Leitora solta o verbo contra atendimento do SAC de Juazeiro

Inconformada com a morosidade do Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC) de Juazeiro (BA), após passar metade do dia para tirar sua Carteira de Identidade (RG), na última segunda-feira (24), a leitora Sandra Quele dos Santos soltou o verbo e cobrou respeito por parte do órgão público.

Confiram:

Atualmente, em Juazeiro (BA), para se ter acesso à primeira ou segunda via do documento de Identidade (RG), precisa-se ir ao SAC, entrar na fila no dia anterior à noite ou na madrugada do mesmo dia.

Na segunda-feira, 24/04, fui uma das pessoas que acessaram essa fila. Como eu tinha o dia livre, deixei pra ir às 6 da manhã. Cheguei lá às 6h30 e a fila estava já numerosa.

Fomos aos poucos entrando no espaço do SAC. Até aí, tudo correndo bem! Uma senhora loira (funcionária) muito educada e trabalhadeira, pra lá e pra cá, organizando tudo!

Porém, após recebermos as senhas, o tempo para de passar naquele local. Não sei quais os critérios que a Diretoria do SAC se utiliza para distribuir as senhas, mas quem estava lá para tirar Carteira de Trabalho, recebeu a notícia na entrada que só tinham 15 senhas e os demais deveriam voltar no dia seguinte (boa parte da fila). Isso já é degradante, para o indivíduo que se encontra com pendências e com urgência para resolver.

Eu, peguei a senha para o RG, tendo chegado lá às 6h30. Peguei a senha após o número 70. E aí começou o caos. Algumas vezes que precisei do SAC nunca vi aquele sistema não cair e ficar no mínimo meia hora fora do ar. Na segunda-feira, não foi diferente. Sistema caiu! Funcionários pra lá e pra cá, fora dos seus postos de trabalho.

Enfim, deu 11h e eu lá, sem previsão de ter o documento. Mulheres com crianças, adultos…todos tão fadigados pela longa espera. Um grande detalhe: naquele setor de RG não tem tela para chamar o número da senha do cidadão! Os atendentes chamam pelo nome de cada um (não há transparência e ficamos perdidos na ordem de chamada), acontecendo de ter pessoas que ali não estavam mais cedo, sendo atendidas na nossa frente. Como sabermos, se não tem tela de senha?

Nesse sentido falta transparência e ética ali, não é Coordenação? Fui até um dos atendentes, pois todos ali se questionavam em qual atendimento estava naquele momento, às 12h. O atendente a quem eu me dirigi me informou que estava no número 55; sentei e aguardei. Em seguida foram chamadas três pessoas no atendimento e a minha vizinha do lado, que era do número 56, sentada sem atendimento, provando para quem ali estava que não há ali nenhuma ordem no atendimento!!

Após esse horário, dois dos quatro atendentes saíram com bolsas, acredito que indo almoçar. Ficou apenas dois atendendo.

Dois pontos fracos desse momento de espera: o SAC de Juazeiro não tem bebedouro para bebermos água. Um senhor veio a mim, para saber onde tomava seu remédio, queria um copo de água. Me dirigi ao funcionário mais próximo e este me disse que só tinha água na cozinha dos funcionários. O segundo ponto é que o acesso ao primeiro andar do SAC é feito apenas por meio de escada. Não há rampas ali!

E para finalizar, saí de lá às 13h. Pode isso?? Para se ter acesso a um serviço ao cidadão, ter que passar a manhã inteira e o início da tarde? Eu tinha o dia livre. Só me queixo da falta de respeito na ordem de chamadas e do cansaço de estar ali. Mas e quem trabalha, estuda e tem compromisso? Por que não pensarmos neles?

Por isso qualifico o atendimento ali como vexatório e humilhante! Por que apenas quinze senhas para Carteira de Trabalho? o SAC não funciona até às 15h?

Por que o atendimento nas Identidades é tão lento? faltam profissionais? falta compromisso dos que existem ali? ou falta gestão no SAC?

