Greve de vigilantes leva agências bancárias a suspender atendimentos em Juazeiro

A greve dos vigilantes da Bahia, iniciada na última quarta-feira (24), está afetando o atendimento nas agências bancárias de várias cidades do Estado, inclusive em Juazeiro. Alguns bancos sequer abriram as portas. Os clientes que procuraram as unidades só encontraram os caixas eletrônicos funcionando.

De acordo com o Sindicato dos Empregados de Empresas de Segurança e Vigilância do Estado (Sindivigilantes), a principal reivindicação da categoria é o reajuste salarial de 15%. As negociações acontecem desde fevereiro, conforme o sindicato. Uma rodada de negociação entre o sindicato e empresas de segurança acontecerá hoje (26) em Salvador.

Depois de 12 dias, funcionários dos Correios em PE encerram greve e retornam ao trabalho nesta terça

Funcionários dos Correios em Pernambuco decidiram retomar as atividades a partir das 6h desta terça-feira (9). A decisão foi tomada por maioria de votos dos presentes em assembleia realizada nesta segunda (8), na sede do Sindicato dos Trabalhadores da Empresa de Correios e Telégrafos (Sintect-PE).

A paralisação foi deflagrada no último dia 26 de abril em todo País. Os trabalhadores decidiram cruzar os braços em manifestação contrária à proposta da privatização da empresa e reivindicação de melhores condições de trabalho.

A greve no Estado foi encerrada seguindo orientação da Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos e Similares e da Federação Interestadual dos Sindicatos dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos, que aceitaram as propostas da empresa, apresentadas no último dia 4 de maio.

No entanto, o Sintect-PE afirmou que no próximo mês de agosto a categoria deverá se mobilizar para a campanha salarial. (Fonte: Folha de PE/foto arquivo Blog)

Justiça determina fim da greve do Hemope e retorno imediato dos servidores ao trabalho

O desembargador André Oliveira da Silva Guimarães, do Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco (TJPE), determinou ao Sindicato dos Servidores da Fundação de Hematologia e Hemoterapia de Pernambuco (Sindshemope) a suspensão imediata da paralisação da categoria, deflagrada na última quarta-feira (3), e o retorno ao trabalho dos servidores. A pena pelo não cumprimento da decisão, emitida nesta sexta-feira (5), é de multa diária de R$ 30 mil, informou a assessoria do TJPE.

A determinação atendeu pedido da Procuradoria Geral do Estado de Pernambuco (PGE-PE). Em sua decisão, o desembargador avalia que os documentos apresentados pela Procuradoria atestam que a paralisação dos servidores do Hemope foi deflagrada “ao arrepio das disposições da Lei nº 7.783/89, aplicável aos servidores públicos, quer por ter sido estipulada por prazo indeterminado em área estratégica da saúde pública, quer por haver reduzido o número de atendimentos a 30%, por demais insuficiente ao atendimento da demanda”.

Salgueiro: Servidores cruzam os braços para pressionar prefeitura por reajuste

Em Salgueiro (PE), no Sertão Central, o Sindicato dos Servidores Públicos Municipais (Sisemsal) decidiu cruzar os braços nesta quarta-feira (3). O motivo é a falta de uma contraproposta oficial, por parte da prefeitura, que conceda reajuste a profissionais de saúde, agentes de trânsito, de endemias e comunitários, além de educadores em nível superior, técnicos – entre outros.

Os servidores também pretendem realizar um movimento em frente à sede da prefeitura, a partir das 9h, de onde devem seguir posteriormente para a Câmara de Vereadores.

Quem também vai aderir aos protestos será a categoria dos professores, que apesar de terem sidos informados que seria concedido o reajuste da classe, ainda estão aguardando o projeto chegar à Câmara Municipal para realmente se concretizar.

A decisão foi tomada na última assembleia geral do Sisemsal, no último dia 20 de abril. Mesmo a entidade informando previamente sobre a paralisação, não houve nenhuma resposta do Executivo.

Balanço

Segundo a presidente da Associação dos Agentes Comunitários de Saúde de Salgueiro, Josenilda Rosendo de Farias, todos os servidores efetivos devem aderir à paralisação. “Quem for a unidades de saúde básica do município, por exemplo, vai encontrar atendimento apenas dos contratados e de quem ocupa cargos comissionados. E pode ser que alguns servidores tenham receio em perder o dia de trabalho, mas é preciso que a gente lute por nossos direitos, até porque só estamos pedindo o que é nosso direito. Eu prefiro perder hoje do que perder amanhã”, declarou.

Caso as reivindicações não sejam atendidas com a paralisação, os servidores estão dispostos a iniciar uma greve por tempo indeterminado. As informações foram repassadas pela assessoria do sindicato. (foto/arquivo reprodução)

Policiais civis vão aderir à greve de 24 horas contra reforma da Previdência

O Sindicato dos Policiais Civis de Pernambuco (Sinpol-PE) decidiu que a categoria irá aderir à greve geral contra a Reforma da Previdência, marcada para o dia 28 de abril. Como a paralisação vai durar 24 horas, o Sinpol argumenta que não descumpre a decisão do STF, que recentemente proibiu greve das categorias policiais.

