Em Petrolina, representantes do poder público e de comunidades ribeirinhas debatem risco de enchentes e áreas inundáveis no Vale do São Francisco

2

Na manhã de hoje (17) o Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco (CBHSF) promoveu uma discussão sobre os riscos de enchentes e áreas inundáveis nas regiões banhadas pelo Rio São Francisco.

O evento, que foi realizado na Câmara Municipal de Petrolina, é o segundo promovido pelo comitê, que segue com esse debate para Pirapora (MG) no próximo dia 24 de outubro. Embora em período de estiagem, os participantes abordaram a prevenção como forma de reduzir danos em períodos críticos de enchentes.

Parece estranho estar tratando de cheias em um momento de seca, mas é aí que está o engano. É exatamente agora que nós temos que começar a planejar o futuro para evitar que quando as águas chegarem, você não tenha que amargar a destruição. No século do aquecimento global, as chuvas serão cada vez mais raras, porém elas terão o poder destrutivo muito maior, o que significa que essa é a hora de mobilizar as prefeituras, sobretudo das áreas ribeirinhas, para que elas cumpram seu papel”, explicou o presidente do CBHSF, Anivaldo Miranda.

A audiência de hoje é a segunda realizada pelo comitê para a divulgação das diretrizes, alertando a população e destores municipais. “Estamos fazendo essas três primeiras audiências para chamar atenção e depois formaremos um grande grupo de trabalho, com a defesa nacional, agência nacional de águas, o setor elétrico, representantes dos prefeitos e dos estados”, concluiu Miranda.

Ocupações irregulares

O coordenador da Câmara Consultiva Regional (CCR) Submédio São Francisco, Julianeli de Lima, também marcou presença no evento reforçando a importância da prevenção, em especial em áreas de ocupação irregular.

Estamos em um período de estiagem, porém é importante discutir de forma preventiva a adoção de políticas para que possamos enfrentar o processo de ocupações de áreas do rio que venham a ser alvo de danos para a população e, consequentemente ter prejuízos materiais em consequência de construções irregulares nas margens do rio. O comitê tem idealizado essas reuniões públicas, para que possamos conscientizar as pessoas dos riscos que elas estão correndo devido às ocupações irregulares”, ponderou. O evento contou com membros da comunidade indígena Pankará (Aldeia Serrote dos Campos), além de gestores municipais e do Legislativo.

2 COMENTÁRIOS

  1. Boa iniciativa no sentido de orientar a população. Agora, o poder público precisa abrir os olhos para campanhas voltadas à infância e adolescência. Vamos formar cidadão, assim, não teremos tantos jovens infratores no futuro.

  2. Enchente nessa seca terrivel? Essa reunião é só para torrar nosso dinheiro das taxas cobradas dos ribeirinhos. Agora discutir a ilegalidade de Maceió ser a sede do Comitê da Bacia do Rio São Francisco mesmo não fazendo parte do nosso vale (uma vez que essa cidade faz parte da Bacia do Rio Mundaú), ninguém discute.

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome