Vacinação contra a gripe ainda não atingiu meta e preocupa Secretaria de Saúde de PE

A Secretaria de Saúde do Estado está preocupada com o pouco comparecimento dos pernambucanos aos postos e unidades de saúde para serem imunizados contra as influenzas A (H1N1), A (H3N2). A campanha segue até 26 de maio, mas somente 46% do público alvo da campanha foi atingido.

Vale lembrar que quem tomou a vacina em campanhas realizadas em anos anteriores deve voltar aos postos para ser imunizado, pois a validade é só de um ano. Cerca de 1,5 milhão de pessoas ainda devem ser protegidas. Os pernambucanos podem procurar a vacina num dos mais de 5 mil postos de vacinação espalhados em todos o estado.

O público-alvo da campanha contra a gripe deste ano são idosos a partir dos 60 anos, crianças entre 6 meses e menos de cinco anos, profissionais de saúde, portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais, adolescentes e jovens entre 12 e 21 anos sob medidas socioeducativas, população privada de liberdade e funcionários do sistema prisional, professores, gestantes os mulheres até 45 dias após o parto e povos indígenas.

Quem estiver gripado, mas sem febre, pode tomar a dose. A vacina contra a influenza é contra-indicada apenas para quem é alérgico a ovo ou teve reação alérgica grave ao tomar a vacina, que é gratuita.

 

Vacina contra a gripe estará disponível em Petrolina a partir de segunda-feira

Começa na próxima segunda-feira (17), em Petrolina, a Campanha Nacional de Vacinação Contra Influenza. Para a realização da campanha a Secretaria de Saúde do município encerrou, nesta quarta-feira (12), um treinamento com cerca de 100 profissionais que realizarão o procedimento nas unidades básicas.

Segundo a coordenadora do Programa Municipal de Imunização (PMI), Alexsandra Santos, os profissionais tiveram todas as informações sobre a vacina, datas e público-alvo. “Na primeira semana, vamos ofertar apenas para os profissionais de saúde das redes pública e privada. É importante lembrar que é necessário apresentar um comprovante de vínculo, que pode ser a carteira de classe, portaria, crachá ou contracheque. A meta é vacinar pelo menos 90% de cada grupo prioritário. Não sabemos ainda a quantidade de vacina que será destinada para o município, porém, essas doses vão vir fragmentadas, ou seja, toda semana receberemos um quantitativo”, explicou.

A partir do dia 24 de abril, a vacinação será para o público-alvo da campanha – formado pelas crianças de seis meses a menores de cinco anos, gestantes, puérperas, idosos maiores de 60 anos, indivíduos de 12 a 21 anos de idade sob medidas socioeducativas, população privada de liberdade e funcionários do sistema prisional, pessoas portadoras de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais (comorbidades) e professores das redes pública e privada.

A coordenadora ainda orientou sobre os mitos e verdades em relação a vacina. “Existe uma recomendação para quem tem alergia a ovo. Porém, é importante reforçar que quem tem algum tipo de alergia, informe à técnica da unidade. Já em relação a adoecimento, principalmente de gripe após a vacina, não existe nenhuma relação, é apenas uma coincidência”, esclareceu. A vacina garante proteção contra três tipos de vírus (H1N1, H3N2 e B) e estará disponível em todas as unidades de saúde da família. O Dia D da vacinação contra a gripe acontecerá em 13 de maio.

Ministério da Saúde antecipa campanha de vacinação nacional contra a gripe

 

Com casos de gripe fora do período no País, o Ministério da Saúde resolveu antecipar a campanha nacional de vacinação contra a gripe. A antecipação será para 10 de abril com a vacina atendendo os profissionais de saúde e 17 de abril para o público alvo. Ano passado a campanha iniciou no dia 30 de abril. A vacina deste ano incluirá também como público alvo professores da rede básica e do ensino superior de instituições públicas e privadas.

A vacina contra a gripe é destinada ainda a idosos acima de 60 anos, crianças até cinco anos de idade, gestantes, povo indígenas, portadores de doenças crônicas, adolescentes entre 12 e 21 anos que cumprem medidas socioeducativas, presos e funcionários do sistema prisional.

O Ministério da Saúde também vai antecipar o envio das vacinas aos estados onde os casos de gripe fora de época já preocupam.

Moradores reclamam de falta de vacina contra HPV em AME do Ouro Preto; Secretaria de Saúde justifica

Quem procurou a unidade de Atendimento Multiprofissional Especializado (AME) do Bairro Ouro Preto, na zona oeste de Petrolina, recebeu uma notícia que não gostaria: está faltando vacina contra o Papilomavírus Humano (HPV), destinada a imunizar pré-adolescentes do sexo feminino e masculino.

Informações de alguns pais ao Blog dão conta de que não haveria uma previsão de quando uma nova remessa das doses chegaria à unidade. Em contato com a assessoria de comunicação da Secretaria de Saúde, no entanto, fomos informados que a distribuição da vacina começou desde a última quinta-feira (9). “O órgão afirma que até amanhã (15) todas as unidades estarão abastecidas”, diz a Secretaria.

O público-alvo da vacina contra o HPV são meninos com idades entre 12 e 13 anos, e meninas dos nove aos 14. No caso dos garotos, o objetivo é prevenir esse público contra câncer de pênis e lesões pré-cancerosas. Recebendo a vacina, eles colaboram para a redução dos índices de câncer de colo nas mulheres, doença que causa morte, já que é a população masculina a responsável pela transmissão do HPV. Mas as meninas também são imunizadas contra o câncer de colo, por meio da mesma vacina.

Petrolina recebe reforço de vacina contra febre amarela, mas Secretaria de Saúde descarta risco da doença na cidade

Petrolina já passa a contar com a vacina contra a febre amarela. Estão sendo disponibilizadas 400 doses, que chegaram na última quarta-feira (8) e, após a contabilização, estão sendo liberadas para a população. O município tem duas Unidades de Saúde de Referência para vacinação contra febre amarela: AME Amália Granja, localizada no Bairro Vila Mocó (nas imediações do Parque Josepha Coelho), área central, e a AME Roza Maria Ribeiro, no Bairro Gercino Coelho, zona leste (próximo ao terminal rodoviário).

A Secretaria de Saúde assegura, no entanto, que Petrolina não está na zona de risco da doença – já que, após o surto da febre amarela em algumas regiões, aumentou consideravelmente a procura pela vacina no município.

A vacinação é feita apenas para quem pretende viajar para regiões consideradas de risco da doença pelo Ministério da Saúde. É importante tomar a vacina dez dias antes da viagem. Para receber a dose, as pessoas devem ir às unidades de saúde de referência e apresentar o comprovante de viagem, que pode ser o tíquete da companhia de transporte aéreo ou terrestre.

No calendário de vacinação, a dose deve ser aplicada em crianças a partir dos nove meses de vida, com reforço após os 10 anos. A vacinação não é indicada para gestante e mulheres em fase de amamentação. Também não podem ser vacinadas pessoas com doenças autoimunes, como Aids e Lúpus. Nas AMES de referência, a vacinação contra febre amarela começa a ser aplicada a partir das 10h e segue até às 17h, de segunda a sexta-feira. (fonte/foto: Ascom PMP/divulgação)

Secretaria de Saúde vai reforçar vacina contra caxumba em Pernambuco

Desde 2015, aumento de surtos de caxumba veem sendo observado em todo país, sendo o Sul e o Sudeste as regiões que apresentam maior número de caso. Em Pernambuco, o registro da doença teve início em maio do ano passado, totalizando, ao longo do último ano, 76 surtos que envolveram 836 casos. Como medida preventiva contra a doença, a Secretaria Estadual de Saúde (SES) reforça importância da vacinação e afirma que novos casos devem ser notificados obrigatoriamente ao Estado.

Segundo o diretor geral de Controle de Doenças e Agravos da SES, George Dimech, quanto mais rápida a comunicação, mais efetiva serão as medidas adotados pelos municípios. A principal forma de proteção é feita através da vacina tríplice viral, que fornece proteção também contra rubéola e sarampo.

De acordo com o calendário de vacinação brasileiro, ela deve ser aplicada nas crianças aos 12 meses. Após essa dose, é feito um reforço aos 15 meses com a tetra viral (sarampo, caxumba, rubéola e varicela). Para as crianças acima de 2 anos que não foram vacinadas aos 12 meses e adultos entre 20 e 29 anos não imunizados é indicado aplicar a vacina em duas etapas, com intervalo de 30 dias entre elas.

