Encontro discute melhorias para o atendimento odontológico oferecido nas unidades básicas de saúde de Petrolina

O prefeito de Petrolina, Miguel Coelho, juntamente com a diretora de saúde bucal do município, Roberta Teixeira Araújo, recebeu os integrantes da diretoria do Conselho Regional de Odontologia de Pernambuco (CRO-PE) e da Associação Brasileira de Odontologia (ABO). O objetivo do encontro, realizado ontem (21), foi firmar parcerias visando oferecer a população um atendimento odontológico com maior qualidade.

O presidente do conselho, Dr. Alfredo Gaspar Júnior, ressaltou a importância da atuação do órgão e da visita ao município. “Essa é a primeira viagem da nova diretoria. Fizemos questão de vir a Petrolina para saber as condições da saúde bucal e conversar com a representante da área na Secretaria de Saúde. Estamos colocando o conselho a disposição para ajudar no que for preciso para as melhorias nas condições de saúde bucal da população de Petrolina. A nossa função é fiscalizar e com isso garantir um atendimento e um serviço de qualidade”, frisou.

Segundo a diretora de saúde bucal do município, Roberta Teixeira Araújo, é importante que o município trabalhe em parceria com o órgão fiscalizador. “A primeira demanda que já passamos para o conselho é a questão da regularização da unidade do bairro Cohab VI que foi interditada na gestão passada. Já estamos resgatando, através deles, o relatório dessa interdição. Vamos pegar todos esses dados, regularizar e colocar a unidade em funcionamento”, destacou.

A diretora ressaltou ainda, a contribuição que esse trabalho em conjunto pode trazer para os profissionais que atuam no município. “O CRO sempre promove cursos para os profissionais e é muito importante contarmos com dentistas cada vez mais capacitados. A gente tem informações que na gestão anterior os profissionais não eram liberados para esses eventos. Então, vamos tentar resgatar essa parte de humanização e capacitação. Outro ponto importante é a garantia que todos os nossos profissionais estejam inscritos no CRO, para que ninguém atue de forma irregular”, concluiu. (foto/divulgação)

 

Após reclamações, Jucepe esclarece sobre atendimento na sede regional em Petrolina

Por meio de nota, a Junta Comercial do Estado de Pernambuco (Jucepe)/Regional Petrolina informou que o atendimento na unidade continua “acontecendo normalmente, porém a analise dos processos está prejudicada devido a operação tartaruga realizada pelos servidores do órgão”. A nota foi enviada a este Blog após reclamações de leitores postadas em matéria no última segunda-feira (13).

De acordo com a Jucepe, essa ação dos servidores se dá devido à quebra do acordo de negociação  firmado no fim do ano passado por parte da Secretaria da Administração do Estado (oficio SAD nº 1490/2016). Demais informações contam numa carta aberta dos servidores do órgão aos empresários. (veja aqui)

Bodocó implanta atendimento pediátrico no Hospital Municipal

A Secretaria de Saúde de Bodocó, sertão do Araripe, implantou um novo serviço no Hospital Municipal Eulina Silva Lócio de Alencar. A partir de agora a unidade disponibilizará à população o serviço de atendimento pediátrico. A implantação visa melhorar a assistência médica infantil, relacionada às urgências e emergências hospitalares.

O ato também possibilitará atendimento especializado e de qualidade ao público infantil do município. O atendimento é realizado nas segundas, quartas e quintas-feiras das 8h às 11h. (Foto: Ascom)

Artigo do leitor: “Descaso no atendimento de médico da UPA em Juazeiro”

O leitor do Blog, Ricardo Luiz, enviou nota à redação reclamando do atendimento de um médico da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) em Juazeiro/BA. Confira:

Mais uma vez a população Juazeirense sofre com o descaso médico na UPA (Unidade de Pronto Atendimento), desta vez um jovem deu entrada sentindo fortes dores no peito, cefaleia, falta de ar e dormência nas extremidades (mãos e pés), este foi atendido pelo Dr. José Alberto Veloso, CRM: 20977/BA que sem passar nenhum exame, apenas disse que “dor todo mundo sente e pode ser tratada em casa”.

Diante dessa lastimável constatação que a saúde pública não funciona, me questiono para onde vão meus impostos? Por que apesar de ser direito constituído por lei (art.196 da constituição federal e endossado pela lei 8.080/90 de 19 de setembro de 1990 conforme o art. 2º), ainda estamos à mercê de profissionais que demostram não conhecer seu verdadeiro papel de salvar vidas?

Definitivamente a saúde pública não necessita de investimento financeiro. O que nos faltam não são recursos materiais, são materiais humanos competentes que prestem um serviço humanizados. Então, Sr. Veloso, sabe o verdadeiro sentido da medicina? Ainda lembra do seu juramento? Ou você é só mais um profissional bem pago por mim para não fazer nada nessa máquina pública?

