Associação dos Motociclistas do Vale do São Francisco doa ingredientes da feijoada beneficente do Grupo Rarus

 

O Grupo Rarus que apoia famílias de crianças com síndromes raras, ganhou um importante aliado. A entidade organiza para o próximo domingo, 19, uma feijoada beneficente na Casa de Show Zé Matuto e ganhou da Associação dos Motociclistas do Vale do São Francisco, os ingredientes para preparar o prato. A iniciativa do apoio ao evento solidário, veio por meio de um pedido do vereador Aero Cruz (PSB) que agradeceu o apoio.

“Agradeço de coração quem puder ajudar uma iniciativa tão bonita como essa, dessas mães e suas famílias guerreiras. Conversei com amigos da Associação que toparam de cara, ajudar. Meu muito obrigado aos amigos e amigas por essa iniciativa”, frisou Aero.

Petrolina já se prepara para o Moto Chico 2017

Descontração, novidades, máquinas, diversão, gente bonita e muitas atrações. Tudo isso poderá ser conferido no Moto Chico 2017 – Encontro Nacional de Motociclistas do Vale do São Francisco que acontece de 6 a 9 de julho na área externa do Parque Josepha Coelho, em Petrolina.

Este ano o evento entra em sua maioridade, completa 18 anos levando para quem aprecia a emoção de pilotar uma máquinas em duas rodas, as novidades que fazem com que a atração nunca deixe de crescer e atrair expositores de todo o país e de fora também.

Patrões recuam e trabalhadores da hortifruticultura do Vale têm direitos assegurados

Com a decisão, na semana passada, dos trabalhadores rurais da hortifruticultura do Vale do São Francisco em Pernambuco e Bahia de deflagrarem uma greve geral por tempo indeterminado, a classe patronal resolveu recuar. Não mais serão retirados direitos da categoria.

Foram assegurados itens como pagamento das horas in itinere (percurso de casa para o trabalho e vice-versa); remuneração de hora-extra; pagamento de salário no segundo dia útil; e transporte gratuito. Com isso, as entidades representantes da categoria encaminharam, em reunião, na tarde de ontem (22), suspender a greve.

Confederações, Federações e Sindicatos dos trabalhadores dos dois Estados comemoraram, pois além dos direitos assegurados, conquistas importantes foram registradas, a partir do que foi reivindicado na 23ª Campanha Salarial da categoria, iniciada em janeiro deste ano. Entre os avanços destacam-se a reposição integral da inflação, o que significa um piso salarial de R$ 973,07, e a concessão de botas de couro, ao invés das que são utilizadas hoje, em PVC (que trazem prejuízos à saúde) para todos os trabalhadores das fazendas.

 “A greve foi deflagrada com o objetivo de impedir a retirada de direitos assegurados em lei e na convenção. Então, o recuo da classe patronal representou a aceitação do pleito dos trabalhadores, o que motivou a suspensão da paralisação. Essa foi uma grande conquista para os assalariados, que ocorreu a partir de uma forte mobilização das bases, realizada pelos Sindicatos e pelos delegados sindicais. Por isso, o resultado foi muito positivo, até porque avançamos em vários pontos”, avalia o diretor de Assalariados Rurais da Contag, Elias D’Angelo.

O secretário geral da Confederação Nacional dos Trabalhadores Assalariados e Assalariadas Rurais (Contar), Everaldo Nazário Barreto, destacou a importância de os estados tomarem essa decisão de forma conjunta. Foi um posicionamento muito maduro das entidades que representam a categoria, sabendo resistir no momento certo, e também negociar, quando necessário, ponderou.

Campanha Salarial

Dados apontam que mais de 100 mil homens e mulheres atuam nessa área, sendo responsáveis pela produção de diversas culturas, que são comercializadas dentro e fora do país, promovendo o desenvolvimento da região. A última greve da categoria ocorreu há 13 anos.

