Jornalista e cantora Sibelle Fonseca completa mais um aniversário com show ‘entre amigos’

Sublimar o aprendizado em versos e as perdas e ganhos em música boa para os ouvidos. Tem sido assim os quereres e o caminhar da jornalista e cantora Sibelle Fonseca, que fará no próximo 28 (sexta), às 21h, no Restaurante Alquidá, em Juazeiro (BA), o show ‘Só 50…Cantando entre amigos’.

A apresentação, que conta com as participações especiais de Andrezza Santos, Euri Mania (P1 Rappers), Paulo César Carvalho e Alan Cleber, mostra a trajetória da artista juazeirense, que chegou aos 50 anos absorvendo tudo que pode e querendo mais 50 para começar tudo de novo.

Sob direção musical de Soneca Martins, Sibelle Fonseca preparou um repertório que vai mexer com a memória afetiva de muita gente. Um passeio intimista por estilos como a bossa nova, samba-rock, pop e boleros. Tudo com a leveza, emoção, afinação, ritmo e técnica desta cantora que ganhou na década de 1990 o Festival Som das Margens do Sol, como melhor intérprete com a canção ‘Quanto Tempo’, de Edésio Santos.

O show está pronto e vai ser lindo, e eu agora estou ensaiando o controle da emoção, porque ela vai tomar o palco e os corações de quem for para esta celebração de amizade e de uma vida que traz em si ‘a dor e a delícia’ de ser mulher aos 50”, adianta a interprete, entre risos e a constatação de que cantar é sua aventura mais gostosa. Suas apresentações mais recentes, em Juazeiro, foram nos shows ‘Sem talvez’, em 2014, e ‘Porque sim’, em 2004.

Carreira profissional

Além de cantora, Sibelle Fonseca também é jornalista, radialista, pedagoga e pós-graduada em comunicação organizacional e novas tecnologias pela Universidade Tiradentes (Unit). Iniciou sua carreira como apresentadora, repórter e editora da antiga TV Norte (hoje TV São Francisco), em Juazeiro – BA. Atualmente atua no portal de notícias Preto no Branco, que em maio próximo agregará o Programa ‘Palavra de Mulher’, através de Rádio Web, além de prestar assessoria de comunicação através da empresa Contexto, da qual é sócia. (fonte/foto: CLAS Comunicação)

Projeto musical da jornalista e cantora Sibelle Fonseca terá Paulo César como primeiro convidado

sibelle e paulo césar - minha voz sua vozO espaço do Cais do Porto, no bairro Angari, em Juazeiro (BA), ficará pequeno no próximo dia 18 de setembro para a apresentação do show “Minha Voz, Sua Voz”, da jornalista e cantora Sibelle Fonseca. Este será o primeiro de uma série de quatro shows em que Sibelle Fonseca dividirá o palco com convidados especiais – a começar pelo músico Paulo César Andrade. O evento terá início às 22h.

Paulo César, que lançou recentemente seu CD de estreia, é conhecido na região por interpretar canções ao melhor estilo da MPB. O show terá aproximadamente duas horas, com uma banda formada por sete músicos, sob a direção musical do maestro Soneca, quando os dois artistas interpretarão canções juntos e em solo. O projeto conta com a direção geral de Anderson Motta.

Repertório

O repertório passeia por canções românticas, boleros, sambas e vários outros estilos, sempre interpretados de uma forma muito original, com nova roupagem, pelos dois comunicadores, que colocam muita emoção quando assumem também o posto de cantores. As reservas de mesa podem ser feitas pelos telefones (74) 8847-3422/8833-5270, ou no Salão Adonilson Souza. (foto/divulgação)

Moradora corta árvore em tradicional bairro de Juazeiro e deixa jornalista indignada

árvores cortadaMoradora da Rua Tiradentes, no bairro Santo Antônio, em Juazeiro (BA), a jornalista e radialista Sibelle Fonseca mostrou-se indignada após ver que uma árvore de mais de 50 anos foi “destruída” para evitar que carros fossem estacionados nas imediações de uma determinada residência da via pública.

Através das redes sociais, Sibelle, que não tem papas na língua, disse não saber definir se é “ignorância, insensibilidade ou falta de princípios”, e questionou os órgãos de fiscalização do município sobre esse tipo de prática, considerada crime ambiental.

Acompanhem o desabafo da jornalista:

Sinceramente não sei se defino como ignorância, insensibilidade, falta de princípios cidadãos ou não sei o que. A imagem sempre fala mais que palavras. Aí está a ação perversa de uma moradora da Rua Tiradentes (onde resido) que, por conta e riscos próprios, destruiu uma árvore frondosa de mais de 50 anos, para evitar que carros fossem estacionados na “sua” porta. Não tem noção do que é público e do que é privado. Não tem noção alguma. Precisamos arborizar a cidade. Árvores amenizam o clima quente. O mundo precisa de verde. Mas o mundo dos donos do mundo é o próprio umbigo. Atenção, órgãos de fiscalização e ambientais, isso é crime ambiental, não é? Para todo crime, há uma pena, não é? Então tomem uma atitude e punam exemplarmente. Isso não pode ficar assim. É a certeza da impunidade que motiva atos deste tipo. Aqui, esperando por vocês.

