Clisertão 2017 será aberto nesta terça e quer democratizar o livro nas escolas

Uma série de ações nas escolas visando à democratização do livro, cultura e arte. Essa é a vertente principal do Congresso Internacional do Livro, Leitura e Literatura no Sertão (Clisertão Escola), que movimentará a cidade de Petrolina a partir desta terça (9) até a sexta-feira (12).

Durante o evento, que acontece em 117 escolas estaduais e municipais envolvendo 5.200 alunos, serão realizadas doações monitoradas de livros, cursos, oficinas, palestras, mesa de glosa, shows musicais, contação de histórias, encontro de danças e a entrega do Prêmio Clisertão de Leitura.

A programação começa às 8h, na terça-feira, no distrito de Uruás, com o projeto ‘Tomar, levando’ – além da doação de livros e outras linguagens artísticas, a exemplo do cinema e o teatro. Serão doados 300 livros. Os alunos, após a leitura, passarão a obra para outra pessoa.

“O percurso do livro será monitorado por estudantes de Letras da Universidade de Pernambuco – UPE, campus Petrolina/Colegiado de Letras, que realiza o evento em parceria com o Governo do Estado, por meio da Secretaria de Cultura e Fundarpe e apoio da Prefeitura de Petrolina/Secretaria de Educação e Plenus Colégio e Curso”, antecipou o coordenador do Congresso, professor Genivaldo Nascimento.

Com atrações acontecendo em horários variados, tanto nas escolas do interior como na sede do município, o Clisertão deste ano também chega com uma programação especial no segundo dia. Além de outros atrativos, a quarta-feira, 10, vem com a palestra ‘São João do Carneirinho: entre o popular e o erudito’, com a professora e crítica literária Elisabet Moreira, às 9h, na escola municipal Eliete Araújo, e às 15h30 uma conversa com o cordelista, poeta e gravador, Jota Borges, na Escola de Referência em Ensino Médio Clementino Coelho. Às 19h, o poeta Chico Pedrosa apresenta na Escola Municipal Jacob Ferreira o recital ‘Ai Se Sêsse’.

Roda de São Gonçalo

Na quinta, 11, e na sexta-feira, os alunos de Petrolina vão conferir danças populares como o Maracatu e a Roda de São Gonçalo, a exibição de filmes e a conversa com escritores e poetas da região. O projeto inclui uma visita aos sítios arqueológicos do distrito de Rajada e um concurso estudantil de curta-metragem. “Encerramos com a apresentação da peça de Ariano Suassuna, O Santo e a Porca, pelo Teatro Popular de Arte de Petrolina (TPA), na Escola José Cícero de Amorim, em Rajada, reunindo alunos  também da Escola Estevão Rodrigues Coelho e da Escola Estadual Malaquias Mendes”, pontuou Genivaldo Nascimento.

Jovem cordelista de Uauá lançará livro nesta quarta-feira

Será lançado nesta quarta-feira (10), às 16h, na comunidade de Testa Branca em Uauá, no norte da Bahia, o livro “Meus cordéis: de Uauá para o mundo”, de Teones Almeida, filho de agricultores familiares do município contemplados pelo Pró-Semiárido – projeto da Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR), executado pela Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR) por meio de uma parceria entre o Governo do Estado e o Fundo Internacional para o Desenvolvimento Agrícola (Fida).

Teones atua como Agente Comunitário Rural (ACR), pelo Pró-Semiárido, na articulação de quatro comunidades, das 16 atendidas pelo projeto no município. Foi nos encontros realizados nas comunidades que ele apresentou o cordel em homenagem ao Pró-Semiárido, despertando a atenção de Elizabeth Siqueira, que é assessora de Gênero, Raça e Geração do projeto. Ela ficou sabendo do sonho do jovem em ver os cordéis publicados e deu uma força ao rapaz.

