Homenagem a enfermeiros na Casa Plínio Amorim reforça cobrança por cumprimento de jornada

 

Na sessão solene ocorrida nesta quinta-feira, 18, na Câmara de Vereadores de Petrolina em homenagem ao Dia do Enfermeiro (ocorrido dia 12), a principal fala dos representantes da categoria e dos próprios profissionais de enfermagem do município foi o cumprimento da jornada de 30 horas da categoria. A lei foi aprovada no ano passado, mas ainda não foi colocada em prática.

Segundo a presidente do Sindicato dos Enfermeiros do Estado de Pernambucano (SEEPE), Berenice Garcês, outra pauta que ela pretende discutir junto com o presidente Edson Freitas, da subsede da entidade em Petrolina, é uma resposta da Secretaria Municipal de Saúde sobre a proposta de reajuste dos enfermeiros do município, que estão sem aumento de salário há quase três anos. (mais…)

Profissionais de enfermagem de Juazeiro e secretário discutem jornada de trabalho de 30h

Um grupo de profissionais de enfermagem de Juazeiro/BA, manteve encontro com o secretário municipal de Saúde, Plínio Amorim. Os técnicos de enfermagem da rede municipal registraram algumas reivindicações junto ao titular da pasta, a exemplo da regulamentação da jornada de trabalho de 30h, luta antiga da profissão.

Representantes do Sindicato dos Trabalhadores da Saúde (Sintrab-Saúde) estiveram no encontro também para ouvir os pleitos da categoria. O encontro foi realizado no auditório da Secretaria de Saúde (Sesau). Outros pontos do encontro foram o reajuste salarial e a garantia do direito à licença prêmio. Mesmo diante de cobranças, a categoria destacou o diálogo que vem sendo posto em prática com o secretário Plínio Amorim.

A gente reconhece os avanços que vêm ocorrendo. Temos tido um bom relacionamento com o secretário que vem buscando cumprir com suas responsabilidades, pagando em dia, liberando algumas licenças de profissionais que estavam aguardando”, afirma Telma Tanuri, presidente do Sintrab-Saúde.

Plínio Amorim se comprometeu em consultar a Procuradoria do município acerca das questões jurídicas, além de garantir a licença prêmio para os profissionais que não precisassem de substitutos.

“Dialogar com as categorias e saber as dificuldades enfrentadas por cada uma delas é essencial em uma gestão que é comprometida em dar certo. Valorizar os nossos profissionais é uma ferramenta importantíssima para melhorar ainda mais a qualidade do serviço municipal de saúde”, afirmou o secretário. (Foto: Ascom)

Sesc realiza Jornada Cultural Princesa do Araripe

De 29 de março a 2 de abril o Sertão do Araripe será um polo de atividades das mais diversas linguagens artísticas. Durante os cinco dias, o Sesc Ler Araripina vai movimentar a cidade com a realização da segunda edição da Jornada Cultural Princesa do Araripe. Serão momentos de intercâmbio cultural, troca de experiências e olhares, que vão ganhar a cidade.

A programação, que vai acontecer de forma descentralizada na unidade e em outras instituições, conta com espetáculos de teatro e dança, palestras, apresentações musicais, exibição de filmes e exposições de artes plásticas, além de oficinas artísticas.

É um grande diálogo entre os artistas e a comunidade local, envolvendo todas as linguagens artísticas e defendendo a produção e o acesso à ela”, ressalta o gerente de Cultura do Sesc Pernambuco, José Manoel Sobrinho.

A abertura da programação acontece no dia 29. À tarde, das 14h às 17h, haverá Oficina de Teatro Mãos à Obra – Iniciação em Bonecos. No mesmo período acontece a exposição “Oficina de desenho”, realizada por alunos da unidade e de outras instituições. Ambos vão acontecer nas instalações do Sesc, assim como às 18, a Mostra Pedagógica de Artes, que vai apresentar o trabalho desenvolvido durante a oficinas por estudantes de escolas da cidade.

Às 19h, um Cortejo sairá pelas ruas de Araripina com a participação da Quadrilha Junina Balanço Junino, Banda Marcial Princesa do Araripe, Grupo de Pífano da Santa Bárbara e a Banda Filarmônica Álvaro Campos. A concentração será na unidade. Concluindo a noite, haverá apresentação musical da cantora Fabiana Santiago, de Petrolina, com o show “Decadron”. Com exceção da oficina de Bonecos, todas as ações são gratuitas.

Os demais dias de evento trazem iniciativas que serão realizadas nos turnos da manhã, tarde e noite. Entre elas, estão filmes como “Uma viagem extraordinária” e “A alma da gente”, de espetáculos, como “Caio”, “Manga com Leite” e “Amaranta”, além de palestras que vão abordar a arte e educação no ensino e elaboração de projetos culturais.

A grade foi pensada para quem já tem acesso às produções ou quem deseja conhecer mais esse universo, inclusive com ações formativas. É um caminho para fortalecer e profissionalizar os trabalhos da região”, complementa o supervisor de Cultura do Sesc Ler Araripina, Cristiano Santana. (Foto: Ilustração)

Petrolina receberá 1ª Jornada Acadêmica de Educação de Surdos e Formação de Professores Bilíngues em Libras

librasPetrolina receberá, no próximo dia 13 de agosto, a 1ª Jornada Acadêmica de Educação de Surdos e Formação de Professores Bilíngues em Linguagem Brasileira de Sinais (Libras) na Região Nordeste. O evento acontecerá no Campus da Universidade de Pernambuco (UPE). A ação inclusiva e solidária é coordenada pelo Professor Doutor Luiz Albérico Falcão, o qual conta com voluntários do curso instrutor de Libras da UPE e tem o apoio das Pro-reitorias de Extensão e Cultura e de Graduação da universidade.

A jornada começou ontem (3) pela cidade de Serra Talhada (PE), no Sertão do Pajeú, na Câmara de Vereadores local; depois segue para Garanhuns (PE), no Agreste, onde acontece amanhã (5) e sábado (6); no dia 9 acontecerá no auditório do Campus Mata Norte, em Nazaré da Mata; e culmina em Petrolina, no dia 13.

Estão inscritos 1000 acadêmicos e 270 profissionais de diversas áreas no curso de Libras para Iniciantes com carga horária de 100 horas. “Esta será a maior formação voluntária de Libras do País com o lançamento nacional do Projeto Libras Livre para o Brasil e ainda com a doação de livros”, ressalta Luiz Albérico.

“A cultura do nosso povo é de ser cordial e hospitaleira e cada pessoa tem a sua história e a sua cultura pra recontar. Então vamos reescrever a nossa história com a união e harmonia entre as pessoas ouvintes e surdas, que reconhecem no bilinguismo a oportunidade de respeitar e aprender a conviver com as diferenças, sem ter que segregar as pessoas de um lado cultura de ouvinte, e do outro cultura de surdo”, completa o professor.

(c) 2015 Blog do Carlos Britto | produzido por proximavenda.com.br