Câmara vota projeto que vai beneficiar os quebradores de pedra do Serrote Pelado

A Câmara de Vereadores de Petrolina colocará em pauta nesta terça-feira, 21, o Projeto de Lei nº 078/16  que autoriza o Poder Executivo a reconhecer no âmbito do município, os serviços de pedreira artesanal, de produção de paralelepípedo e meio fio. O texto tem como autores os vereadores Ronaldo Cancão (PTB) e Gabriel Menezes (PSL). A matéria entra em pauta após muitas discussões e polêmica na semana passada entre Ronaldo Cancão e o colega de bancada, Ronaldo Silva (PSDB), ambos integrantes da Comissão de Justiça e Redação da Casa Plínio Amorim e não se entenderam quanto a constitucionalidade do projeto.

Ainda em pauta na sessão plenária desta terça, mais dois projetos do legislativos. Um de autoria do vereador Edilsão do Trânsito (PRTB) que autoriza a Ammpla a colocação de lombadas em vias públicas de Petrolina e o terceiro do líder da oposição, vereador Paulo Valgueiro (PMDB) que pretende promover atendimento diferenciado a portadores de diabetes tipo 1 e 2 nas redes municipal, estadual e privada de Saúde do município.

Trabalhadores da Pedreira Pau D’arco apelam a prefeito Miguel Coelho: “Nos ajude”

Os 50 homens que dependem da Pedreira Pau  D’arco, no Serrote Pelado, zona rural de Petrolina, para sobreviverem, tiveram uma surpresa nada agradável após o protesto que a comunidade fez na Câmara de Vereadores na última terça, 13. Num vídeo postado nas redes sociais, um dos trabalhadores faz apelo e pede ajuda especial ao prefeito Miguel Coelho (PSB).

“Estávamos em nossa manifestação, buscando ajuda na Câmara e quando chegamos nos deparamos com a pedreira fechada com todas as nossas ferramentas dentro. A gente faz um apelo que resolvem isso. Desde o carnaval que estamos impedidos de exercer a nossa atividade. Eu faço um apelo à justiça, ao prefeito para resolver nossa situação. Prefeito, nos ajude. Somos 50 pais de famílias dependendo desse trabalho para a nossa sobrevivência”, disse um dos trabalhadores em vídeo que circula pelas redes sociais.

Um projeto de lei dos vereadores, Ronaldo Cancão (PTB) e Gabriel Menezes (PSL) pode entrar em pauta na sessão da Câmara desta quinta, 16, criando a profissão de extração de pedra no município. Com a lei, as famílias do Serrote Pelado estarão legalmente cobertos, sem riscos de deixaram sua atividade profissional e de sobrevivência.

Famílias do Serrote Pelado apelam a vereadores para manter atividade em pedreira

A polêmica criada em torno de uma das pedreiras da comunidade do Serrote Pelado, zona rural de Petrolina, chegou nesta terça, 14, na Câmara de Vereadores do município. Famílias que há quase 60 anos sobrevivem da atividade de extração de pedras, agora se dizem ameaçadas de não poder mais exercer a profissão. Com cartazes nas mãos, os moradores cobraram apoio dos vereadores para defenderem a sobrevivência de mais de 50 famílias que vivem da atividade.

“Nós esperamos que os vereadores nos apoiem. Lá os donos estão querendo fechar a pedreira. Nosso maridos estão em desespero, pois essa é a unica atividade que garante nossa sobrevivência. Só queremos esse reconhecimento. Pagamos R$ 100,00 por mês que da um total de R$ 5 mil mensal para continuarmos trabalhando. É caso de sobrevivência“, disse Marilene Dias, moradora do Serrote Pelado.

Dois vereadores estão discutindo diretamente com as famílias, Gabriel Menezes (PSL) e Ronaldo Cancão (PTB). Cancão é autor de projeto de lei que reconhece a pedreira como atividade profissional. “Primeiro vamos garantir o local de trabalho dessas famílias para que elas possam se organizar. Uma atividade de mais de 60 anos que ainda não tem reconhecimento”, considerou o petebista.

Para Gabriel, o importante é estar junto com as famílias e prestar o apoio necessário para manter a atividade deles. “Essas pessoas não estão pedindo nada mais do que o direito de continuar trabalhando. De ter amparado de forma legal a sua profissão e ter as condições de trabalho necessárias. Por poe isso subscrever o projeto do colega Ronaldo Cancão, por ser da mesma luta e para  reconhecer a luta dura dos trabalhadores de pedra de nossa cidade”, assinalou Gabriel.

Moradores de Serrote Pelado protestam na Casa Plínio Amorim por permanência de pedreira na comunidade

Após interditarem a BR-428 na última semana, moradores da comunidade de Serrote Pelado, zona rural de Petrolina, protestam, neste momento, na Casa Plínio Amorim.  O motivo da reivindicação é a permanência de uma pedreira na comunidade, segundo eles, única fonte de renda para os moradores.

Extrair pedra é o nosso único meio de sobrevivência”, diz frase escrita num cartaz segurado por uma moradora. “Nossos filhos só terão um futuro se tivermos um lugar para trabalhar”, ressalta outro cartaz. Eles querem um posicionamento dos vereadores da Casa.

Jovens da comunidade de Serrote Pelado são os mais novos beneficiados pelo Projeto ‘Amanhã’

jovens serrote peladoJovens da zona rural de Petrolina receberam o diploma de padeiro e confeiteiro, curso profissionalizante realizado pela Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e Parnaíba (Codevasf) por meio do Projeto ‘Amanhã’. A iniciativa oferece, há duas décadas, oportunidades para moradores de comunidades rurais – com idade entre 14 e 26 anos – uma oportunidade de inserção no mercado de trabalho.

O curso aconteceu na comunidade do Serrote Pelado e teve duração de 200 horas. Foi realizado em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) e capacitou 20 jovens em técnicas de panificação e confeitaria. “Foi um curso bem-vindo em nossa comunidade”, disse Dionísia Brito, 22, uma das participantes do curso.

Com o diploma em mãos e conhecimento adquirido, Dionísia já coloca o que aprendeu a serviço de sua comunidade. “Nós poderemos usar o que aprendemos no curso para produzir pães e bolos para aniversários, festas. Inclusive, já estamos com encomenda”, disse Dionísia.

Ao longo do ano, este é o quarto curso profissionalizante oferecido pela 3ª Superintendência Regional (SR) da Codevasf. “Já oferecemos o curso de eletricista predial e de mecânico de motos no município de Cabrobó e, em Petrolina, estamos finalizando um curso de eletricista predial de baixa tensão, que está sendo realizado na Agrovila Massangano e deve ser encerrado em meados de novembro. Ao todo, a Codevasf ofereceu cerca de 900 horas de curso ao longo deste ano”, disse o coordenador do Projeto Amanhã em Pernambuco e analista em desenvolvimento regional da Codevasf, José Antônio Aquino. (Fonte/foto: Ascom Codevasf)

(c) 2015 Blog do Carlos Britto | produzido por proximavenda.com.br