A 23ª Campanha Salarial 2016/2017 dos Trabalhadores da Hortifruticultura Irrigada do Vale do São Francisco em Pernambuco e Bahia conta com a participação de Sindicatos dos Trabalhadores Rurais (STRs) de Belém do São Francisco, Inajá, Petrolina, Santa Maria da Boa Vista e Lagoa Grande (em Pernambuco); e de Abaré, Curaçá, Juazeiro, Sento Sé e Sobradinho (na Bahia); Federação dos Trabalhadores e das Trabalhadoras Assalariados Rurais de Pernambuco (Fetaepe); e Federações dos Trabalhadores Rurais na Agricultura do Estado de Pernambuco (Fetape) e da Bahia (Fetag-BA), com o apoio da Contar, Contag, CUT, CTB e Dieese. (foto/Ascom)

Trabalhadores rurais do Vale do São Francisco podem deflagrar greve geral

Os mais de 100 mil trabalhadores da hortifruticultura irrigada do Vale do São Francisco estão, desde a manhã de ontem (15), em estado de greve. A decisão foi tomada na terça (14), durante uma reunião entre os Sindicatos dos Trabalhadores Rurais de Pernambuco e Bahia, a Federação dos Trabalhadores e das Trabalhadoras Assalariados Rurais de Pernambuco (Fetaepe) e as Federações de Trabalhadores na Agricultura dos dois estados (Fetape e Fetag-BA), depois de vários dias de escuta da categoria, em seus locais de trabalho.

Após 13 anos da última greve do segmento, os trabalhadores avaliaram que é impossível continuar a negociação com os empresários, que, durante seis reuniões entre as partes, só apresentaram propostas de retirada de direitos.

O Sindicato Patronal já foi comunicado oficialmente da decisão dos trabalhadores rurais, que vão esperar o prazo legal de 48 horas para darem início à paralisação. Entre as reivindicações da categoria estão o piso salarial unificado de R$ 987,00, cesta básica e reajuste de 10% para quem recebe salário acima do piso da categoria.

Porém, ao invés de buscar tratar de avanços, a classe patronal só tem apresentado propostas que colocam em risco direitos assegurados pela Lei e pela Convenção Coletiva de Trabalho (CCT), em anos anteriores.  Entre os pontos expostos pelos empresários estão: o fim do direito do pagamento das horas in itinere (deslocamento dos funcionários ao trabalho); fim da remuneração de hora extra (sugerem a criação de banco de horas); fim dos 45 dias de estabilidade após a data base da CCT; e pagamento do transporte pelo trabalhador.

Negociações

As negociações da 23ª Campanha Salarial 2016/2017 da categoria no Vale do São Francisco (Pernambuco e Bahia), que foi iniciada no mês de janeiro, conta com a participação de Sindicatos dos Trabalhadores Rurais de Belém do São Francisco, Inajá, Petrolina, Santa Maria da Boa Vista e Lagoa Grande (em Pernambuco); e de Abaré, Curaçá, Juazeiro, Sento Sé e Sobradinho (na Bahia); além de Fetaepe, Fetape e Fetag-BA, com o apoio da Contar, Contag, Cut e Dieese. As informações são da assessoria da Fetape. (foto/divulgação)

Mais de dois mil produtores de áreas irrigadas no Vale do São Francisco têm dívidas renegociadas por Ministério e Codevasf

As novas regras operacionais para que produtores rurais de projetos públicos irrigados sob gestão da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) e do Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs) renegociem suas dívidas foram fixadas nesta segunda-feira (13), pelo ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho, durante uma agenda de trabalho em Petrolina, da qual também participou a presidente da Codevasf, Kênia Marcelino.

Os débitos contemplados na portaria assinada em Petrolina pelo ministro são relativos a vendas de lotes para titulação e uso de infraestrutura de irrigação, conhecidas como K1. A medida beneficia cerca de 12 mil agricultores atingidos pela seca prolongada em regiões do semiárido, sendo mais de 10 mil produtores em projetos irrigados da Codevasf. O documento regulamenta o artigo 13 da Lei 13.340, de 28 de setembro de 2016.

“Hoje damos mais um passo para garantir a adimplência do produtor rural, para que ele possa ter preservado aquilo que é mais valioso, que é ter seu nome limpo e, dessa forma, possa continuar trabalhando com afinco para fazer o Nordeste e o Brasil crescerem”, destacou o ministro Helder Barbalho.

“É com orgulho que estamos aqui divulgando essa boa notícia para os mais de 2,3 mil produtores que serão beneficiados pela ação nos perímetros irrigados geridos pela Codevasf em Petrolina”, afirmou a presidente da Codevasf, Kênia Marcelino, durante visita ao Perímetro de Irrigação Senador Nilo Coelho. “A partir da próxima quinta-feira (16), todos os irrigantes já podem comparecer às superintendências regionais para fazer os cálculos dos seus débitos e, assim, poderem voltar a investir em suas lavouras”, completou Kênia.

