29 C
Petrolina,PE
4 de junho de 2020

Antônio Carlos Miranda

2390 POSTS 0 COMENTÁRIOS

Alvorlande rebate Valgueiro sobre Portal da Transparência: “Não quer se dar ao trabalho, nem bota os assessores para trabalhar”

1
Foto: Blog do Carlos Britto

Aliado do prefeito de Petrolina Miguel Coelho (MDB), o vereador Alvorlande Cruz (PSL) disse em alto e bom som, na primeira sessão plenária do ano, realizada nesta terça-feira (4) na Casa Plínio Amorim, que as tentativas do líder de oposição Paulo Valgueiro (MDB) em apresentar pedidos de informações que constam no Portal da Transparência são para “fazer mídia” com a imprensa. Valgueiro apresentou hoje um requerimento (004/20) pedindo detalhes dos contratos referentes a obras de pavimentação asfáltica tocadas pela atual gestão, mas a matéria foi derrubada pelos governistas.

Segundo Alvorlande, o líder oposicionista não quer se dar nem ao trabalho de acessar o Portal da Transparência. “Paulo Valgueiro tem entender que cada vereador tem seis assessores aqui na Casa. Mas ele não quer botar os assessores para trabalhar, e quer que a Casa e os funcionários percam tempo para levantar essas informações”, cutucou.

Sobre as declarações de Valgueiro de que o portal é um “labirinto cheio de informações incompletas”, Alvorlande foi categórico: “Paulinho tem que ler. Por que é que eu fico aqui lendo os projetos toda hora? Quando tenho insônia à noite, eu vou ler”.

O governista refutou ainda o argumento de que a ferramenta eletrônica da prefeitura seja inacessível para a maioria dos petrolinenses. “Vão ao interior, na área irrigada, que vocês vão aprender a usar WhatsApp com aqueles meninos. O pessoal tem acesso a tudo”, finalizou.

Após mais um requerimento derrubado, Paulo Valgueiro reforça críticas à “falta de transparência” do Governo Miguel Coelho

0
Foto: Blog do Carlos Britto

Como já era esperado, o líder da bancada de oposição na Casa Plínio Amorim, vereador Paulo Valgueiro (MDB), não conseguiu ver aprovado seu requerimento (004/20), o qual pedia uma série de informações referentes às obras de pavimentação tocadas pela gestão do prefeito de Petrolina, Miguel Coelho. Com maioria no Legislativo, os governistas derrubaram a matéria na primeira sessão plenária do ano, nesta terça (4). “A gente tem visto, desde 2017, o governo que se diz do ‘Novo Tempo’ teimar cada vez mais em não ter transparência”, alfinetou Valgueiro, após a votação.

O líder oposicionista disse que, estranhamente, até mesmo os detalhes da gestão do ex-prefeito Julio Lossio a bancada de situação impede de serem apresentados, uma vez que seu pedido se referia à pavimentação de ruas desde 2016 até o atual momento. O vereador justificou que seu pedido deve-se, entre outros motivos, ao estado em que ficaram algumas ruas pavimentadas após as recentes chuvas ocorridas na cidade.

Valgueiro disse não ter dúvidas que, nesse ano de eleições, a atuação dos governistas para derrubar requerimentos de autoria dele ou de seus colegas de oposição será ainda maior. “Esse é um governo que tem muito mimimi, muito blá blá blá, muita propaganda, mas não tem transparência”, provocou.

Perguntado sobre as declarações do líder governista Aero Cruz, de procurar todas essas informações no Portal de Transparência da prefeitura, Valgueiro foi ainda mais crítico. “A primeira coisa que eles deveriam fazer era tirar o nome ‘transparência’ e deixarem só portal. “Não há um processo que você ache publicado na íntegra e em um lugar só. E isso não é só em relação às licitações (…)é um verdadeiro labirinto feito justamente para as pessoas não encontrarem as informações”, completou.

