Sindicato dos Bancários de Juazeiro realiza ‘tuitaço’ contra demissões e repudia charge com funcionários da Caixa

2

Numa ação coordenada pelo Sindicato dos Bancários de Juazeiro e Região (SEEB), profissionais do Bradesco realizaram na quarta-feira (25) um ‘tuitaço’ contra as demissões na agência local. Os trabalhadores utilizaram as hashtags #QueVergonhaBradesco e #QuemLucraNãoDemite nos seus perfis nas redes sociais, preferencialmente no Twitter.

A ação fez parte da campanha organizada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) e pela Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Bradesco, com o apoio do Sindicato. O objetivo foi denunciar a quebra do compromisso assumido pela Federação Nacional dos Bancos (Fenaban), feito em mesa de negociação com o Comando Nacional Bancário, de não realizar demissões durante a pandemia.

Segundo os bancários, só o Bradesco já demitiu este ano mais de 1.200 trabalhadores, de acordo com cálculos da COE Bradesco. Isso no mesmo período em que obteve Lucro Líquido Recorrente (LLR) de R$ 12,657 bilhões nos primeiros nove meses de 2020.

Ao todo, os bancos no Brasil já demitiram mais de 12 mil trabalhadores este ano, de acordo com o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério da Economia. O presidente do Sindicato dos Bancários Juazeiro e Região (SEEB), Maribaldes da Purificação, ressalta que os bancos são um dos únicos setores que mantêm lucros bilionários enquanto praticamente todo o Brasil sofre prejuízos. 

“Não há justificativa para o sistema financeiro demitir ou afastar pessoas do seu quadro, pessoas que estão contribuindo, fazendo o seu papel, mesmo que em home office, sobretudo trabalhadores com estabilidade, gestantes e em tratamento de saúde. Não podemos aceitar que neste momento de pandemia o Bradesco ou qualquer outro banco descumpra o acordo feito há alguns meses com os trabalhadores, de não demissão. Se você não é bancário, participe também do tuitaço. Ajude a fortalecer a luta em defesa do emprego”, frisou.

Charge

Também nesta quarta-feira (25) a entidade repudiou a charge que foi divulgada pelo jornal A Tarde, comparando os empregados da Caixa Econômica Federal a um bicho preguiça. “Desde o início da pandemia nossa categoria não parou de trabalhar, inclusive alguns sábados os bancos têm funcionado. Um jornal tradicional do Estado publicar esse tipo de charge, desqualificando o trabalho dos bancários e desrespeitando o trabalhador, é um absurdo. Queremos uma retratação e mais respeito com a categoria”, desabafou Maribaldes.

O SEEB ressalta que existem milhares de aprovados no último concurso público da Caixa, realizado em 2014, que estão aguardando convocação para trabalhar. Porém não há qualquer sinal do governo de chamá-los, apesar do momento em que os trabalhadores estão aderindo ao PDV (Plano de Demissão Voluntária) do banco – o que vai reduzir o número de empregados nas agências, e, consequentemente, aumentar a sobrecarga de trabalho. Segundo Maribaldes, é necessário que haja a convocação imediata dos aprovados no concurso para diminuir a sobrecarga de trabalho dos empregados da Caixa.

2 COMENTÁRIOS

  1. A tecnologia e assim hoje se faz tudo de casa no celular aí vão demitir mesmo.agora falar.que funcionários do Banco do Brasil é Caixa econômica e bicho preguiça acertou em cheio.

  2. Se é bicho preguiça ou não , não se sabe, mas a verdade precisa ser dita , os piores serviços de atendimento ao público se dá a caixa econômica federal ,banco do Brasil é um pouquinho mais rápido.

Deixe uma resposta para Maria Mariá Cancelar resposta

Comentar
Seu nome