Renegociação

A renegociação é válida para parcelas de dívidas vencidas entre 31 de dezembro de 2006 e 31 de dezembro de 2011. Os pagamentos poderão ser quitados até 29 de dezembro de 2017 e os descontos variam de 15% a 95%, considerando o período do débito. “É uma vitória para todos os produtores familiares do projeto porque agora terão mais tempo para renegociar e quitar seus débitos. É uma alegria enorme”, comemorou Cassiano Souza, produtor de uva e manga no N-11 do Nilo Coelho. (Foto: Ascom Codevasf e MIN)

Mosca da fruta deixa produtores do Vale do São Francisco em alerta

frutas-doentesOs produtores do Vale do São Francisco es­­tão preocupados com a chegada do verão. As altas temperaturas podem aumentar os índices de infestação da mosca da fruta nos pomares. Os insetos são verdadeiros vilões e podem trazer prejuízos para as exportações, se não forem devidamente monitorados. Pernambuco, através de Petrolina, tem se destacado na exportação de frutas no Brasil, responsável por produzir 90% de toda manga in natura e 95% de uva de mesa do País. As frutas são destinadas a mercados exigentes, como Japão e países da Europa. (mais…)

Coreia do Sul comprará manga do Vale do São Francisco

sul-coreanos-petrolina

Uma comitiva de asiáticos iniciou em Petrolina, ontem (24), o processo de exportação de manga do Vale do São Francisco para a Coreia do Sul. Presentes no município desde a última quarta-feira (23), os cinco sul-coreanos, tendo à frente o diretor de cooperação internacional, Joo Seok Min, visitaram algumas fazendas produtoras de frutas e vinícolas da região.

Na Associação dos Produtores e Exportadores de Hortigranjeiros e Derivados do Vale do São Francisco (Valexport), os asiáticos receberam informações atualizadas sobre o processo produtivo e os números do Vale, que responde hoje por 95% da manga e 99,7% da uva exportada no Brasil. Os maiores mercados das frutas do Vale são o europeu, americano, japonês e o Mercosul.

De acordo com o gerente executivo da Valexport, Tássio Lustoza, os sul-coreanos estiveram na região em 2012, quando apresentaram interesse em fazer negócios com os produtores de frutas.  “De lá para cá fomos estreitando o relacionamento, que culminou com um acordo bilateral entre os países, assinado na última terça-feira (22) em Petrolina pelo ministro da Agricultura, Blairo Maggi”, adiantou Lustoza, lembrando que a Coreia do Sul tem uma população de 50,22 milhões de pessoas e consome atualmente 10 mil toneladas de manga por ano.

Segundo o diretor de marketing da Valexport, Caio Coelho, os primeiros embarques de manga para a Coreia do Sul já devem ocorrer em meados do ano que vem. “Temos uma região forte na geração de emprego e renda, que obedece criteriosamente as certificações internacionais e produz as melhores e mais saudáveis frutas do mundo. Os sul-coreanos já provaram e vão contar muito em breve com nossas delícias em suas mesas”, concluiu Caio. (fonte/foto: CLAS Comunicação)

Ministro da Agricultura visitará Vale do São Francisco na próxima terça-feira

blairo-maggi-com-fbc-miguel-e-fernando-filho

O ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi, estará em Petrolina na próxima terça-feira (22) para ouvir as demandas dos produtores agrícolas e conhecer de perto o cenário hídrico da região. O encontro acontecerá às 16h na Valexport (Associação dos Produtores e Exportadores de Hortigranjeiros e Derivados do Vale do São Francisco) e vai contar com as presenças do ministro de Minas e Energia, Fernando Filho (PSB), do senador Fernando Bezerra Coelho (PSB) e do prefeito eleito de Petrolina, Miguel Coelho (PSB), que idealizou a visita.

A comitiva de Blairo Maggi – um dos maiores produtores e exportadores de soja do país – chegará ao Aeroporto Internacional Senador Nilo Coelho às 9h e segue para a zona rural do município, onde conhecerá o processo de industrialização de sucos de frutas na fazenda Timbaúba Agrícola.

Depois, o ministro visitará, às 11h40, os criatórios de ovinos de corte, pomares de mangas e uvas e a indústria de suco de uva integral das fazendas Grand Valle e Fortaleza, às margens do lago de Sobradinho, no norte da Bahia. A parada seguinte é na vinícola Ouro Verde, em Casa Nova, na mesma região, onde a comitiva almoça e confere o processo de produção dos vinhos e espumantes da marca Miolo.