Ricardo Luiz

UPAE e HDM/IMIP de Petrolina fazem balanço de atendimentos realizados durante o carnaval

Durante o período da folia de momo – entre 0h de sábado (25/02) e as 23h59 da terça-feira (28/02) – as unidades estaduais geridas pelo IMIP em Petrolina registraram um total de 1.745 atendimentos, sendo 1.135 na Unidade de Pronto Atendimento e Atenção Especializada de Petrolina (UPAE) e 610 no Hospital Dom Malan.

Os números refletem um carnaval de relativa tranquilidade para os serviços de urgência e emergência clínica/odontológica e materno/infantil. Este cenário positivo, também encontrado em toda a rede de saúde de Pernambuco, contribuiu para a redução geral de 25% no número de atendimentos do estado, quando comparado ao ano anterior.

Outro dado interessante é que, assim como na região metropolitana, não houve registro de nenhum óbito relacionado à festa nas duas unidades. A UPAE, por exemplo, visualiza-se que a maior demanda foi para a clínica médica (1.069), seguida pela quantidade de procedimentos (230) – que inclui suturas, raios-X e eletrocardiograma – e atendimentos odontológicos (66).

Já no HDM, quase 100% dos registros foram contabilizados na urgência e emergência. Além disso, a unidade materno/infantil realizou 48 procedimentos e 3 remoções, demonstrando a alta resolubilidade do hospital. “Estivemos durante todo o período carnavalesco com os nossos serviços de urgência e emergência funcionando normalmente, inclusive com a escala de profissionais completa para dar suporte à população. A redução do número de atendimentos em todo o estado deve ser comemorada, pois significa que tivemos um carnaval mais tranquilo e de paz”, avalia a coordenadora geral da UPAE, Ana Beatriz Mota Aguiar.

Para o superintendente do Dom Malan, Etiel Lins, o balanço também é positivo: “Somos uma unidade materno/infantil de alto risco e temos dado prioridade aos casos classificados pelo Ministério da Saúde como amarelo [urgente] e vermelho [emergência]. Mas, também buscamos acolher a demanda da população em períodos sazonais. Fazemos parte da rede de saúde de Pernambuco e atuamos como parceiros”.

Leitora reclama de atendimento no posto de saúde do bairro João de Deus

 

A leitora do Blog, Bela Rosa, escreveu para a redação indignada, pois segundo ela, foi se vacinar no posto de saúde do bairro João de Deus, zona oeste de Petrolina, e não realizou o procedimento. Segundo a leitora, o atendente teria anotado a data errada no retorno ao posto e não a vacinou, alegando que seria o dia seguinte.

Bela Rosa frisou que não tinha como voltar ao posto novamente e que só faltou implorar para que fosse aplicada a injeção, porque no dia seguinte, ela teria que trabalhar e estudar, não tendo como retornar ao posto. O enfermeiro disse que ela fosse então tomar a vacina no dia seguinte no posto da Cohab Massangano. Ela não aceitou porque mora num bairro e porque iria ser atendida no posto de outro local. A leitora reclama que foi mal atendida, que a pessoa que lhe atendeu nem se levantou para conversar com ela e que por isso, vai atras dos seus direitos.

A secretaria de Saúde de Petrolina enviou nota sobre a reclamação da leitora Bela Rosa, do bairro João de Deus. Conforme o órgão, em relação ao atendimento na Unidade Josefa Bispo, no João de Deus, a Secretaria de Saúde de Petrolina informa que a injeção anticoncepcional deve ser aplicada a cada 30 dias, por isso, estava agendada para o dia 02 de março.

Ainda segundo a secretaria, a última aplicação realizada pela paciente aconteceu no dia 30 de janeiro. A secretaria reforça que, para não interferir no resultado, não é permitido aplicar o medicamento dois dias antes. Sobre a orientação para procurar a unidade do bairro da Cohab Massangano, o órgão esclarece que é a unidade mais próxima do trabalho da paciente, já que, segundo ela, não poderia ir outro dia porque estaria trabalhando.

Informamos ainda que o atendimento também tentou conversar com a paciente para realizar um planejamento familiar e colocar o medicamento a cada três meses, porém, ela não aceitou.

Pacientes acusam HDM/Imip de privilegiar atendimento a funcionária da UPA; direção do hospital rechaça denúncia

Depois da repercussão acerca da morte de uma gestante de 17 anos, há uma semana, o Hospital Dom Malan (HDM)/Imip voltou a se envolver em nova polêmica. Alguns pacientes acusam a direção do hospital de supostas regalias a uma funcionária da UPA em Petrolina, identificada por Graziela Larisse Diógenes Cabral.

De acordo com a denúncia, Graziele deu entrada na unidade na última quarta-feira (15), na Enfermaria Ginecológica do HDM/Imip, onde estaria ocupando sozinha um quarto no qual cabem outros duas pacientes. Além disso, a funcionária estaria recebendo visitas a qualquer hora do dia, o que fere as normas do hospital, e também se utilizando de um climatizador exclusivamente para ela.

Revoltada, uma das mulheres que procuraram pelos serviços do hospital contou a este Blog que os médicos do HDM/Imip “ficam regulando as pacientes para a Maternidade de Juazeiro (BA), com a desculpa de que o hospital está cheio, enquanto pacientes do lado de fora, esperando atendimento, são reguladas para Juazeiro, quando uma pessoa só ocupa a vaga de três. Isso não é justo”, desabafou.