Matéria atualizada às 16h53

Lideranças locais de legenda recém-liberada pela Justiça Eleitoral promoverão encontro esta noite em Petrolina

2
Foto: Blog do Carlos Britto

Autorizado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) a lançar candidaturas a partir do pleito municipal deste ano, o Partido Unidade Popular pelo Socialismo (UP) promoverá em Petrolina, a partir das 18h30 desta terça-feira (28), um livro sobre a Resolução Política do 1º congresso da legenda. O evento está marcado para a Câmara de Vereadores, Centro da cidade.

Com tendência claramente de esquerda, o UP tem como proposta fundamental “transformar o Brasil e construir o socialismo”. Uma das lideranças locais do partido, Marcelo Pessoa está convidando para o encontro principalmente aqueles que ajudaram a viabilizar a legenda nos últimos dois anos.

Para quem não sabe, a Unidade Popular foi um partido construído diretamente através de movimentos sociais no Brasil. Aqui em Petrolina, especialmente, a gente fez nossa campanha conversando com a população, mão a mão, sabendo das dificuldades, para a gente conseguir nossa legalização”, lembrou. Após 1,2 milhão de apoiadores, o STF aprovou a legitimidade do UP por unanimidade (sete votos). Sob o número 80, a legenda pretende lançar candidatos nas chapas majoritária e proporcional nas eleições municipais – inclusive em Petrolina (mais detalhes pelas próximas horas).

Outra liderança local da nova legenda, Bruno de Melo ressalta que o interesse coletivo pautará todas as discussões do partido, principalmente em relação a candidaturas. “Não teremos caciques”, declarou.

Um ano depois, mãe de jovem brutalmente assassinada em Juazeiro garante: “Vou lutar até o fim por justiça”

0
Alice Rodrigues. (Foto: Reprodução Facebook)

Há exatamente um ano um crime bárbaro abalava a população de Juazeiro (BA). A jovem Alice Rodrigues, de 19 anos, foi encontrada morta a pedradas no Bairro São Geraldo, próximo ao campus local da Uneb. O caso teve um impacto tão forte na cidade que ganhou também repercussão em todo o país através do Jornal Nacional, da Rede Globo. O assassino confesso da vítima é Nilton Gonçalves Soares, 27, um ex-namorado de Alice que não se conformava com o término do relacionamento e o fato dela ter encontrado um novo parceiro.

Um ano depois, a família da moça vive as expectativas de um júri popular, que definirá o destino de Nielton pela monstruosidade que cometeu. Atualmente ele se encontra no Conjunto Penal de Juazeiro (CPJ). Seu advogado, no momento, está recorrendo em última instância – no Superior Tribunal de Justiça, em Brasília, após ter recebido sentença negativa da comarca local e do Tribunal de Justiça da Bahia (TJBA).

Ainda com o coração em pedaços, Cláudia Rodrigues dos Santos (mãe de Alice) acredita que a manobra é para tentar fazer com que o caso caia no esquecimento. Mas ela garante que levará essa luta até o fim. “Queremos justiça, minha filha merece”, desabafou Cláudia a este Blog.

Ela explica que ainda não há uma data para o julgamento de Nielton justamente pelo fato de sua defesa estar recorrendo, mas ela está esperançosa de que isso ocorra em breve. Ao lembrar do fatídico 17 de janeiro de 2019, Cláudia tenta encontrar forças para garantir que o assassino da sua filha pague pelo que fez. “A gente precisa sobreviver, mas é uma dor que não passa”, relatou.

Polícia deve investigar morte de cães em Petrolina

3
Foto: divulgação

A Polícia Civil (PC) de Petrolina deverá investigar a morte de cães ocorrida nas imediações do Hipermercado Makro. O fato foi registrado no último sábado (11). Um dos animais tinha marcas de enforcamento, já que havia uma corda no seu pescoço. O outro cachorrinho morto também tinha marca de agressões.

Idealizadora da Arcapet, uma ONG voltada para a proteção dos animais na cidade, Ana Hélia Barros – mais conhecida por ‘Ana da Recarga’ – não esconde sua revolta. “Tiraram a vida de dois bichinhos que já iam ser castrados para procurarmos um lar para eles”, lamentou.