Sandra Quele dos Santos/Leitora

Codevasf cria comissão para acelerar atendimento a irrigantes do norte baiano

 

Com a meta de atender mensalmente pelo menos 100 irrigantes familiares que desejam liquidar suas dívidas com tarifa de água (K1) e titulação de lotes agrícolas, a 6ª Superintendência Regional da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Paranaíba (Codevasf), sediada em Juazeiro (BA), criou uma comissão específica que vai acelerar o ritmo dos trabalhos. O objetivo é atingir um universo de 700 produtores do Norte baiano até novembro podendo beneficiar mais de 10 mil produtores de projetos públicos de irrigação da Codevasf situados em todo o Vale do São Francisco, região afetada pela estiagem prolongada.

De acordo com o setor de cobrança da Superintendência, mais de 65 liquidações de débitos foram registradas até agora, e a média de desconto para pagamento integral das dívidas é de 80%. Na região de Juazeiro, a medida está beneficiando agricultores dos projetos irrigados Maniçoba, Curaçá I e II, Mandacaru, Tourão e Salitre.

“Este é o momento que o produtor sempre esperou para liquidar suas dívidas junto ao governo federal. Os descontos concedidos são muito expressivos. Fechamos parceria com todos os distritos para facilitar o acesso à informação àqueles que possuem débitos em aberto. O irrigante não pode desperdiçar essa oportunidade”, afirma o superintendente regional da Codevasf em Juazeiro, Misael Neto.

Manoel Mercês dos Santos, produtor em um lote de sete hectares no projeto Curaçá I, procurou a Codevasf para regularizar sua situação financeira e ficou satisfeito com o valor do desconto. “Paguei as dívidas todas com mais de 70% de desconto à vista. Se nós perdermos esta oportunidade, vai ficar muito difícil quitar tudo, porque as dívidas estão muito altas”, aponta.

Já o irrigante Severino Joaquim da Silva, que possui um lote no projeto Maniçoba, procurou a Codevasf para regularizar sua situação e ratificou que “quem perder essa oportunidade vai ter dificuldade para pagar depois”.

Pagamento total

A medida do governo federal beneficia irrigantes pessoa física que optarem pela liquidação dos débitos ainda neste ano. Sem os descontos, o valor atualizado das dívidas acumuladas por produtores irrigantes de todo o Vale do São Francisco, até dezembro de 2016, na abrangência dos sete estados onde a Codevasf atua, era de R$ 172 milhões. As variáveis que determinam o percentual de desconto aplicável à dívida de cada agricultor são: valores originais das dívidas, datas de contratação dos débitos e localização dos empreendimentos de irrigação (dentro ou fora da região semiárida). Os descontos são válidos apenas para pagamento total do saldo atualizado das dívidas de titulação e de tarifa d’água. Mesmo os agricultores que participaram de processos de renegociação de suas dívidas no passado poderão obter o desconto para liquidação dos débitos.

O agricultor interessado deve solicitar formalmente à Codevasf extrato demonstrativo de débitos e informações sobre o percentual de desconto a que tem direito. De posse desses dados e da documentação necessária, o agricultor deve assinar o termo de acordo e pagar em até 30 dias a guia de recolhimento da dívida.

A data de vencimento da guia não poderá ser alterada, nem poderão ser emitidos boletos atualizados, e os pagamentos devem ocorrer exclusivamente no Banco do Brasil. Caso o pagamento não seja realizado até a data de vencimento da guia, o desconto é cancelado e a dívida retorna à situação anterior.

A Codevasf deve receber os pedidos de liquidação de dívidas com desconto até 29 de novembro, para que haja tempo hábil para análise e resposta das demandas e posterior pagamento dos débitos pelo agricultor em até 29 de dezembro – data em que todo o processo de concessão de descontos será encerrado. A área técnica da Codevasf recomenda que os irrigantes se antecipem aos prazos e procurem a Companhia no máximo até outubro. O agricultor que não quitar suas dívidas perderá a oportunidade de obter o desconto de até 95% e ainda poderá ser alvo de sanções previstas em lei: suspensão do fornecimento de água, retomada do lote, cobrança judicial e inscrição no Cadastro Informativo de Créditos não Quitados do Setor Público Federal (Cadin). (Foto: Ascom)

Secretaria de Infraestrutura, Habitação e Mobilidade de Petrolina passa a atender em nova sede

A Secretaria de Infraestrutura, Habitação e Mobilidade de Petrolina (SEINFRAHM) está com uma nova sede. O prédio fica localizado na Avenida Guararapes, 2.228, em frente ao Colégio Maria Auxiliadora, no Centro da cidade.

O atendimento é realizado de segunda à sexta-feira, das 8h às 13h. No local os cidadãos podem buscar informações sobre assuntos relacionados à infraestrutura e à mobilidade da cidade, além das questões habitacionais como o programa federal ‘Minha Casa Minha Vida’.

HDM/Imip alega superlotação por atender 40% acima da sua capacidade

O Hospital Dom Malan (HDM)/Imip de Petrolina, referência materno/infantil de alto risco no Sertão do estado, atende a uma população de mais de 2 milhões de habitantes da Rede Interestadual de Saúde Pernambuco-Bahia (PEBA). Por conta dessa abrangência, que alcança mais de 50 municípios, o hospital tem enfrentado constantemente a superlotação, chegando a atender, quase que diariamente, 40% acima da sua capacidade resolutiva.

De acordo com o superintendente da unidade, Etiel Lins, o HDM vive atualmente uma realidade dura, resultado da grande demanda absorvida – que muitas vezes não faz parte do seu perfil – e da falta de resolubilidade de outros serviços de saúde, que acabam sobrecarregando o hospital, que deveria atender apenas o alto risco.

Para se ter uma ideia, no dia 31 de março nós estávamos com 35 gestantes em uma sala de parto com capacidade para atender 14. A nossa recepção da urgência e emergência obstétrica está sendo usada como espaço de atendimento. Constantemente temos 40, 50 mulheres na sala de observação e na enfermaria da urgência e emergência, quando deveríamos ter apenas 28, ou, no máximo, 30. Contamos com apenas 4 salas cirúrgicas para realização de partos, cirurgias ginecológicas, oncológicas e pediátricas. E esses são apenas alguns dos exemplos”, pontua Etiel.

Apenas no primeiro trimestre de 2017, o Hospital Dom Malan realizou 1770 partos. Inclusive, somos a unidade que mais faz partos por ano em todo o estado de Pernambuco, com um total de 7.282 realizados em 2016. Mas, cerca de 49% dessa demanda não é nossa. Ou seja, recebemos muitas pacientes de risco habitual que deveriam ser atendidas em seus municípios de origem ou em um serviço referenciado para o baixo risco. Se não houvesse essa demanda extra, poderíamos prestar um serviço de mais qualidade e otimizado ao público que realmente precisa de uma unidade hospitalar de alta complexidade”, acredita a coordenadora de enfermagem, Fátima Leal.

Segundo a enfermeira obstetra, Laize Borges, a taxa de ocupação da urgência e emergência obstétrica já chegou a 185%, com 52 mulheres em observação e internadas. “Por conta dessa superlotação, às vezes o atendimento demora um pouco ou temos que contra-referenciar algumas pacientes de risco habitual para a maternidade de Juazeiro, por exemplo. E aí temos que encarar uma outra questão, que é a falta de compreensão da população e das usuárias com relação a essa sobrecarga”, relata.

Para o superintendente do HDM, mesmo com toda essa problemática, a equipe do hospital tem se empenhado em tentar dar respostas rápidas e atender às demandas com a maior brevidade possível para um serviço público de saúde nessas condições. Inclusive, ressalta que para elogios, sugestões e reclamações, a direção possui um canal de comunicação direto com os usuários que é através da ouvidoria.

“Orientamos àquelas pessoas que tenham alguma dúvida com relação ao atendimento ou protocolo de serviço, que procurem a nossa ouvidoria, que funciona de segunda à sexta-feira, das 7h às 17h. Esse contato pode ser feito também por telefone (87 3202-7037)”, informa Etiel.

