Afrânio: Atual prefeito revoga licitação para aquisição de medicamentos após empresa vencedora ser de família do vice

5

Em Afrânio (PE), no Sertão do São Francisco, o atual prefeito Rafael Cavalcante (foto) decidiu ‘cortar o mal pela raiz’ em relação a um processo licitatório para aquisição de medicamentos. O problema é que a empresa vencedora do processo, realizado sob a modalidade de pregão presencial – a CR Produtos Farmacêuticos Ltda –, é de propriedade da família do vice-prefeito Cloves Ramos de Macedo.

Segundo informações repassadas a este Blog, Cloves constava como sócio da empresa, juntamente com sua esposa. Mas posteriormente saiu da sociedade e colocou sua filha.

Procurado pelo Blog, Rafael explicou ter realizado três licitações com esse objeto. Nas duas primeiras, nenhuma empresa interessada apareceu. Na última, a CR Produtos Farmacêuticos Ltda mostrou interesse. “Para evitar qualquer questionamento, mandei revogar (a licitação)”, ressaltou o atual prefeito.

5 COMENTÁRIOS

  1. AÍ MENTE: COMO É? CORTANDO O MAL PELA RAIZ?
    CONTANDO A VERDADEIRA HISTÓRIA:
    Segundo comentam em Afrânio, a Prefeitura deve a Farmácia N.S. Aparecida, empresa CR MACEDO PRODUTOS FARMACEUTICOS LTDA, CNPJ n.05.492.447/0001-49, de propriedade do Sr. Cloves Ramos de Macedo e de sua esposa a Sra. Aurenize Coelho dos Santos Macedo a importancia de mais de R$ 200.000,00, referente a compra de medicamentos, e procurando uma saída para resolver o problema, ou seja, quitar o débito, fizeram um licitação através de PREGÃO PRESENCIAL DE N 081/2017 e homologado pela Secretária de Saúde Sra. Alice Maria Gonçalves de Matos Santos aviso sob o n. 55/2017,no valor de mais de R$ 1.000.000,00. Para isso o Sr. Cloves Ramos de Macedo (vice-Prefeito), desligou-se da empresa a qual é sócio desde 28/01/2013 até junho de 2017, substituindo pela sua filha Ana Coelho dos Santos Macedo.
    Após a homologação os vereadores de oposição Srs. Genilson Barbosa Rodrigues, Raimundo Ferreira Cavalcanti Junior, João Batista de Brito Filho e a Vereadora Leila Cristina Rodrigues Gomes, tomaram conhecimento e denunciaram ao Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco, Ministerio Público Estadual e Procuradoria do Estado, vários assuntos, dentre eles a aquisição de medicamentos da farmacia do Vice-Prefeito, que é proibido e pode responder por crime de improbidade administrativa.

  2. “Para evitar qualquer questionamento, mandei revogar (a licitação)”

    Se estava legal, PQ REVOGAR?

    Conte outra Sr Prefeito, a mesma foi HOMOLOGADO EM 19/07/2017, inclusive assinado pelo SENHOR. Agora vem contar essa que para “evitar qualquer questionamento”, Essa é só uma de várias outras que está no arrumadinho. Tudo para os amigos. Tempo de cuidar dos Bolsos. A casa vai cair.

    REVOGOU PQ ESTAVA TODA VICIADA E, FOI DENUNCIADO JUNTO AOS ÓRGÃOS COMPETENTES.

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome