outras duas premiações foram concedidas: O Troféu Fernando Spencer foi concedido para o melhor personagem da categoria longa-metragem. Já o Troféu Cineclubista, criado pela Federação Pernambucana de Cineclubes (FEPEC), vai para o “melhor filme para reflexão” segundo a Fepec.

Participaram como jurados na Mostra Competitiva de Longa-metragem Maurício Correia, Mísia Coutinho e Samara Almeida. Já na Mostra Competitiva de Curta-Metragem participam Carlos Kamara, Milena Evangelista e Roberta de Andrade. Além do júri oficial, o festival conta com o tradicional júri popular, formado por estudantes, professores e produtores culturais do Sertão do Pajeú. Participam desta edição Luiz Felipe, Kate Saraiva, Bárbara Lino, Douglas Henrique, Eduardo Costa, Nayane Nayse Silva e Júlio César.

 FORMAÇÃO – Um dos momentos mais ricos do festival foi a série de encontros entre os realizadores, na Praça do Avião, para conversar sobre os filmes exibidos na noite anterior. “Os encontros são ambientes ricos de troca de experiências e aprendizados, e servem para que os participantes possam falar sobre seus filmes, tirar dúvidas e comentários reflexivos sobre os impactos das obras. Além disso, os debates levam o cinema para a rua, no meio da praça, o que faz com que haja uma aproximação da sétima arte com a população em geral”, avalia Jorge Clésio, mediador dos encontros.

Também foram realizadas três oficinas essenciais para o entendimento da política cultural de Pernambuco, com o objetivo de promover uma discussão sobre política cultural para a programação do festival e inserir alguns temas no cotidiano dos fazedores de cultura: O Seminário Gênero, Raça e Produção Cultural, a Oficina Políticas Culturais: LPG e LAB, e o encontro Conselhos de Cultura: Participação Popular e Controle Social.

 FESTIVAL – O Festival de Cinema de Triunfo é uma realização do Governo de Pernambuco, por meio da Secretaria Estadual de Cultura (Secult-PE) e Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco (Fundarpe), e da Prefeitura de Triunfo. Conta com a parceria da Empresa de Turismo de Pernambuco (Empetur), Companhia Editora de Pernambuco (Cepe), Associação Brasileira de Documentaristas e Curtametragistas de Pernambuco/Associação Pernambucana de Cineastas (ABDPE/APECI) e Federação Pernambucana de Cineclubes (FEPEC), apoio cultural da Associação Comercial do Município de Triunfo (ACMT) e apoio institucional do Sesc Pernambuco e TV Pernambuco.

Confira o resultado dos vencedores do 13º Festival de Cinema de Triunfo:

TROFÉU CINECLUBISTA

 Melhor filme para reflexão
Nossas Mãos Sagradas
, de Julia Morim

 Menção honrosa
Pode falar – Uma autoficção
, de Evandro Manchini

PRÊMIOS DA ABD/APCI

Melhor Curta-metragem dos Sertões
Dentra
, de Bruna Florie

 Melhor Curta-metragem Pernambucano
Da Boca da Noite à Barra do Dia
, de Tiago Delácio

 Melhor Curta-metragem Nacional
Andrômeda
, de Lucas Gesser

 Melhor Curta-metragem Infanto-juvenil
Rua Dinorá
, de Natália Maia e Samuel Brasileiro

PRÊMIOS DO JÚRI POPULAR DE CURTA-METRAGEM

 Longa-metragem Nacional
O Bem Virá
, de Uilma Queiroz

 Curta-metragem Nacional
Time de Dois
 de André Santos

 Curta-metragem Infanto-juvenil
Rua Dinorá
, de Natália Maia e Samuel Brasileiro

Curta-metragem Pernambucano
Inabitável
, de Matheus Farias e Enock Carvalho

 Curta-metragem dos Sertões
Voz do relho: um filme sobre Joaneide Alencar
, de Leonardo Soares e Marcelo Medeiros

PRÊMIOS DO JÚRI OFICIAL DE CURTA-METRAGEM

 Menção honrosa
Um filme com Celso Marconi
, de Helder Lopes e Paulo de Sá Vieira
Cabocolino
, de João Marcelo
Da boca da noite a barra do dia
, de Tiago Delácio

Curta-metragem Nacional
Poder falar – uma autoficção
, de Evando Manchini

Curta-metragem Infanto-juvenil
Capitão Tocha
de Mateus Amorim

Curta-metragem Pernambucano
Inabitável
de Matheus Farias e Enock Carvalho

Curta-metragem Sertões
Dentra
de Bruna de Florie

Melhor Direção
Matheus Farias e Enock Carvalho, por Inabitável

Melhor Fotografia
Petrônio Neto, pelo filme Andrômeda

Melhor Montagem
Evandro Manchini, pelo filme Poder Falar- Uma autoficção

Melhor Roteiro
Matheus Farias e Enock Carvalho, pelo filme Inabitável

Melhor Produção
Catarina Doolan, Geórgia Hacradt, Pedro Medeiros, pelo filme Vale do Vento

Eterno

Melhor Direção de Arte
Bianca Feitoza, pelo filme Lamento de Força Travesti

Melhor Trilha Sonora
Ronaldo Lafayer e Steve Patuta pelo filme Vale do Vento Eterno

Melhor Som
Jean Gengnagel e Cicero Bordignon pelo filme Nonna

Melhor Ator
Evando Manchini, pelo filme Poder Falar- Uma autoficção

Melhor Atriz
Luciana Souza, pelo filme Inabitável

PRÊMIOS DO JÚRI OFICIAL LONGA-METRAGEM

Menção honrosa
O Povo Pode?
, de Max Alvim

Melhor Filme
O Bem Virá, de Uilma Queiroz

Troféu Fernando Spencer
Personagem Jack Celeste, de Germino Pétalas no Asfalto

Melhor Ator
Luciano Pedro Junior, pelo filme Carro Rei

Melhor atriz
Suzana Castelo, pelo filme Delicadeza

Melhor Som
Julio Matos, pelo filme Germino Pétalas no Asfalto

Melhor Trilha Sonora

DJ Dolores, Filme Carro Rei

Melhor Direção de Arte
Mônica Martins, pelo filme Delicadeza

Melhor Produção
Sérgio Oliveira pelo filme Carro Rei

Melhor Roteiro
Uilma Queiroz, pelo filme O Bem Virá

Melhor Montagem
Luiza Fagá, pelo filme Germino Pétalas do Asfalto

Melhor Fotografia
Aldo Ribeiro e Ricardo Stuckert pelo filme O povo pode?

Melhor Direção
Uilma Queiroz, pelo filme O Bem Virá

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.