Secretária de Saúde de Petrolina garante que negociações com médicos da rede municipal “estão tranquilas”

Em reposta a este Blog, a Secretaria de Saúde Petrolina ressaltou não ter sido ainda notificada quanto à decisão dos médicos da rede municipal em recusar o prazo de 3 de julho para receber a contraproposta referente à pauta da categoria, que reivindica melhores salários e condições de trabalho.

Em nota de sua assessoria de comunicação, a secretária Magnilde Albuquerque frisou que vai estudar a possibilidade de uma reagendamento assim que a notificação lhe for entregue. Mas assegurou que as negociações com a classe médica “estão tranquilas”. Os profissionais, no entanto, informaram a este Blog que pretendem realizar uma paralisação de advertência no próximo dia 13 de junho.

Vacinação contra a gripe ainda não atingiu meta e preocupa Secretaria de Saúde de PE

A Secretaria de Saúde do Estado está preocupada com o pouco comparecimento dos pernambucanos aos postos e unidades de saúde para serem imunizados contra as influenzas A (H1N1), A (H3N2). A campanha segue até 26 de maio, mas somente 46% do público alvo da campanha foi atingido.

Vale lembrar que quem tomou a vacina em campanhas realizadas em anos anteriores deve voltar aos postos para ser imunizado, pois a validade é só de um ano. Cerca de 1,5 milhão de pessoas ainda devem ser protegidas. Os pernambucanos podem procurar a vacina num dos mais de 5 mil postos de vacinação espalhados em todos o estado.

O público-alvo da campanha contra a gripe deste ano são idosos a partir dos 60 anos, crianças entre 6 meses e menos de cinco anos, profissionais de saúde, portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais, adolescentes e jovens entre 12 e 21 anos sob medidas socioeducativas, população privada de liberdade e funcionários do sistema prisional, professores, gestantes os mulheres até 45 dias após o parto e povos indígenas.

Quem estiver gripado, mas sem febre, pode tomar a dose. A vacina contra a influenza é contra-indicada apenas para quem é alérgico a ovo ou teve reação alérgica grave ao tomar a vacina, que é gratuita.

 

Apesar de dívida de R$ 11 milhões, atual secretária de Saúde de Petrolina diz já ter “o que comemorar”

Completando cinco meses no cargo, a secretária de Saúde de Petrolina, Magnilde Albuquerque, sabe que terá um caminho árduo pela frente, diante do cenário delicado pelo qual se deparou ao aceitar o convite do prefeito Miguel Coelho (PSB) para assumir a Pasta. Já começa pelos chamados ‘restos a pagar’, que passam dos R$ 11 milhões herdados do governo anterior. Mas os desafios não esmorecem a secretária e sua equipe. Após encerrar o primeiro quadrimestre inicial da gestão do atual prefeito Miguel Coelho, ela disse numa entrevista a este Blog já ter o que comemorar.

Um desses pontos positivos é implantação do Sistema de Regulação (Sisreg) do Ministério da Saúde – que é gratuito e online, e funciona com o objetivo de regular as marcações de consultas e exames. Através do Sisreg, segundo Magnilde, o paciente sairá do consultório médico, indo para o setor de marcação, e de lá sai com tudo definido. A equipe da Secretaria passou pela devida qualificação para trabalhar com a tecnologia.

Ela explica ainda que o sistema ainda não existe em todas as unidades, porque algumas – sobretudo as da zona rural – são desprovidas de internet. Mas essa questão já está sendo resolvida. “Fizemos um projeto-piloto e já estamos expandindo (o Sisreg) para todas as unidades de saúde. E aí estaremos acabando com aquelas filas que as pessoas ainda enfrentam após saírem do consultório”, destacou.

Serviços

Magnilde também frisou que a Secretaria conseguiu ampliar a oferta de serviços laboratoriais à população, antes mesmo de contratá-los. Para se ter ideia, esse número saltou de 17 mil para 32 mil marcações de exames e consultas, apenas utilizando a mesma estrutura.