Desafogamento

As perspectivas de desafogamento da unidade materno/infantil baseiam-se na abertura da casa de parto municipal e nas corresponsabilidades que os municípios da Rede PEBA precisam assumir, entre outras políticas públicas, que envolvem desde campanhas de orientação ao planejamento familiar, até a busca de subsídios para a melhoria dos serviços.“Estamos procurando conversar com alguns municípios para que assumam de forma efetiva o parto de risco habitual, inclusive nos disponibilizando para formar enfermeiras obstetras que poderão trabalhar nessas maternidades, e também buscando soluções internas para que, mesmo diante das dificuldades, possamos ofertar um serviço de qualidade. Afinal, o Hospital Dom Malan tem um papel de destaque dentro da rede de saúde do estado e tem feito a diferença na vida de muitas famílias que por ele passam”, conclui a diretora de Atenção à Saúde do HDM/Imip, Tatiana Cerqueira. (fonte/Ascom Imip)

Junta Médica Especial do Detran-BA atende hoje e amanhã em Juazeiro

O Departamento Estadual de Trânsito da Bahia (Detran-BA) realiza neste sábado (8) e domingo (9) uma Junta Médica Especial para pessoas com deficiência física, em Juazeiro. A perícia para quem pretende obter ou renovar a carteira de habilitação será na Clinica de Medicina e Psicologia (CMP), credenciada ao órgão, e os exames práticos de direção, na 8ª Circunscrição Regional de Trânsito (Ciretran).

Os moradores das cidades de Paulo Afonso, Euclides da Cunha, Jacobina e Senhor do Bonfim (todas no norte baiano) também serão atendidos. Os interessados devem se apresentar com a carteira de identidade e os relatórios médicos atualizados, acompanhados de informações detalhadas sobre as patologias. O objetivo do serviço é evitar que as pessoas com deficiência se desloquem para Salvador.

Encontro discute melhorias para o atendimento odontológico oferecido nas unidades básicas de saúde de Petrolina

O prefeito de Petrolina, Miguel Coelho, juntamente com a diretora de saúde bucal do município, Roberta Teixeira Araújo, recebeu os integrantes da diretoria do Conselho Regional de Odontologia de Pernambuco (CRO-PE) e da Associação Brasileira de Odontologia (ABO). O objetivo do encontro, realizado ontem (21), foi firmar parcerias visando oferecer a população um atendimento odontológico com maior qualidade.

O presidente do conselho, Dr. Alfredo Gaspar Júnior, ressaltou a importância da atuação do órgão e da visita ao município. “Essa é a primeira viagem da nova diretoria. Fizemos questão de vir a Petrolina para saber as condições da saúde bucal e conversar com a representante da área na Secretaria de Saúde. Estamos colocando o conselho a disposição para ajudar no que for preciso para as melhorias nas condições de saúde bucal da população de Petrolina. A nossa função é fiscalizar e com isso garantir um atendimento e um serviço de qualidade”, frisou.

Segundo a diretora de saúde bucal do município, Roberta Teixeira Araújo, é importante que o município trabalhe em parceria com o órgão fiscalizador. “A primeira demanda que já passamos para o conselho é a questão da regularização da unidade do bairro Cohab VI que foi interditada na gestão passada. Já estamos resgatando, através deles, o relatório dessa interdição. Vamos pegar todos esses dados, regularizar e colocar a unidade em funcionamento”, destacou.

A diretora ressaltou ainda, a contribuição que esse trabalho em conjunto pode trazer para os profissionais que atuam no município. “O CRO sempre promove cursos para os profissionais e é muito importante contarmos com dentistas cada vez mais capacitados. A gente tem informações que na gestão anterior os profissionais não eram liberados para esses eventos. Então, vamos tentar resgatar essa parte de humanização e capacitação. Outro ponto importante é a garantia que todos os nossos profissionais estejam inscritos no CRO, para que ninguém atue de forma irregular”, concluiu. (foto/divulgação)

 

Após reclamações, Jucepe esclarece sobre atendimento na sede regional em Petrolina

Por meio de nota, a Junta Comercial do Estado de Pernambuco (Jucepe)/Regional Petrolina informou que o atendimento na unidade continua “acontecendo normalmente, porém a analise dos processos está prejudicada devido a operação tartaruga realizada pelos servidores do órgão”. A nota foi enviada a este Blog após reclamações de leitores postadas em matéria no última segunda-feira (13).

De acordo com a Jucepe, essa ação dos servidores se dá devido à quebra do acordo de negociação  firmado no fim do ano passado por parte da Secretaria da Administração do Estado (oficio SAD nº 1490/2016). Demais informações contam numa carta aberta dos servidores do órgão aos empresários. (veja aqui)

Bodocó implanta atendimento pediátrico no Hospital Municipal

A Secretaria de Saúde de Bodocó, sertão do Araripe, implantou um novo serviço no Hospital Municipal Eulina Silva Lócio de Alencar. A partir de agora a unidade disponibilizará à população o serviço de atendimento pediátrico. A implantação visa melhorar a assistência médica infantil, relacionada às urgências e emergências hospitalares.