Ao Blog, ela contou que outro fato semelhante aconteceu na última segunda (13), no mesmo local, mas felizmente dessa vez ela e os demais integrantes da Arcapet conseguiram evitar o pior. “Quando chegamos lá, havia mais dois cães envenenados, mas demos ovo e antitóxico e os salvamos”. Sobre a morte dos dois animais, Ana informou ter feito um Boletim de Ocorrência (BO) na delegacia. “Até a perícia foi”, disse.

Dura realidade

A morte de cães e gatos, segundo Ana da Recarga, já faz parte de uma dura realidade que a Arcapet enfrenta diariamente. Com oito meses de existência e contando atualmente com 45 integrantes, a ONG desenvolve um trabalho abnegado de resgate desses animais, os quais são castrados e colocados em seguida para adoção. Uma castração não sai por menos de R$ 300,00, mas graças a uma parceria com uma clínica veterinária da cidade, esse valor fica pela metade. Além de tirarem do próprio bolso, os voluntários também realizam vários eventos beneficentes para arrecadar recursos destinados a manter a entidade.

Ana já tem ao seu lado um símbolo dessa boa causa. Trata-se de Princesa, uma cadelinha vira-lata que escapou de um fim trágico. “Já me apeguei a ela e não quero que tenha o mesmo fim dos outros”, afirmou.

Foto: divulgação

Punição

Pela Lei dos Crimes ambientais, em seu Artigo 32, “praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos é prevista pena de detenção de três meses a um ano, além de multa”. O Parágrafo 2º ainda reforça que “a pena é aumentada de um sexto a um terço, se ocorre a morte do animal”.

Líder sindical diz que reforma trabalhista ‘uberizou’ serviços no país e tacha Bolsonaro de “fantoche”, mas também admite erros da gestão petista

7

Presidente da Central dos Trabalhadores do Brasil (CTB) e do Sindicato dos Professores da Rede Particular de Pernambuco (Sinpro), Helmilton Bezerra acredita que a reforma trabalhista – aprovada em 2017 – fez o país mergulhar na informalidade do emprego. O sindicalista, que cumpriu ontem (13) em Petrolina uma agenda interna, não escondeu sua preocupação com a atualidade dos números provocados pela reforma.

O Brasil é um país onde a ‘uberização’ do trabalho é uma das maiores do mundo. Temos em torno de 38 milhões de trabalhadores que usam sua moto, bicicleta ou carro, e alguns já estão até mesmo a pé”, alertou.

Segundo Helmilton, essas pessoas são desprovidas de quaisquer tipos de direitos. “É um trabalho sem jornada, sem salário, sem previdência. É uma brutalidade, mas infelizmente essa é a realidade do Brasil hoje”, lamentou.

Helmilton não poupa críticas ao presidente Jair Bolsonaro, o qual considera “um fantoche político” que, enquanto parlamentar sempre votou contra a reforma da Previdência e processo de privatizações além de ser “subserviente” à gestão do norte-americano Donald Trump. “O povo brasileiro tem sentido que o governo não tem um programa econômico definido para gerar empregos, para desenvolver o país. Não tem programa social. Pelo contrário, há um desmonte. E sob o ponto de vista da política internacional, é de submissão aos Estados Unidos. Obviamente que o que preserva Bolsonaro é sua política econômica, alinhada com os grandes interesses do capital”, ressaltou.

Autocrítica

Apesar disso, Helmilton não deixa de fazer uma autocrítica em relação aos governos que apoiou. Ele lembrou da famosa frase proferida pelo então presidente Lula, ao descrever a grave crise econômica que se anunciava na década passada como uma ‘marolinha’. Também afirmou que, mesmo o ex-senador Aécio Neves (PSDB) tendo orquestrado as ‘pautas-bombas’ contra o Governo Dilma, após ser derrotado em 2014 para a petista, que foi reeleita presidente da República, a própria Dilma também queria apresentar reformas sem dialogar com a sociedade, levando ao afastamento das entidades sindicais.