Sobre atendimentos nos postos (ainda alvo de críticas), a secretária informou que sua pasta já disponibilizou um cronograma, em todas as unidades, dos profissionais que atuam nas mesmas, com detalhes como nome completo e carga horária de trabalho. Magnilde ressaltou que apesar da transferência de um ou outro profissional, as unidades estão com suas equipes devidamente completas, dentro dos critérios.

Medicamentos

A secretária lembrou ainda que havia recebido a informação de que o órgão municipal teria lotes de medicamentos suficientes para 45 dias. Mas ao assumir a Pasta, deparou-se com outro cenário. “A gente tinha uma grande quantidade de medicamentos vencidos na central de abastecimento. Então a gente fotografou toda a medicação vencida e descartou essa medicação junto à empresa que recolher lixo particular. Depois partimos para uma compra emergencial”, disse.

Magnilde explicou que a partir do pregão realizado pela prefeitura, a aquisição completa dos mais de 2 mil medicamentos será efetivada para, em seguida, abastecer todos os postos do município.

Dificuldades

Os ganhos, no entanto, ainda não são suficientes para reverter o quadro. A secretária admite que as dificuldades ainda são grandes para traduzir em oferta de serviços satisfatória à população. Exemplo disso são os postos, que foram recebidos por ela e sua equipe, “em, péssimas condições estruturais”. Magnilde conta ter sido obrigada a começar “do zero”, já que não encontrou nada em contrato ou serviços em andamento.

Eu me sinto ainda presa, porque a gente sabe das necessidades dentro das unidades, mas ainda estamos esperando os trâmites do processo licitatório, desde medicamentos, que são extremamente importantes, a material médico-hospitalar, odontológico, de limpeza, material gráfico. Fora a compra de serviços como oftalmologia, laboratório, mamografia, exames de diagnóstico, consulta especializadas…nenhum contrato vigente”, revelou.

Além disso, segundo ela, como havia os mais de R$ 11 milhões de débitos ‘herdados’, a Secretaria foi chamando um a um os fornecedores com contratos vigentes. O intuito foi negociar de forma parcelada essas pendências, dentro da lei, para tentar normalizar a situação. “Até o animal que era recolhido pelo Centro de Zoonoses, nós não tínhamos como fazê-lo comer porque deixaram devendo o contrato para a aquisição de capim”, lamentou.

Mais ações

Apesar disso, a secretária elencou outras ações significativas nesse início de gestão. Uma delas, dentro da Atenção Básica, foi o retorno das unidades móveis para a zona rural. A Pasta também realizou um remapeamento na cidade para identificar o déficit de cobertura das equipes de Saúde da Família e tentar ampliar essa área junto ao Ministério da Saúde; reativou o Centro de Especialidades Odontológicas (CEU); contratou equipes de saúde bucal; e adquiriu mais uma ambulância – Unidade de Serviço Avançado (USA), aquela com UTI – para o Samu, que estava apenas com um veículo desse tipo. A Secretaria conseguiu ainda recuperar outras quatro ambulâncias com serviço básico, além de reorganizar a escala dos profissionais e quitar pendências com combustíveis da frota.

Outro ponto destacado pela secretária é o fato de estar começando a se desvencilhar de uma demanda reprimida de nada menos que 75 mil exames não realizados. Os mutirões de cirurgias iniciados pela atual gestão estão ajudando a diminuir essa demanda. Também foi criado um protocolo de acesso na AME Lia Bezerra, no Bairro José e Maria, como projeto-piloto com o intuito de priorizar atendimentos de acordo com a classificação de risco. A Secretaria ainda estuda outros meios de viabilizar esses atendimentos com hospitais da rede privada, uma vez que o único convênio que existia ficou com dívidas contratuais pendentes.

Magnilde lembrou também da contratação de alguns profissionais para o CAPS (Centro de Atenção Psicossocial), conforme a lei, além de normalizar o fornecimento de alimentação do espaço. Quanto ao CPAS Infantil, a secretaria também contratou um médico psiquiatra, agilizou os atendimentos de reabilitação e promoveu uma série de eventos festivos para esse público.