O aborrecimento das demais pacientes é ainda maior porque, segunda elas, a funcionária da UPA seria amiga muito próxima de coordenadoras da equipe do hospital, que teriam conseguido facilitar os supostos privilégios da amiga.

Resposta

Em nota enviada ao Blog, a direção do HDM/Imip, no entanto, rechaçou veementemente a denúncia.

“O HDM/Imip de Petrolina informa que a paciente em questão, usuária do SUS, não se encontra em uma enfermaria individual da unidade materno/infantil, mas sim em uma enfermaria que possui outros leitos, máquinas e equipamentos. A mesma ocupa apenas um leito. Portanto, em nenhum momento foi tirada a vaga de outro paciente”, diz a nota.

“O HDM/Imip, como é do conhecimento de todos, possui referência para atendimento de gestantes de Alto Risco, regulando pacientes para outras unidades da Rede PEBA (Pernambuco-Bahia) apenas quando não atendem ao critério citado. Lidando diariamente com a superlotação, o hospital não costuma recusar paciente por falta de vaga ou privilegiar quem quer que seja. Todos são usuários do SUS, tratados e respeitados como tal”, finaliza a nota da direção.

Curaçá: Prefeitura alerta beneficiários do Bolsa Família sobre atendimento na Secretaria de Desenvolvimento Social

A Prefeitura de Curaçá, no norte da Bahia, emitiu alerta aos beneficiários do programa Bolsa Família na cidade sobre o atendimento, que está normalizado e acontecendo na Secretaria de Desenvolvimento Social, localizada à Avenida Euvaldo Torres, nº 81, no Centro.

Serviços de inclusão, atualização cadastral, desbloqueios e visitas domiciliares às famílias em descumprimento de condicionalidade ao programa são algumas das ações que estão sendo realizadas pela Pasta.

O acolhimento é efetivado no Centro de Referência da Assistência Social (CRAS). Logo depois as famílias são encaminhadas à Secretaria de Desenvolvimento Social, para a conclusão do atendimento, que é realizado de segunda a sexta-feira, das 8h às 14h.

Comunitário denuncia “péssimo atendimento” na UPA de Juazeiro e prefeitura diz que vai investigar conduta de profissionais

Em e-mail enviado a este Blog, o comunitário Cláudio Santana Melo mostrou-se indignado com o que ele classifica de “péssimo atendimento” na Unidade de Pronto Atendimento de Juazeiro (BA). Segundo Cláudio, sua tia de 70 anos foi levada à unidade com um corte profundo no dedo e, mesmo ele chamando a atenção dos profissionais que atendem na unidade, a idosa só foi atendida três horas depois.

No entanto, de acordo com ele, o atendimento não foi o esperado. Uma técnica de enfermagem fez um procedimento no dedo de sua tia. A profissional, segundo o comunitário, disse o seguinte: “Vocês deviam ter chamado nossa atenção, porque é tanto paciente que nós esquecemos às vezes.

Em nota, a Secretaria de Saúde (Sesau) informou que vai investigar a conduta, “visto que este não é o padrão de atendimento que a rede espera dos seus profissionais. Na medida em que os fatos forem esclarecidos, serão tomadas as providências cabíveis.

A Sesau ainda diz que  “existe a Superintendência de Gestão de Pessoas, que foi criada com intuito de trabalhar a humanização no atendimento aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS). Também se inclui nesse setor de Ouvidoria, onde os usuários podem realizar denúncias contra os serviços ofertados pela Rede, quando, de alguma forma, se sentirem prejudicados.” A Secretaria ainda esclarece que considera esse tipo de conduta “condenável” e que está investindo para qualificar o atendimento e proporcionar mais agilidade aos serviços. O telefone da Ouvidoria é o (74) 3613-8305.

Agência bancária da Avenida Souza Filho ‘maltrata’ clientes

Os clientes que costumam frequentar a agência do Bradesco, localizada na Avenida Souza Filho, Centro de Petrolina, têm passado mais tempo dentro do banco do que fora dele. A estrutura da agência é pequena e mesmo assim quer receber, de todo jeito, correntistas e o público que precisa dos serviços da agência, mesmo sem o banco disponibilizar as condições adequadas.

São apenas quatro caixas, sendo um para pessoas com prioridade como idosos, gestantes, deficientes; outro é para serviços diversos do banco. Sobram apenas dois para um número representativo de pessoas que se ‘espremem’ na estrutura. Nesta segunda, 6, teve cliente esperando cerca de quatro horas, apenas para fazer uma troca de cheque ou um pagamento de rotina.

A lei da fila (que é estadual e banco nenhum costuma cumprir) determina 15 minutos para que o atendimento possa ser feito e orienta acionar juridicamente aquelas agências que descumprirem. Pelo jeito muita gente deve estar com essa vontade, em se tratando do Bradesco da Souza Filho.

(c) 2015 Blog do Carlos Britto | produzido por proximavenda.com.br