Polícia apresenta vídeo de possível suspeito de matar Beatriz, mas diz que encontrou dois perfis genéticos distintos na cena do crime

8

marceone-e-gilmario

O delegado Marceone Ferreira e o perito Gilmário Lima, ambos à frente das investigações do Caso Beatriz, que completa nove meses neste sábado (10), concederam entrevista à imprensa local ontem (8) para apresentar novidades sobre o brutal assassinato que chocou o Vale do São Francisco e ganhou repercussão nacional. Entre os novos pontos apresentados durante a coletiva estão um vídeo – que segundo os representantes da Polícia Civil (PC), mostra o possível suspeito pelo crime da menina Beatriz Angélica Mota, de 7 anos – e a identificação de dois perfis genéticos diferentes, ambos do sexo masculino.

Nas filmagens apresentadas, adquiridas de câmeras de segurança de estabelecimentos ao redor do colégio e das câmeras de monitoramento da Secretaria de Defesa Social (SDS), o delegado Marceone disse que o suspeito transita algumas vezes pelas imediações do Colégio Nossa Senhora Auxiliadora até entrar no estabelecimento de ensino. Dentro da instituição, conforme imagens cedidas por pessoas que estavam na festa, o mesmo homem aparece próximo às escadas que dão acesso ao bebedouro da escola, onde Beatriz teria ido tomar água e não foi mais vista.

Com relação aos perfis de DNA, um foi encontrado na faca utilizada no crime e o outro nas unhas da mão direita de Beatriz Angélica. Ainda não se sabe a quem pertence os materiais coletados na faca e nas unhas, uma vez que, conforme a PC, já foram realizados mais de 60 exames comparativos em pessoas suspeitas, mas todos foram descartados.

Testemunhas

O suspeito, que entrou no colégio e foi visto por testemunhas, além de aparecer em filmagens cedidas por pessoas que estavam na quadra do colégio na noite do dia 10 de dezembro passado (dia do crime), não aparece saindo do colégio. Apesar disso, conforme a investigação, onze pessoas relataram ter visto o homem, que tem pele negra, vestia calça jeans, camisa tipo pólo cor verde e tem cabelos encaracolados.

A presença do suspeito foi comprovada, segundo a PC, através de reprodução simulada, feita com testemunhas e pessoas suspeitas. Essas onze pessoas também assistiram ao vídeo, no qual aparece o suspeito do lado de fora do colégio, e teriam confirmado que a pessoa “se assemelha muito” com o homem visto no bebedouro. O local onde o crime ocorreu, no entanto, ainda não foi divulgado.

Durante a coletiva, Marceone Ferreira voltou a dizer que a PC não vem medindo esforços para resolver este caso e que o mesmo “não vai cair no esquecimento” até porque o Caso Beatriz é “prioridade do governo do Estado“. Ele também voltou a afirmar que “o caso é de alta complexidade e de difícil elucidação”. (foto/divulgação)

8 COMENTÁRIOS

  1. Cara é sério isso!? Se alguém poder me tirar algumas dúvidas eu agradeço.
    Por qual motivo esse vídeo só foi divulgado agora? com certeza ele não é novo e claro se tivesse sido divulgado antes teria ganhado muito tempo, visto que as características deste suspeito seriam fáceis de se identificar se ele for da região, tanto pela sociedade como pelo mundo do crime que toda polícia tem contatos. Outra coisa! eles tem terabytes de vídeo e não conseguiram ver o cara saindo em nove meses? kkkkkkk é pra rir né? não conseguiram mesmo ou não podem mostrar? cadê as imagens da área em que o cara tá vindo? analisaram os dados de telefone pra ver se nesse período que ele ronda funcionários fizeram ligação ou ele atendeu alguma? ou seja, de onde ele veio? não tinha outras câmeras nesse caminho? será que viram imagens do outro dia, pois o mesmo pode ter se escondido pelo colégio visto que se foi planejado, tudo é possível. Por qual motivo as imagens a frente da escola ficam verdes? não entendi! onde estavam os funcionários que ao ver um cara intimidador e assustador não colocaram ele pra fora? funcionários, participantes, todos veem um cara assim e não comunicam a “segurança” para pedir que ele se retire? todo mundo que tava nesse colégio foi responsável pela morte dessa menina. Vejo várias pessoas acusando a antiga diretora do colégio e a “administração” que é quem organiza tudo não é suspeita porquê!? vem falar de DNA, o perito já tinha falado isso em outro vídeo inclusive dizendo que ela pode ter sido levada dentro de algo. Não falou nada novo apresentou um vídeo que com certeza não é novo e não entendo porque só agora mostrou. Não falou da premeditação que ele tanto defende e tão pouco se há mandantes por trás. Ou seja, é cômico se não fosse tão trágico. Mostram um trabalho árduo sendo feito como se fosse algo pessoal e não uma obrigação do Estado. Em um crime dessa natureza em que toda a sociedade e suas crianças estão correndo risco o trabalho tem que ser sobre-humano mesmo. Esses criminosos se um dia forem pegos tem que dar uma consultoria pra polícia, pois em 20 minutos fazer o que fizeram e ainda montar em cima da polícia desse jeito… só em filme mesmo. Gostaria de entender por qual motivo na hora da coletiva esse tipo de pergunta não é feita, me parece que só a população é dotada de capacidade questionadora. Eu heim!

  2. Delegado na época o Sr.pedio as companhias telefónicas rastreamento de alguma ligação telefónica da torre da área? Porque se ouve participação de um grupo de pessoas nesse caso na Menina Beatriz tem que ter alguma ligação telefónica. …. Ou a Policia Civil é imatura ou são incompetentes. Porque no caso do assacinato da Deputada Federal em Maceio Ceci Cunha só foi desvendado por conta de ligações que foram feitas entre o grupo de pessoas da trama…. Entrou a Policia Federal na época e chegou aos verdadeiros culpados por conta das ligações telefónicas….. POLICIA CIVIL VCS TEM QUE TER A MATURIDADE PRA ELUCIDAR CRIMES DESSA NATUREÇA….. NÃO EXISTE CRIME PERFEITO.

Deixe uma resposta para Aline Cancelar resposta

Comentar
Seu nome