Sibelle Fonseca/Jornalista

Jornalista e radialista Sibelle Fonseca interpretará canções de grandes nomes da MPB

SibelleA noite da próxima sexta-feira (23) promete ser inesquecível para os amantes da boa e velha MPB, mas também para a própria protagonista. O show ‘Sem Talvez’ terá a jornalista e radialista Sibelle Fonseca, que há dez anos estava fora dos palcos da cidade.

O evento  acontecerá a partir das 21h, no restaurante e pizzaria Cais do Porto, no tradicional bairro Angari, em Juazeiro (BA).

Nesse novo trabalho, Sibelle mostra toda a versatilidade mesclada a emoções, afinações, ritmos e técnicas na interpretação de canções de nomes como Arnaldo Antunes, Chico Buarque, Ney Matogrosso e João Bosco.

O show, que tem direção musical de Roberto Possídio e direção artística de Alan Cleber, vai contar com as participações especiais de Paulo César de Andrade, Ananda Fonseca, Roberto Possídio, Alan Cleber e a banda Sóda Solta.

“Não gosto de rótulos. Nem na vida. Nem na música. Canto o que me emociona. O que sei que vai emocionar as pessoas. Como intérprete ousada, ouço uma música e fico imaginando como ficaria na minha voz, como seria aquela canção com outra batida. E aí cabem desde Pablo do Arrocha, canção que estamos fazendo com piano e sopro, à música de Carlinhos Brown“, adianta a cantora, que ganhou na década de 90 o Festival ‘Som das Margens do Sol’ como melhor intérprete com a canção ‘Quanto Tempo’, de Edésio Santos. (fonte/foto: CLAS Comunicação)

Radialista de Juazeiro critica ausência de representantes culturais em evento na cidade

sibeleA pouca participação de representantes culturais em um evento promovido pelo músico e poeta Maviel Melo em Juazeiro, esta semana, mereceu um desabafo recheado por duras críticas da radialista Sibelle Fonseca (Cidade AM).

Em seu Facebook, Cibele soltou as farpas. Confiram:

E ontem participando da Primeira Feira de Letra e Música de Juazeiro, observando umas 300 cadeiras vazias, das 400 existentes, fiquei pensando: Onde está o pessoal que diz que a cultura de Juazeiro morreu? e os saudosos que querem a volta do chá das cinco? e os “intelectualóides” com suas mochilas vazias? e os intelectuais que vivem reclamando do lepo-lepo? e os educadores que trilham as apresentações festivas dos colégios com a axé música? e os estudantes que consomem o arrocha? e uma raça toda de gente que diz que é sem pensar nadica de nada? e a imprensa regional, tão sem pauta que preste, tá onde? e os radialistas do ‘jabá’ que reproduzem muito lixo, tão ouvindo o que uma hora dessa? e o pessoal do Rock? do pop? da MPB? do underground? do jazz? onde estão estas tribos todas que vestem um rótulo e na hora do “vamo ver” desaparecem? Os produtores e agentes culturais ficaram com medo da chuva? E os agentes do poder público estão, pelo menos, cuidando dos desabrigados? e o pessoal da Secretaria de Cultura, não deveria participar ativamente deste momento de cultura? (o secretário compareceu por uns 20 minutos, cumprindo a liturgia do cargo, claro!) Cadê? cadê todo mundo?

Meu sentimento é de decepção e, confesso, de revolta também. Individualmente saí feliz, maior e mais rica. Coletivamente, muito triste e indignada. Vi o empenho, a dedicação e as contas que os organizadores tiveram que fazer para proporcionar a Juazeiro dias melhores aos ouvidos e a alma. Eles sonharam com todas as cadeiras ocupadas, principalmente pela geração mais nova, tão órfã de música boa e tão contaminada pelo lixo cultural que vende, e vende muito. E não é porque goste, não. É porque não conhece e não tem quem dê a mão e mostre outros caminhos. Nem os educadores – pais e professores, querem se dar a este “trabalho”. Lupeu Lacerda e Maviael Melo, uma sugestão: Façam a segunda feira, mas façam em Petrolina. Juazeiro gosta mesmo é de vaquejada e do “bilu-bilu”. De paredões estéricos, do “lepo-lepo” que promove a exploração sexual nos bares da orla e de coisinhas bem arrochadinhas.

Assinado: Eu, que gosto do arrocha ao clássico.

PS: Aposto que hoje, dia de Lirinha do Cordel do Fogo encantado, que ganhou repercussão nacional, o espaço vai lotar. Tomara! Ele é massa mesmo. Mas também são massa Flávia Wenceslau, Silvério Pessoa, João Sereno, Maviael Melo e todos os outros…

Sibelle Fonseca/Radialista

(c) 2015 Blog do Carlos Britto | produzido por proximavenda.com.br