Para o ACR, que apresentou o livro em público pela primeira vez no 9º Festival do Umbu, realizado no último final de semana, em Uauá, “esse momento é único pra mim. Estou realizando um sonho. Posso dizer que foi o melhor dia da minha vida, até hoje”, disse, emocionado.

O projeto foi viabilizado com o intuito de incentivar as atividades artísticas e os talentos locais da juventude, e chamar a atenção dos jovens para as possibilidades de apoio do Pró-Semiárido, que não se resumem somente às atividades de produção agrícola. O lançamento do livro contará com a presença de cordelistas, poetas e músicos locais, numa grande celebração do talento e da cultura do semiárido baiano. (foto/divulgação)

Livro de crônicas enaltece amor e busca identificação com leitores

Uma extensão de confissões já expostas. Assim define o fotógrafo e escritor Marcos Cesário, ao comentar sobre o recém-lançado livro ‘A Caminho do Amor’, segunda obra que publica em afinada parceria com o cronista e dramaturgo Edmar Conceição. Certos de que havia algo mais a ser dito depois de terem publicado há seis anos o confessional livreto ‘Iludidos’, os amigos e compadres decidiram estender a conversa.

Mas a conversa em A Caminho do Amor vem em forma de crônicas e notas. Foram compartilhados 63 textos, cuja disposição sugere um “diálogo” entre os escritos. Os autores escreveram suas experiências e percepções e as dispuseram sob uma linha de proximidade de vivências, nas quais os fatos mudam, mas não os sentimentos, representados por uma diversidade de situações que permitem ao leitor pensar sobre as variáveis do sentimento mais intrigante das relações humanas.

 “Acredito que quem ler A Caminho do Amor se encontrará nas várias direções que o amor mira, sentindo-se também parte dessas andanças e das estradas poéticas que o livro instiga”, revela Edmar. “Espero que os leitores se reencontrem com o amor que eles, como nós, vivem pele a pele, alma a alma. Espero, sinceramente, que eles também sintam-se lidos por este livro”, diz Cesário.

Autores

Marcos Cesário, 42, e Edmar Conceição, 40, trazem à superfície de forma delicada temas que sempre permeiam o universo humano envolvidos por tensões, preconceitos e receios, como o câncer, a homossexualidade, o suicídio, o ciúme, o crime passional, a separação e a morte. Temas leves e bem-humorados também compõem a obra. Os autores não deixaram de abordar sob a ótica do amor: a amizade, a infância, a poesia, além de aspectos que a vivência cotidiana revela para quem está atento a ela.

Questionado como o amor pode estar presente em temas tão diversos, Marcos Cesário explicou: “Em todas as crônicas e notas nós tratamos o amor com um olhar de quem vive e ama ou fala do olhar de quem sofre e de quem ama. O olhar é sempre o olhar de e para quem ama. Todos os textos buscam este caminho”.

O livro está disponível no site da editora: https://www.chiadoeditora.com/livraria/a-caminho-do-amor ou http://www.livrariacultura.com.br. Em breve também será vendido nas principais livrarias do Brasil e de Portugal.

Livro que retrata a Petrolina das décadas de 40 e 50 será lançado nesta terça

Memórias de fatos, cenários e passagens de uma pequena cidade nas décadas de 40 e 50, sua cultura, folclore e manifestações populares. Este é o ponto de partida definido pela escritora Romilda Ferreira Lima para contar a história da antiga ‘Passagem do Juazeiro’ no livro ‘Petrolina: pessoas simples de passagem por sua história’, que será lançado nesta terça-feira (28) às 19h na Biblioteca do Sesc Petrolina.

A obra, um bem apresentado projeto gráfico com 154 páginas, capa de Randel Toledo Protássio e fotografias de Carlos Laerte e Karoline Andressa de Souza e Silva é a primeira publicação desta petrolinense de 81 anos de idade. Ela já foi ajudante na bodega do seu pai; formou-se em Ciências pela FFPP – Faculdade de Formação de Professores; trabalhou como assistente de parteira; se aposentou em 1995, como técnica do tesouro nacional e com um rico acervo de lembranças transformou sua antiga casa num verdadeiro museu pessoal.