Sintomas

A doença viral é caracterizada por febre e aumento das glândulas salivares, podendo oo não apresentar dores musculares, anorexia, dor de cabeça, mal-estar, dor à mastigação e dificuldade de engolir. Para seu tratamento não há nada específico, indica-se apenas repouso e observação para o surgimento de complicações. Havendo evolução da doença, ela pode provocar, no caso dos homens, inflamação nos testículos e nas mulheres inflamações do ovário e da glândula mamária. A transmissão ocorre pelo contato com as secreções respiratórias (gotículas de saliva, espirro, tosse) com um indivíduo infectado, mesmo quando assintomático. O período de transmissibilidade da caxumba começa uma semana antes e vai até nove dias após o aparecimento da inflamação nas glândulas salivares. (fonte: Diário de PE/foto reprodução)

Vacina contra o HPV beneficiará mais de 174 mil meninos em Pernambuco

Implantada na rotina do Calendário Nacional de Vacinação desde 2014, a vacina contra o HPV estava sendo disponibilizada apenas para meninas entre 9 e 13 anos. A partir de janeiro, os meninos de 12 e 13 anos também foram incluídos no esquema. Em Pernambuco, poderão ser imunizados 174.670 garotos. A meta é atingir, pelo menos, 80% do público total e deixá-los protegidos contra diversos tipos de cânceres que estão diretamente relacionados ao HPV.

A vacina protege contra quatro subtipos mais frequentes do vírus HPV (6, 11, 16 e 18). Para completar o esquema, é preciso tomar duas doses da vacina, com intervalo de 6 meses entre elas. Os postos de saúde também vacinarão meninos e jovens de 9 a 26 anos vivendo com HIV/Aids, totalizando 4.767 pessoas de ambos os sexos. Nesse caso, serão três doses com intervalo de dois e seis meses após a primeira dose. Além disso, meninas de 10 a 14 anos que não se vacinaram ou tomaram apenas a primeira dose em 2016 também devem procurar os postos.

De acordo com informações do Ministério da Saúde, a vacina contra o HPV protege os meninos contra os cânceres de pênis, garganta e ânus, doenças que estão diretamente relacionadas ao HPV.  A definição da faixa-etária para a vacinação visa a proteger as crianças antes do início da vida sexual e, portanto, antes do contato com o vírus. Já no caso das meninas, a proteção se dá para os cânceres de colo do útero, vulva, vaginal e anal; lesões pré-cancerosas; verrugas genitais e infecções causadas pelo vírus.

Meningite

O Calendário Nacional de Vacinação também passa a incluir a vacina contra a meningite C como reforço ou dose única para garotos e garotas de 12 e 13 anos. A vacina já é disponibilizada aos três meses, aos cinco meses e reforço aos 12 meses, podendo se estender até os 4 anos.

Vacina contra HPV será oferecida para meninos a partir deste ano

A partir deste mês, a rede pública de saúde vai passar a oferecer a vacina contra o HPV para meninos de 12 a 13 anos como parte do Calendário Nacional de Vacinação. A faixa etária, de acordo com o Ministério da Saúde, será ampliada gradativamente até 2020, período em que serão incluídos meninos de 9 a 13 anos.

A expectativa da pasta é imunizar mais de 3,6 milhões de meninos este ano, além de 99,5 mil crianças e jovens de 9 a 26 anos que vivem com HIV/aids no Brasil. Serão adquiriras, ao todo, 6 milhões de doses ao custo de R$ 288,4 milhões.

De acordo com o governo federal, o Brasil é o primeiro país da América Latina e o sétimo no mundo a oferecer a vacina contra o HPV para meninos em programas nacionais de imunização. Estados Unidos, Austrália, Áustria, Israel, Porto Rico e Panamá já fazem a distribuição da dose para adolescentes do sexo masculino.

Duas doses

O esquema vacinal contra o HPV para meninos será de duas doses, com seis meses de intervalo entre elas. Já para os que vivem com HIV, o esquema vacinal é de três doses, com intervalo de dois e seis meses, respectivamente. Nesses casos, é necessário apresentar prescrição médica.