A visita ministerial continua a partir das 14h50, já de volta a Petrolina, com uma parada na fazenda Agrobras, onde Maggi verá de perto o processo de embalagem das frutas em um moderno packing house. De acordo com o diretor de marketing da Valexport, Caio Coelho, o ministro vem à região num momento. “Além de mostrarmos nosso potencial e perspectivas vamos chamar atenção do Ministério da Agricultura para as necessidades mais urgentes e os problemas que comprometem hoje o setor produtivo e exportador de frutas do Vale do São Francisco”, concluiu Caio Coelho. (fonte/foto CLAS Comunicação)

Artigo do leitor: “Donald Trump, o Brasil e o Vale do São Francisco”

pedro-netoA vitória do bilionário Donald Trump para a Presidência dos Estados Unidos, semana passada, deve ser vista com cautela, sobretudo para os exportadores de frutas do Vale do São Francisco. A análise é do empresário Pedro Neto (foto), que nos enviou este artigo sobre o assunto.

Confiram:

O mundo acordou surpreso na ultima quarta feira (09), com a eleição do 45º presidente americano eleito, o Republicano Donald Trump.

A vitória que parecia improvável se confirmou. E qual o reflexo da escolha de Trump para o Brasil e a região do Vale do São Francisco? A perplexidade do mercado diante da vitória de Donald Trump levou as bolsas a caírem pelo mundo e o dólar a subir.

Historicamente, nossas relações comerciais com Republicanos são melhores porque eles são menos intervencionistas, e isso ganha força com o perfil do novo presidente eleito, que é um empresário e homem de negócios.

É preciso ficar atento para a imprevisibilidade da política externa americana no futuro, pois poderemos ter dificuldades no setor de exportações, caso o presidente mantenha na pratica uma postura “protecionista” dos produtos norte-americanos, como prometeu durante a campanha. Aqui em nossa região, nosso produto para eles é alimento, na medida em que não tem escala de produção e qualidade. Por conseguinte, não há uma competição.

Cerca de 85% da exportação da manga nacional sai do Vale do são Francisco, sendo que 22% de toda produção de desloca para o mercado externo. Os EUA são o segundo maior destino do nosso produto, com 25% de participação, ficando atrás da Europa, com 70%, restando 5% para o mercado asiático.

Em curto prazo no mercado externo seremos muito mais afetados, caso a PEC 55 dos Gastos não passe no Senado, do que a própria eleição do presidente norte-americano. Especialistas têm afirmado, inclusive, que a eleição de Trump não deve alterar significativamente a tendência de queda da taxa de juros (Selic) no Brasil, mas pode fazer com que essa queda se torne menos rápida.

No momento, o mercado se estressa e reajusta preços, entre outras oscilações. “Treino é treino e jogo é jogo”. E o jogo por aqui já está sendo jogado, enquanto lá o juiz dará o apito inicial. Voltemos nossa atenção para casa, e com tranquilidade aguardemos.

Pedro Neto/Empresário, Administrador de empresas e Especialista em Gestões Empresarial, de Finanças e de Obras

Vale do São Francisco terá pela primeira vez audição que selecionará bailarinos para renomada escola norte-americana

audicao-balletPela primeira vez o Vale do São Francisco realizará uma audição que faz parte de uma seleção mundial do American Academy of  Ballet, de Nova York (EUA).  O evento acontecerá em Petrolina e irá selecionar alunos para o Summer Schooll of Excellence 2017, que  irá acontecer de junho a agosto do ano que vem, na cidade norte-americana.

A audição vem através da bailarina Vitória Almeida, que  hoje trabalha  para o  AAB no Brasil, viajando por várias capitais  fazendo audições junto com o diretor-executivo, Laurence Kaplan.

O American Academy of Ballet de Nova York realiza todos os anos um curso de férias, tendo em seu corpo docente grandes nomes do ballet mundial, com  professores da ópera de Paris, Bolshoi Rússia, American Ballet  Theater, Vaganova School (entre outras).  O curso reúne mais de 600 alunos, de mais de 20 países.

Em Petrolina a audição acontecerá na Escola de Ballet Valdete Cezar, no próximo dia  29 de outubro, das 14h as 17h30. As inscrições já estão abertas  pelo e-mail audição.aab@gmail.com, para alunos de 11 a 23  anos de toda região, com a possibilidade de ganhar bolsa de  estudos. A inscrição custa R$ 100,00. As vagas são limitadas.

(c) 2015 Blog do Carlos Britto | produzido por proximavenda.com.br