Marcado para o dia 25 de maio, festival vai celebrar o Dia da Liberdade Religiosa de Juazeiro

1

O 1º Festival de Liberdade Religiosa de Juazeiro BA) já tem data e local para acontecer: 25 de maio, na Orla da cidade (em frente ao Banco Bradesco, às 16h30). Em Juazeiro, existe uma lei municipal que lembra a defesa por esse direito essencial de uma sociedade que respeita a diversidade religiosa e a tolerância, e esse festival será realizado para comemorar a data com muita fé e, acima de tudo, respeito.

O evento será realizado pelo Fórum Regional da Associação Internacional de Liberdade Religiosa em parceria com a Igreja Adventista do Sétimo Dia (IASD). A ideia é reunir o máximo de representantes religiosos a fim de proporcionar uma grande festa para reforçar a importância da defesa pelo direito à liberdade religiosa. A programação ainda vai contar com a participação de lideranças de liberdade religiosa da IASD, Pr. Hélio Canassale e Heron Santana, da presidente da comissão de combate à intolerância religiosa da Ordem dos Advogados da Bahia, Maíra Vida e dos cantores Nadson Portugal e Joyce Canassale.

Para o coordenador do evento, Pr. Luciano Paulino, o momento é de celebração e gratidão. “Nosso objetivo com esse festival é celebrar a conquista dessa data, que poucos municípios baianos instituíram. Mesmo sendo um direito constitucional do cidadão, muitas vezes não é respeitado. Por isso estamos reunindo os representantes religiosos em torno dessa celebração, em uma data que precisa ser lembrada que é o Dia Municipal da Liberdade Religiosa, celebrado no dia 25 de maio”, reforça Paulino.

Dia da Liberdade Religiosa

Instituído pela Lei Municipal 2.644, o Dia da Liberdade Religiosa é celebrado em Juazeiro da Bahia desde 2016. A legislação diz que nesta data “serão realizados atos públicos alusivos à liberdade religiosa”. A ideia de demarcar um dia especial para esse fim se deu com o objetivo de convidar a população para refletir sobre a importância das religiões para a família e a sociedade, bem como da defesa da liberdade religiosa para todos como um direito humano fundamental.

1 COMENTÁRIO

Deixe uma resposta para Fabiano Carneiro Melo Cancelar resposta

Comentar
Seu nome