Além de treinar um profissional para cuidar do controle na saída dos medicamentos nas unidades, a secretária citou a reestruturação da equipe médica na AME do Servidor e contratação de outros profissionais na AME Policlínica, o que levou à oferta de especialidades como Cardiologia, Angiologia, cirurgia geral e Mastologia – entre outras. Quanto ao Tratamento Fora de Domicílio (TFD), ela lembra que a prefeitura renovou o contrato com a empresa de ônibus que levava os pacientes para a capital, Recife.

Fitas HGT

Magnilde aproveitou para anunciar a aquisição, por parte da Secretaria, das fitas HGT, que medem a glicemia dos pacientes diabéticos. A Pasta comprou, de forma emergencial, um milhão de fitas junto ao Governo do Estado. O material, que chegou na última sexta-feira (28/04) ao município, será disponibilizado apenas na Farmácia da Família, que atende das 7h30 às 17h. “Esse era um drama, que saía direto na mídia local. Estamos em processo de licitação, mas como esse é um processo demorado, conseguimos pegar uma carona (modalidade de compra)”, frisou. Os pacientes, com suas devidas receitas, já podem procurar a Farmácia da Família e pegar a fita.

A secretária elencou ainda medidas de combate ao mosquito Aedes aegypti, além de planilhas de monitoramento em todos os setores de Vigilância e a instalação de novas geladeiras em unidades do Programa Municipal de Imunização (PMI), para receber e acondicionar as vacinas. Também foram instituídos plantões para acompanhar essas vacinas, bem como para o recolhimento de animais nas principais rodovias da cidade. Ações voltadas ao combate e prevenção de doenças infecto-contagiosas, a exemplo de tuberculose, também foram priorizadas, bem como a Leishmaniose (Calazar), sem contar a ampliação do setor de educação em saúde, que consiste na realização de palestras para a comunidade.

Em nota, Secretaria de Saúde de Petrolina contesta coordenação do programa de residência da Univasf

Numa nota enviada a este Blog, a Secretaria de Saúde de Petrolina contestou a informação divulgada pelo coordenador/supervisor do Programa de Residência de Medicina de Família e Comunidade (PRMFC), Flávio Arcângelis, o qual revelou que a administração municipal estaria retirando médicos residentes de AMEs, devidamente acompanhados pelos preceptores, para outras unidades de saúde.

A Secretaria assegura que a notícia “não é verdadeira”.

“Em relação a nota divulgada na manhã desta quinta-feira (27), sobre a parceria com a Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf), através do programa de Residência de Medicina de Família e Comunidade (PRMFC), a Secretaria Municipal de Saúde de Petrolina informa que o conteúdo da nota não é verdadeiro. O órgão informa ainda que está em negociação com a universidade, inclusive com reunião nesta quinta-feira (27), para ajustar um novo termo para o programa. A nova proposta tem o objetivo de ampliar a parceria, aumentando o número de residentes”, declarou a Pasta.

O próprio prefeito Miguel Coelho reforçou o comentário.

A notícia de que queremos acabar (o programa) é falsa. Pelo contrário, queremos aumentar o número de AMEs e o número de médicos. Tanto é que mandamos um projeto de lei para a Câmara aumentando o número de residentes, que já foi aprovado. Então eu fico triste de ver um posicionamento desses, até porque não há nada em definitivo porque ainda estamos negociando. Estive conversando com o professor Julianeli (Tolentino) e ele me disse que a coordenação do programa vai emitir outra nota, esclarecendo os fatos, para que a gente possa tratar com seriedade e transparência. E principalmente falando a verdade para atendermos quem mais precisa, que é a nossa população”, finalizou.

 

Coordenação do Programa de Residência de Medicina da Univasf critica decisão polêmica da Secretaria de Saúde

Uma decisão tomada pela Secretaria de Saúde de Petrolina pode colocar em xeque a permanência de 25 médicos da Rede de Atenção Básica do município. A parceria da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf) e a prefeitura, iniciada há mais de seis anos, garante a permanência do Programa de Residência de Medicina de Família e Comunidade (PRMFC) da instituição, considerado atualmente o maior programa de especialização médica para essa área em todo o Nordeste e um dos maiores do país.

