TSE e Parlasul assinarão acordo para atuação de missão nas eleições 2022

por Carlos Britto // 30 de junho de 2022 às 10:37

Foto/reprodução

Os presidentes do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Edson Fachin, e do Parlamento do Mercosul (Parlasul), Tomás Enrique Bittar, assinarão nesta sexta-feira (1º/07), às 17h30, na sede do TSE, em Brasília, o primeiro acordo de procedimentos para a atuação de missão internacional de observação nas Eleições 2022. O termo estabelece direitos e obrigações para ambas as partes.

Fachin mobilizou os principais organismos internacionais de observação eleitoral do mundo para acompanhar as eleições de outubro próximo. As missões têm a finalidade de contribuir para o aperfeiçoamento do processo eleitoral brasileiro, ampliar a transparência e a integridade, bem como fortalecer a confiança pública nas eleições.

Os objetivos do acordo incluem as seguintes tarefas: observar o cumprimento das normas eleitorais nacionais; colaborar para o controle social nas diferentes etapas do processo eleitoral; e verificar a imparcialidade e a efetividade da organização, direção, supervisão, administração e execução das eleições.

Além do Parlasul, órgão que representa os interesses das cidadãs e dos cidadãos das nações que compõem o Mercosul, foram convidadas missões de observação da Organização dos Estados Americanos (OEA), da Rede Eleitoral da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), da Unión Interamericana de Organismos Electorales (Uniore) e da Rede Mundial de Justiça Eleitoral, bem como representantes das organizações norte-americanas Carter Center e International Foundation for Electoral Systems (Ifes).

TSE e Parlasul assinarão acordo para atuação de missão nas eleições 2022

  1. FORA PTralhas! disse:

    Quem tem que fiscalizar essas urnas fraudáveis é o Exército Brasileiro! O povo brasileiro não aceitará jamais essa fraude que estão preparando para botar na Presidência o maior ladrão do mundo, o Lula lau!

  2. ysrebelde disse:

    Os nossos “iluminados” ministros do stf, devem achar que a população brasileira é composta de idiotas. Todo mundo sabe que esses observadores, vão realmente OBSERVAR, ficaram sentados numa sala refrigerada com lanchinhos, só olhando para uma tela com boletins sobre as eleições. O que o povo sério quer é contagem pública de votos, transparência total dos votos apurados. Se a população quiser eleger o nine, que seja, só não pode se queixar depois. Só vai ficar difícil entender, como um candidato que não pode sair as ruas, conseguiu se eleger. Esse é um ponto que continua obscuro, e os “iluminados” junto com o consórcio chamado de imprensa, querem enfiar goela abaixo da população. Resumindo, não me interessa quantos organismos internacionais vão vir para o Brasil na época das eleições, me interessa saber QUEM aqui no Brasil vai fiscalizar o tse, que pra mim não tem a menor credibilidade.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.