Helmilton destaca que, mesmo após a reeleição, Dilma volta a se alinhar com representantes fortes do capitalismo e traz para pautas temas antipopulares como a desoneração de folhas e a própria reforma previdenciária.

Ele reconhece também que o bloco governista à época nunca conseguiu fazer maioria das bancadas no Congresso Nacional – nem com Lula, nem com Dilma. “Essa maioria seria uma base mais ideológica com PDT, PCdoB, PSB. Nós não conseguimos e tivemos que flertar com o Centro, que é muito oportunista, e não só no mal sentido. A oportunidade do Centro é a oportunidade do poder. Quando a economia ia muito bem, todo mundo era ‘Lulinha paz e amor’, ‘Dilma paz e amor’. Quando vem a crise, aí dizem ‘a gente não vai pagar essa crise’, porque a lógica do capital é sempre ganhar”, ponderou.

Governistas defendem que Miguel Coelho reavalie decisão sobre novo local dos festejos juninos de Petrolina

4
Foto: Blog do Carlos Britto/arquivo

O líder oposicionista Paulo Valgueiro (MDB) não está sozinho nas ressalvas que fez ao novo local para os festejos juninos de Petrolina, já confirmado pelo prefeito Miguel Coelho (MDB) para o antigo Ceape, no KM-2. E não é apenas pelos colegas dele de bancada. Os governistas José Batista da Gama (PDT) e Cícero Freire (PP) também preferem que Miguel reavalie sua decisão sobre o assunto, que vem dando o que falar na cidade.

Na última sessão plenário de 2019, ocorrida na quinta-feira (19), os dois aliados do prefeito deixaram claro que a área do antigo Ceape não é apropriada para realizar os festejos devido a uma série de fatores.

Quando fui secretário, mandei medir a área do Ceape. Só tem 6,5 hectares, metade do que tem o Pátio Ana das Carrancas”, informou Zé Batista. O vereador citou ainda uma pauta elaborada por um grupo de moradores contrários ao novo local contendo mais de 30 possíveis problemas. Um deles, o estacionamento, foi apontado por Zé Batista, como um dos mais sérios. “Não sabemos para onde irão tantos veículos. Vai virar um inferno”, previu o vereador. Ao lembrar ter criado sua família no KM-2, ele também teme questões como a violência. “Na época do Ceape vi gente tentando escapar de levar facada entrando em minha casa, além dos cachaceiros e desordeiros”, afirmou.

Zé Batista acredita que o prefeito, o qual o tem como amigo, vai ser sensível às reivindicações. O mesmo pensa outro governista, Cícero Freire. Ele contou já ter apresentado na Casa Plínio Amorim uma indicação para a prefeitura realizar os festejos juninos numa área por trás da Grande Rio AM. Ele sugeriu inclusive que o município permutasse a área do antigo Ceape. Cícero acredita também que o local anunciado por Miguel seria muito apertado para o evento. “Vamos abrir diálogo com nosso querido prefeito”, pontuou.

Alvorlande Cruz não confirma nem nega que ele e Aero farão campanha para voltar à Casa Plínio Amorim: “Estaremos no mesmo barco”

0
Foto: Blog do Carlos Britto

Reforçando a bancada governista na Casa Plínio Amorim este ano, após a cassação do vereador oposicionista Domingos de Cristália (PSL) determinada pelo Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco (TRE-PE), Alvorlande Cruz (PSL) disse que seu foco é trabalhar pelo “governo de continuidade” de Miguel Coelho (MDB). Ele aproveitou o almoço de confraternização que realizou, juntamente com seu irmão Aero Cruz (PSB), para a imprensa num restaurante da Orla II da cidade, ontem (17), e garantiu não ter a intenção de migrar de legenda.

Mais do que isso, o vereador seria um dos responsáveis por tentar atrair adversários do prefeito para o grupo dos governistas. “Na política você não está tão longe que não possa ficar perto, nem tão perto que não possa ficar longe. Política é dinâmica”, desconversou.