Na avaliação do presidente do Sinpol, Áureo Cisneiros, a categoria tem o dever de juntar-se aos demais movimentos e sindicatos na mobilização para barrar a reforma que “praticamente acaba com a aposentadoria”. Áureo lembrou ainda que não há garantia de que os policiais estão fora da reforma.

“Não interessa que o governo tenha dito que vai retirar os policiais civis desse primeiro momento da reforma. Primeiro, porque não pretendemos ser uma elite privilegiada; e, depois, porque não adianta pensarmos apenas na nossa categoria: afinal de contas, somos policias, mas não vivemos numa ilha. Queremos uma aposentadoria digna e justa para todos os trabalhadores”, defendeu Áureo.

Sindsemp decide suspender greve dos servidores de Petrolina até posicionamento final do Executivo

Uma assembleia geral extraordinária realizada na manhã desta terça-feira (11) pelo Sindicato dos Servidores Municipais de Petrolina (Sindsemp) no Hotel Grande Rio, deliberou pela suspensão da greve da categoria. Com reunião agendada para a tarde de ontem (10), a decisão foi de repassar aos servidores, na assembleia, o que ficou decidido com a administração quanto às categorias não contempladas na proposta apresentada pelo Governo Miguel Coelho.

Diante do interesse de todos em manter a mesa de negociação aberta, foram oficializados pelo Executivo avanços em relação à campanha salarial – a exemplo do abono das faltas, registradas formalmente, dos servidores que aderiram ao movimento grevista; o encaminhamento à Câmara de Vereadores do Projeto de Lei que beneficia os 75% dos servidores contemplados na proposta anterior para aprovação; além da continuidade da negociação, com reunião já agendada para o próximo dia 26 de abril, a qual seria apenas em julho, quando será apresentada a nova proposta para as categorias que ainda aguardam o reajuste.

Acreditando que haja uma definição até esse prazo, o Sindsemp aguarda um posicionamento da atual gestão municipal, uma vez que foram passados todos os dados e impactos financeiros causados com o cumprimento dos pontos da campanha salarial.

Na plenária foram lembradas situações de assédio sofridas por alguns servidores, o que levou à sugestão e aprovação da criação do Comitê Anti-Assédio Moral. O objetivo é trazer mais segurança ao servidor em seu local de trabalho, levando em conta todo apoio e assistência do Departamento Jurídico e da Diretoria do Sindsemp. O movimento grevista aguarda a negociação e resultado da reunião do dia 26. A entidade aproveita para convocar a categoria a participar da Parada Nacional contra as Reformas Trabalhistas e da Previdência, no dia 28 deste mês. (foto: Ascom/divulgação)

Usuária da 8ª Ciretran critica greve por atrasos em exame de habilitação em Petrolina; gestor já agendou mutirão para diminuir espera

Uma aluna de auto-escola de Petrolina anda extremamente preocupada. Ela fez todos os testes para retirar a sua Carteira Nacional de Habilitação (CNH)  devido à greve do Detran de Pernambuco. O movimento demorou 47 dias. Ela está com o laudo que lhe dá o direito de realizar o exame prático, que já vencendo.

“Espero desde dezembro. Meu laudo vencerá dia 5 de maio. Fui três vezes agendada, mas não fiz o teste de baliza. Estou precisando da carteira e não aceito balela. Como é que a Semana Santa só começa na quinta-feira e eles já interrompem o serviço na segunda? Será que vou ter que entrar na justiça para realizar meu exame? Preciso, eu e outras pessoas que estão na mesmo situação, de respostas. Isso não é justo”, disse a aluna, que se identificou apenas por Angélica.

Sobre a suspensão dos exames práticos da próxima semana, inciando na segunda-feira, dia 10, o que motivou a reclamação da leitora, os próprios examinadores solicitaram ao Detran-PE esse adiamento, pois mesmo a greve tendo sido encerrada, o movimento foi terminado por determinação da justiça, e não porque os servidores alcançaram seus objetivos.

Mutirão

O coordenador regional de 8ª Ciretran em Petrolina, Wenderson Batista, informou ainda que como o teste prática para a CNH, é um trabalho extra no qual os servidores não recebem nada a mais por isso e, por muitos morarem fora de Petrolina, pediram a dispensa para visitarem as famílias. Sobre o laudo, a validade é de 12 meses. Se estiver dentro do prazo, a condutora não terá do que se preocupar, pois no final de abril, a 8ªCiretran de Petrolina promoverá um mutirão para a realização de exames práticos de habilitação.

“Iremos realizar durante um final de semana, no final do mês, 3.200 exames práticos de habilitação para que toda a demanda acumulada durante o período da greve, seja amenizada”, concluiu Wenderson.

Exames práticos para CNH são principal demanda da Ciretran de Petrolina após greve do Detran-PE

Depois da greve de 47 dias dos servidores do Detran/PE, encerrada por determinação judicial, o resultado é um acumulo de muito serviços nas Ciretrans em todo o estado. Em Petrolina, a principal demanda são os exames práticos para a aquisição da carteira nacional de habilitação (CNH). Petrolina, depois do Recife, possui a segunda maior procura pela CNH no estado.

“Recomendamos paciência a quem aguarda o exame. Não temos tanto aparato humano. Estamos conversando com examinadores de Araripina que não aderiram à greve, para atender essa demanda reprimida”, afirmou o coordenador regional da Ciretran em Petrolina, Wenderson Batista.

No cargo há três anos, Wenderson que deve deixar o posto para o advogado Pedro Melo, informação já divulgada na imprensa regional, frisa que pode até não ter feito tudo o que pretendia quando assumiu a missão de comandar a Ciretran da maior cidade do sertão, mas ressalta que procurou avançar o máximo, especialmente na questão de estrutura e da modernização do órgão.

O coordenador trouxe inclusive boas notícias. O órgão de Petrolina está na lista de uma reforma geral com recursos já assegurados pela presidência do Detran, bem como de toda a troca de climatização do espaço.

“O Detran em Petrolina tinha um histórico ruim de prestação de serviços e a prova eram as reclamação dos cidadãos. Foi por ai que iniciei o trabalho. Hoje, quase não ouvimos reclamação. O silêncio é um termômetro desse trabalho que procuramos implementar desde o primeiro dia que assumimos. Atendendo bem o cidadão, a estatística negativa deixa de existir”, finalizou Wenderson.

STF proíbe greve de policiais em todos os níveis

O plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta quarta-feira (5), por 7 votos a 3, que todos os servidores que atuam diretamente na área de segurança pública não podem exercer o direito de greve, sob qualquer forma ou modalidade, por desempenharem atividade essencial à manutenção da ordem pública. Pela tese aprovada, fica vetado o direito de greve de policiais civis, federais, rodoviários federais e integrantes do Corpo de Bombeiros, entre outras carreiras ligadas diretamente à segurança pública. Essas carreiras, no entanto, mantêm o direito de se associar a sindicatos.

A decisão, que teve repercussão geral reconhecida e serve para balizar julgamentos em todas as instâncias, foi tomada no julgamento de um recurso extraordinário do estado de Goiás, que questionou a legalidade de uma greve de policiais civis.

No julgamento, prevaleceu o entendimento do ministro Alexandre de Moraes, para quem o interesse público na manutenção da segurança e da paz social deve estar acima do interesse de determinadas categorias de servidores públicos. Para Moraes, os policiais civis integram o braço armado do Estado, o que impede que façam greve.

O Estado não faz greve. O Estado em greve é um Estado anárquico, e a Constituição não permite isso.

A maior parte dos ministros considerou ainda ser impraticável, por questões de sua própria segurança e pela obrigação de fazer prisões em flagrante mesmo fora de seu horário de trabalho, que o policial civil deixe de carregar sua arma 24 horas por dia.

Isso impediria a realização de manifestações por movimentos grevistas de policiais civis, uma vez que a Constituição veda reuniões de pessoas armadas. Greve de sujeitos armados não é greve”, afirmou Gilmar Mendes.

Também votaram a favor da proibição da greve a presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, e os ministros Luís Roberto Barroso, Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes e Luiz Fux, que destacou o que considerou consequências nefastas de greves anteriores de policiais civis e militares, como o aumento do número de homicídios. “O direito não pode viver apartado da realidade”, afirmou.

A Advocacia-Geral da União (AGU) e a Procuradoria-Geral da República (PGR) manifestaram-se pela impossibilidade de greve de policiais civis, contra o Sindicato dos Policiais Civis de Goiás (Sindipol-GO).

Relatoria

O relator do caso, ministro Edson Fachin, votou para que fosse garantido o direito de greve dos policiais civis, embora com restrições. No confronto entre o interesse público de restringir a paralisação de uma atividade essencial e o direito à manifestação e à liberdade de expressão, deve-se reconhecer o peso maior ao direito de greve.

Para conciliar o direito fundamental à greve e o direito fundamental à segurança pública, Fachin propôs como saída que paralisações de policiais civis fossem autorizadas previamente pelo Judiciário, estabelecendo-se um porcentual mínimo de servidores a serem mantidos em suas funções.

Acompanharam o relator os ministros Rosa Weber e Marco Aurélio Mello, para quem, com a decisão, o STF “afasta-se da Constituição cidadã de 1988″. (fonte: HuffPost Brasil/foto reprodução)

Servidores de Petrolina decidem suspender greve após Miguel Coelho pedir prazo para avaliar reajuste

Os servidores municipais de Petrolina decidiram agora há pouco, em assembleia realizada na Casa Plínio Amorim, suspender o movimento grevista até segunda-feira, 10.

O prefeito Miguel Coelho solicitou esse prazo ao sindicato que responde pela categoria – o Sindsemp – para apresentar uma proposta de melhoria salarial até a data em questão.

(c) 2015 Blog do Carlos Britto | produzido por proximavenda.com.br