…Os registros de Romilda – que memória individual fabulosa! – estão bem marcados pelo que mais nos representa em nossa formação como pessoas…”, pontua em certo momento do prefácio a escritora, professora e critica literária Elisabet Gonçalves Moreira.  Mais adiante, ela faz uma provocação: “Afinal, qual a identidade de Petrolina? Seria cabível pensar nisso? Bem sabemos que o que faz uma região não é somente seu espaço físico, mas o tempo, a história. E ela está aí, neste livro de Romilda Ferreira Lima, neste viés em que ela, também uma pessoa simples, se posiciona e nos dá a revelar”, arremata Elisabet.

Na noite de lançamento, Romilda Ferreira Lima, além de autografar o livro, vai fazer o que mais gosta: contar histórias, fragmentos interessantes, a exemplo desta passagem que ilustra a contracapa da obra:

“Os transeuntes andavam em ziguezague entre os excrementos deixados pelos animais, de vez em quando um salto para não pisarem nos dejetos… Os animais em pêlo com chocalhos amarrados ao pescoço eram levados ao pasto. Tangidos, de repente um e outro investia numa carreira doida à procura da fêmea, fazia a cobertura. Esta cena comum causava vexame nas mulheres que, às pressas, saiam das ruas murmurando: Cruz-credo, Ave-Maria, isso é comunismo”. (Foto: Divulgação Capa)

 

 

Lançado livro de concurso nacional que conta com poema de escritora juazeirense

Como este Blog mostrou no ano passado, a juazeirense Mara Angélica Cordeiro, que mora na Irlanda há mais de seis anos, foi a única nordestina a ter um poema classificado no ‘Concurso Nacional Novos Poetas’, Prêmio Poesia Livre 2016.

Já com três livros lançados, Mara enviou dois poemas, como mandava o regulamento. O escolhido foi “Branca Neve”. Ele agora faz parte do livro ‘Antologia Poética’, do autor Isaac Almeida Ramos, lançado recentemente pela editora Vivara. Para adquirir o livro, basta acessar aqui.

Estudante de 11 anos lança livro em Sobradinho

karine-gualterEla está no sexto ano do ensino fundamental, mas já tem imaginação de gente grande.

Com apenas 11 anos de idade, Karine Gualter mora em  Sobradinho, no norte da Bahia, e acaba de lançar um livro no qual conta a estória de um pássaro que queria viver em liberdade.

Intitulada “Livre, leve e solto”, a publicação mostra o olhar da garota sobre a criação de pássaros em seu habitat natural: o meio ambiente.

O lançamento aconteceu na Cooperativa Educacional de Sobradinho (Cooes) e contou com a presença de familiares e amigos da jovem escritora. Pelos elogios que recebeu, a menina mostra que já tem um caminho a seguir. (foto/divulgação)

Grupo da Univasf une esforços e publica livro sobre Atletismo na disciplina de Educação Física nas escolas

equipe-univasf-educacao-fisica

Foi publicado nesta semana o livro “Dialogando sobre o ensino da educação física: o atletismo na escola”. O livro é fruto de um esforço coletivo empreendido pelo Laboratório de Estudos Culturais e Pedagógicos da Educação Física (LECPEF) da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf). (mais…)

Lei garante um livro para cada estudante matriculado em Pernambuco

livroAs bibliotecas escolares pernambucanas deverão conter no mínimo um título por aluno matriculado em seus acervos. É o que diz o texto da Lei Nº 15.902, que nasceu de um projeto de autoria do deputado estadual Rogério Leão (PR), publicada na terça-feira (18) no Diário Oficial do Estado (DOE).

De acordo com a Norma, caberá ao respectivo sistema de ensino ou às direções das unidades escolares, das escolas particulares, determinar a ampliação da estrutura física da biblioteca e também do seu acervo, bem como divulgar orientações sobre guarda, preservação, organização, aquisição do acervo e o funcionamento da biblioteca escolar.