Os médicos-residentes e seus preceptores são responsáveis pela assistência à saúde de cerca de 100 mil habitantes em Petrolina. Estima-se que um terço da cobertura da Atenção Básica do município seja feita em parceria com o PRMFC. O programa tem o objetivo de especializar médicos para atuarem na Atenção Primária em Saúde, proporcionando um acompanhamento à população com qualidade, embasamento científico e avanços no atendimento humanizado das pessoas.

Em 2017 o programa acontece em 7 AMEs – Areia Branca, Vila Eduardo, Henrique Leite, Pedra Linda, Antônio Cassimiro, Ouro Preto e Jardim Amazonas – e já vem apresentando resultados com a organização dos serviços.

Ocorre que um acordo firmado em março previu que cada unidade de saúde deve contar com três ou quatro médicos do programa em fase de especialização (a depender da quantidade de equipes de saúde da unidade) e um médico-preceptor especialista, responsável pelas atividades médico-assistenciais e acadêmicas.

Mas no último dia 12 de abril, a Secretaria de Saúde comunicou à Coordenação do Programa sua intenção de enviar parte dos residentes vinculados a essas AMEs para outras unidades de saúde que não contam com essa supervisão médico-assistencial e pedagógica. De acordo com coordenador/supervisor do PRMFC, médico Flávio Arcângelis, o resultado dessa medida seria a manutenção do programa sem a devida supervisão médico-assistencial e acadêmica nas unidades que não fazem parte do programa.

Tal medida é absolutamente condenável pelo Ministério da Educação, Ministério da Saúde e Comissão Nacional de Residência Médica. Ao analisarmos a situação com mais cuidado, percebemos que ao enviar um médico-residente para uma unidade de saúde que não faz parte do programa, a Secretaria de Saúde irá atingir os outros médicos do município, sejam contratados ou concursados, pois não temos informações sobre ‘sobra’ de vagas”, o que poderia significar realocações ou até mesmo demissões. Isso poderá gerar desconforto com os outros trabalhadores médicos e suas representações legais”, lamenta. A Coordenação enfatiza que não está de acordo em atingir os outros médicos do município.

Crítica

Em tom crítico, Arcângelis afirmou que a atual secretária de Saúde Magnilde Albuquerque “possivelmente ainda não compreendeu a dimensão e importância do programa para o município e para o povo de Petrolina”. Ele informou também que mesmo tendo insistido na tentativa do diálogo, a secretária não recebeu a Coordenação do programa em seu gabinete. Com o objetivo de manter o funcionamento do programa, a Reitoria irá se reunir com a secretária nesta quinta-feira (27).

“Desejamos que esse empecilho seja em breve superado, para garantia da continuidade do serviço de atenção em saúde com qualidade para população petrolinense”, finalizou. O prefeito Miguel Coelho esclareceu ao Blog sobre o assunto. A resposta de Miguel será postada daqui a pouco.

Secretaria de Saúde de Juazeiro anuncia novos convocados do Processo Seletivo Simplificado

A Secretaria de Saúde de Juazeiro anunciou mais uma lista de convocados a apresentar a documentação do Processo Seletivo Simplificado. O Edital nº 004/2017 já está disponível no Diário Oficial e será divulgado no site da prefeitura nesta quinta-feira (27).

Os 56 aprovados para os cargos de Enfermeiro de Posto de Saúde da Família (PSF), Médico de PSF e Motorista de viatura leve devem comparecer ao auditório da secretaria, localizado no 1º andar da Rua 15 de Julho, nº 32 (Centro da cidade), entre os dias 10 e 11 de maio, seguindo o cronograma de horários previsto no edital.

Mais detalhes, inclusive os nomes dos convocados, podem ser conferidos neste link: Convocados Secsau Juazeiro.

Secretaria de Saúde contesta informação sobre falta de vacina contra Influenza no posto da Cohab Massangano

Em Petrolina, a Campanha de Vacinação contra a Influenza começou com reclamações nesta segunda-feira (24). Este Blog recebeu a informação de que no posto de saúde da Cohab Massangano, zona oeste da cidade, não havia doses da vacina e nem previsão de quando iriam chegar. Mas a Secretaria Municipal de Saúde contestou a notícia.