Caso permaneça mesmo no PSL, Alvorlande disse que a meta é tentar fazer o maior número de vereadores possível para dar sustentação a Miguel no Legislativo. “Se o povo acha e está julgando um bom governo (de Miguel), quem é a gente para ir contra o povo? temos de marchar é juntos”, ponderou.

Perguntado se ele e Aero têm condições viáveis de retornarem à Casa Plínio Amorim, já que ambos ficaram na suplência no último pleito, ou se um dos dois abriria mão da candidatura em prol do outro, Alvorlande preferiu não se antecipar aos fatos. “Ninguém vai ceder para ninguém. Nós vamos estar juntos com o povo. Tanto eu quanto Aero vamos estar no mesmo barco, o barco da pujança, da governabilidade, do desenvolvimento, que é o barco de Miguel Coelho. Mas quem tem voto é o povo, é ele quem decide”, ponderou.

Gonzaga Patriota reconhece ações de Miguel Coelho, mas falta gestão “entrar na periferia e na zona rural”

3
Foto: Gabriel dos Anjos/Blog do Carlos Britto

O deputado federal Gonzaga Patriota (PSB) costuma dizer o que pensa e reconhecer o que é certo. Em relação ao terceiro ano do prefeito de Petrolina Miguel Coelho (MDB), o socialista não mudou sua linha. Em entrevista à imprensa, semana passada, ele reconheceu as ações da atual gestão, mas disse que nem tudo são mil maravilhas.

Miguel está fazendo um bocado de coisa. Eu não sou hipócrita nem louco pra dizer que não está. Ora, o  irmão foi ministro, o pai é líder do governo no Senado. É muito dinheiro. Me perguntaram se Gonzaga continua ajudando. A gente tem muitas emendas para Petrolina. Não são muitos milhões, porque não voto a favor do governo, mas eu ajudo. Agora, vai na periferia de Petrolina e pergunta se Miguel já chegou por lá nesses três anos de governo. Vai na zona rural olhar se chegou. Não chegou direito ainda não”, cutucou. Meu partido às vezes fica com raiva de mim porque digo que ele tem feito muito, mas falta fazer muita coisa também”, cutucou.

Sobre novo local dos festejos juninos de Petrolina, Miguel Coelho diz que área é maior e será mais barata que Pátio Ana das Carrancas

9
Foto: Jean Brito

A transferência do local onde os festejos juninos de Petrolina foram realizados por oito anos, no Pátio de Eventos Ana das Carrancas, para uma área do antigo Ceape, no KM-2, está apenas no início de uma polêmica que ainda promete render muito. Na última quinta-feira (12), durante um jantar de confraternização com a imprensa e convidados, num restaurante da Orla II, o prefeito Miguel Coelho colocou molho nessa discussão.

De acordo com o gestor, o novo local é bem maior. “Se você pegar o Pátio Ana das Carrancas, só a área onde fazemos o evento, você tem uma área de 40 mil metros quadrados. A área do Ceape são 56 mil. Estamos indo para um espaço maior para fazer um evento com maior produção, maior conforto, maior segurança para todos os frequentadores que vêm de Petrolina ou das mais variadas cidades”, argumentou.

Miguel lembrou também que em todos os festejos juninos já realizados pela prefeitura, nenhum deles teve o espaço do estacionamento ocupado em área da prefeitura, mas de particulares. “São pessoas que aproveitam o São João para valorizar seu terreno”, frisou. O gestor destacou que, do lado do antigo Ceape, há pelo menos 30 mil metros quadrados de área particular sem nenhuma construção. “Não estamos inventando a roda. Estamos apenas levando o São João do Pátio Ana das Carrancas, que é perto do Aeroporto, onde o Ministério Público e a Infraero não querem mais que a gente faça, para uma área maior”, informou.

Gastos

Outro item que Miguel fez questão de destacar são os gastos que a prefeitura terá com o novo local. Ele assegurou que a gestão vai gastar R$ 2,8 milhões numa área de 56 mil metros quadrados, enquanto seu antecessor gastou mais de R$ 5 milhões no Pátio Ana das Carrancas, que tem 40 mil metros quadrados.