Para aquisição de novos títulos, será observado o mínimo de 10% para autores pernambucanos, ou radicados há pelo menos cinco anos no Estado, mediante comprovação de residência.

Alteração

A Lei nº 15.902, de 17 de outubro de 2016, proposta pelo deputado Rogério Leão, altera o Artigo 12º de uma Norma de 2005, que dispõe sobre a Política Estadual do Livro. No texto antigo os educandários estaduais, sejam públicos ou privados, deveriam adotar pelo menos dois livros paradidáticos na sua programação. As unidades escolares deverão se adequar ao disposto na Lei até o dia 24 de maio de 2020.

Escritora lança em Petrolina livro de contos sobre dilemas do cotidiano

Thalynni Lavor

Foi um sucesso o lançamento do livro ‘Entre Fadas e outros Bichos’, da escritora Thalynni Lavor, no 12º Festival Aldeia do Velho Chico, no último final de semana. Lançado pela editora Confraria do Vento, o livro (o primeiro da escritora) é composto por 12 contos, nos quais dilemas e questões do cotidiano se entrelaçam em uma grande fábula, criando uma atmosfera lúdica, onde tudo pode acontecer.

Thalynni é cearense e adotou Petrolina há cerca de oito anos. Cresceu apaixonada por literatura, bichos e liberdade. A vida adulta a encaminhou para as letras jurídicas, mas a maternidade e o grupo literário Cadinho de Prosa reaproximaram-na de sua antiga paixão, voltando a viver a magia dos contos infantis.

Professor e escritor de Serra Talhada lança livro de contos e prosas e lamenta falta de incentivo à literatura

Será lançado neste mês o mais novo livro do professor e escritor Paulo César Gomes, intitulado “As Duas Pedras” – sexto livro de autoria do serra-talhadense. A publicação traz uma coletânea de contos e de prosas escritas pelo autor ao longo da sua adolescência. “Para que a obra tivesse uma dimensão ficcional, utópica e metafórica, busquei em um monumento histórico o encaixe perfeito para concretizar esse simples trabalho. A Pedra do Reino, conhecida através do romance de Ariana Suassuna e pelo fanatismo sanguinário do movimento sebastianista, em meados do XIX, levou a barbárie ao Sertão pernambucano. A pedra foi o nexo poético que permitiu que os contos fossem publicados ao lado das prosas“, esclarece Gomes.

Conforme relato do professor Dierson Ribeiro, presidente da Academia Serra-talhadense de Letras e autor do prefácio, o livro traz à tona um gênero inédito na literatura nacional, que é o conto. “Prefaciar está obra é uma honra, um privilégio. É sobretudo uma grande responsabilidade, principalmente quando o autor vem se revelando como o grande nome da literatura e da pesquisa atuais de Serra Talhada“, comenta Ribeiro.

A publicação conta com o patrocínio cultural do empresário João Duque de Souza Filho, o ‘Duquinho’. A ideia inicial é que parte dos exemplares seja destinada a alunos do 3º ano do ensino médio.

Desabafo

Paulo César aproveita para desabafar em relação à falta de incentivo à literatura. Por este motivo, também vai destinar parte dos exemplares gratuitamente a bibliotecas de escolas públicas e a alunos do 3º ano do ensino médio.  “Infelizmente observamos que os jovens e a grande parte da população não conhecem as obras dos escritores de nossa cidade. A falta de políticas públicas que tornem esses trabalhos acessíveis acaba impedindo que a nossa literatura possa mostra a sua força e a sua qualidade. Por isso, parte dos exemplares serão doados gratuitamente às escolas, o que pra gente é mais um grito dos excluídos“, afirma. Mais informações pelos telefones (87) 99668-3435/99938-0839 e pelo e-mail: pcgomes-st@bol.com.br. (foto/divulgação)

(c) 2015 Blog do Carlos Britto | produzido por proximavenda.com.br