O ato também possibilitará atendimento especializado e de qualidade ao público infantil do município. O atendimento é realizado nas segundas, quartas e quintas-feiras das 8h às 11h. (Foto: Ascom)

Artigo do leitor: “Descaso no atendimento de médico da UPA em Juazeiro”

O leitor do Blog, Ricardo Luiz, enviou nota à redação reclamando do atendimento de um médico da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) em Juazeiro/BA. Confira:

Mais uma vez a população Juazeirense sofre com o descaso médico na UPA (Unidade de Pronto Atendimento), desta vez um jovem deu entrada sentindo fortes dores no peito, cefaleia, falta de ar e dormência nas extremidades (mãos e pés), este foi atendido pelo Dr. José Alberto Veloso, CRM: 20977/BA que sem passar nenhum exame, apenas disse que “dor todo mundo sente e pode ser tratada em casa”.

Diante dessa lastimável constatação que a saúde pública não funciona, me questiono para onde vão meus impostos? Por que apesar de ser direito constituído por lei (art.196 da constituição federal e endossado pela lei 8.080/90 de 19 de setembro de 1990 conforme o art. 2º), ainda estamos à mercê de profissionais que demostram não conhecer seu verdadeiro papel de salvar vidas?

Definitivamente a saúde pública não necessita de investimento financeiro. O que nos faltam não são recursos materiais, são materiais humanos competentes que prestem um serviço humanizados. Então, Sr. Veloso, sabe o verdadeiro sentido da medicina? Ainda lembra do seu juramento? Ou você é só mais um profissional bem pago por mim para não fazer nada nessa máquina pública?

Ricardo Luiz

UPAE e HDM/IMIP de Petrolina fazem balanço de atendimentos realizados durante o carnaval

Durante o período da folia de momo – entre 0h de sábado (25/02) e as 23h59 da terça-feira (28/02) – as unidades estaduais geridas pelo IMIP em Petrolina registraram um total de 1.745 atendimentos, sendo 1.135 na Unidade de Pronto Atendimento e Atenção Especializada de Petrolina (UPAE) e 610 no Hospital Dom Malan.

Os números refletem um carnaval de relativa tranquilidade para os serviços de urgência e emergência clínica/odontológica e materno/infantil. Este cenário positivo, também encontrado em toda a rede de saúde de Pernambuco, contribuiu para a redução geral de 25% no número de atendimentos do estado, quando comparado ao ano anterior.

Outro dado interessante é que, assim como na região metropolitana, não houve registro de nenhum óbito relacionado à festa nas duas unidades. A UPAE, por exemplo, visualiza-se que a maior demanda foi para a clínica médica (1.069), seguida pela quantidade de procedimentos (230) – que inclui suturas, raios-X e eletrocardiograma – e atendimentos odontológicos (66).

Já no HDM, quase 100% dos registros foram contabilizados na urgência e emergência. Além disso, a unidade materno/infantil realizou 48 procedimentos e 3 remoções, demonstrando a alta resolubilidade do hospital. “Estivemos durante todo o período carnavalesco com os nossos serviços de urgência e emergência funcionando normalmente, inclusive com a escala de profissionais completa para dar suporte à população. A redução do número de atendimentos em todo o estado deve ser comemorada, pois significa que tivemos um carnaval mais tranquilo e de paz”, avalia a coordenadora geral da UPAE, Ana Beatriz Mota Aguiar.

Para o superintendente do Dom Malan, Etiel Lins, o balanço também é positivo: “Somos uma unidade materno/infantil de alto risco e temos dado prioridade aos casos classificados pelo Ministério da Saúde como amarelo [urgente] e vermelho [emergência]. Mas, também buscamos acolher a demanda da população em períodos sazonais. Fazemos parte da rede de saúde de Pernambuco e atuamos como parceiros”.

(c) 2015 Blog do Carlos Britto | produzido por proximavenda.com.br