A doença

HPV é a sigla em inglês para papiloma vírus humano, capazes de infectar a pele ou as mucosas. Existem mais de 150 tipos, sendo que cerca de 40 podem infectar o trato ano-genital. A infecção é muito frequente, mas transitória, regredindo espontaneamente na maioria das vezes.

No pequeno número de casos nos quais a infecção persiste, pode ocorrer o desenvolvimento de lesões precursoras que, se não forem identificadas e tratadas, podem progredir para o câncer, principalmente no colo do útero, mas também na vagina, vulva, ânus, pênis, orofaringe e boca. Pelo menos 13 tipos de HPV são considerados oncogênicos, apresentando maior risco ou probabilidade de provocar infecções persistentes e estar associados a lesões precursoras. Dentre eles, os tipos 16 e 18 estão presentes em 70% dos casos de câncer do colo do útero. (Fonte/foto: Agência Brasil)

Comunitária não consegue vacinar seu filho em unidade de saúde da Cohab VI e solta o verbo

vacina BCGRevoltada por não ter conseguido que seu filho fosse vacinado na unidade de saúde do Bairro Cohab VI (Rio Corrente), zona oeste de Petrolina, uma comunitária criticou o fato de não ter sido atendida, apesar de ter procurado o posto no horário previsto de atendimento. Confiram:

Olá, boa tarde.

Sou moradora do Bairro Cohab VI, e venho através dessa mensagem mostrar minha indignação quanto à unidade de saúde do bairro, que encontra- se, digamos, abandonada. Fui levar meu filho pra tomar vacina, e ao bater na porta fui informada que o atendimento só seria possível a partir das 14h.

Porém havia um aviso na porta contendo o horário pela manhã, até 11h30, e eram 11h25, mas não atenderam. E o pior: havia pessoas na sala, batendo papo, pois do lado de fora dava para ouvir os risos. É lamentável uma situação dessa!

Gostaria que esse fato fosse publicado no Blog. Obrigada.

Primeiros testes de vacina contra dengue serão realizados em Pernambuco

dengue_274x200Os testes em humanos da primeira vacina brasileira contra a dengue vão ser realizados em Pernambuco, coordenados pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). O lançamento ocorreu hoje (20) na sede da instituição. Cerca de 1,2 mil pessoas vão ser selecionadas para a terceira fase do estudo, que durará cinco anos.

Essa etapa de testes envolve 17 mil voluntários em 13 cidades nas cinco regiões do Brasil. De acordo com a Fiocruz os testes já estão em andamento em Manaus (AM), Boa Vista (RR), Porto Velho (RO), em três centros no estado de São Paulo, em Fortaleza (CE), Aracaju (SE), Porto Alegre (RS), Campo Grande (MS) e Cuiabá (MT).

A vacina, desenvolvida pelo Instituto Butantã (SP), é feita do vírus vivo, mas enfraquecido. A intenção é que a substância proteja contra os quatro tipos do vírus da dengue.

O objetivo dos testes é comprovar a eficácia da vacina. Para isso, dois terços dos participantes receberão a vacina, e o restante terá acesso a uma substância com as mesmas características da vacina, mas sem efeito – o chamado efeito placebo.

Recrutamento

No Recife, o recrutamento dos voluntários ocorrerá por sorteio, no bairro de Engenho do Meio, zona oeste do Recife, que fica próximo ao centro de pesquisas. Poderão participar dos testes pessoas saudáveis, que tiveram ou não dengue, com idade entre 2 a 59 anos. Durante o estudo os selecionados serão acompanhados por uma equipe de saúde para verificar a duração da proteção oferecida pela vacina. Primeiro serão vacinadas pessoas com idade entre 18 e 59 anos, em seguida os que têm entre 7 e 17 e, por último, os de 2 a 6 anos.

A vacina é desenvolvida desde 2008, fruto de parceria entre o Instituto Butantã e o National Institutes of Health (NIH), dos Estados Unidos, que já estudava o insumo. Testes anteriores foram realizados em 900 pessoas: 600 na primeira fase de testes clínicos, realizada nos Estados Unidos pelo NIH, e 300 na segunda etapa, realizada na cidade de São Paulo em parceria com a Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) e com o Instituto Adolfo Lutz. (fonte: Agência Brasil)

(c) 2015 Blog do Carlos Britto | produzido por proximavenda.com.br