Por meio da assessoria, a Pasta assegurou ao Blog que todos os postos da área rural e urbana estão abastecidos. (foto/arquivo)

 

Mutirão de cirurgias ortopédicas tem sua segunda edição em Petrolina

A segunda edição do mutirão de cirurgias ortopédicas em Petrolina está agendada para este sábado, 22. A ação é realizada através de uma parceria entre a Secretaria de Saúde e o Hospital Universitário (HU). A iniciativa ajudará a reduzir a lista de espera que, desde o ano passado, conta com 105 pacientes. Nessa segunda edição, o mutirão atenderá 20 pacientes.

De acordo com a diretora técnica em saúde, Ana Carolina Freire, os procedimentos ortopédicos, principalmente na região, ficam entre as principais demandas, já que existe um alto índice de acidentes com motociclistas.

“Realizamos o primeiro mutirão há duas semanas, com 20 procedimentos, e a nossa proposta é aumentar o número de cirurgias semanalmente. O município está disponibilizando a equipe médica e instrumentadores. Em parceria com o HU, estamos trabalhando para resolver essa demanda ortopédica com celeridade, porém com muito profissionalismo e competência”, explicou.

A secretária municipal de Saúde, Magnilde Albuquerque, reforça que a realização de mutirões é a forma mais rápida de eliminar as diversas filas do município. “Recebemos o município com vários procedimentos parados e muitas pessoas sofrendo há vários meses, a ortopedia é uma das nossas demandas mais urgentes. Eliminar essas filas está sendo uma das prioridades da Secretaria de Saúde”, concluiu. (Foto: Ascom)

Lagoa Grande: Professores das redes pública e privada são incluídos na Campanha de Vacinação contra Gripe

A Secretaria de Saúde de Lagoa Grande (PE), no Sertão do São Francisco, deu início à campanha nacional de vacinação contra os três subtipos do vírus da gripe que mais circulam no país: A/H1N1; A/H3N2 e influenza B. A novidade deste ano é que foram incluídos também como prioritários os professores da rede pública e privada – além dos profissionais da saúde das duas redes.

No dia 13 de maio (sábado) em todo o Brasil o ‘Dia D’ da Vacinação.

Além dos professores e profissionais da saúde, o público-alvo da campanha continua sendo crianças de 6 meses a quatro anos, 11 meses e 29 dias; gestantes; puérperas (mulheres que estão no período de até 45 dias após o parto); idosos a partir de 60 anos; e em alguns casos, portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais (independente de idade). O atendimento é das 8h às 14h.

Os trabalhadores da agricultura e do comércio que se enquadram no público-alvo, mas não podem comparecer nos horários, deverão procurar o PSF mais próximo de sua residência no próximo dia 27, das 17h às 21h (como já acontece toda última quinta do mês).

Comunitária juazeirense critica “desrespeito” em relação a telefone do Samu; Secretaria justifica

Problemas em relação ao contato telefônico do Samu de Juazeiro (BA) tiraram do sério a comunitária Iolanda Nogueira, que escreveu ao Blog. Confiram:

Senhor Carlos Britto,

Venho por meio deste Blog solicitar uma posição do Ministério Público de nossa cidade, Juazeiro (BA), referente ao descaso e desrespeito por parte da Gestão Municipal e Secretaria de Saúde desta cidade, no que diz respeito à mudança do número de atendimento ao Samu.

Bem, em matéria postada neste mesmo Blog no dia 15/12/2016, às 16h29, o Superintendente de Regulação da Secretaria de Saúde, Mario Machado, envia nota sobre a mudança do número do serviço do Samu, deixando de ser 192 para o (74) 99198-0828, e que esse serviço seria provisório; e que foi solicitada a compra de novos aparelhos em caráter de urgência, que até 23/12/2016 tudo seria normalizado. Mas até o momento nada mudou.

Em matéria ontem, 12/04/2017, a única mudança foi no número do telefone, passando de (74) 99198-0828 para (74) 99985-6155.

Moro na periferia, tenho minha mãe de 82 anos diabética e hipertensa. Gostaria de saber se ela sentir mal e necessitar de atendimento do Samu, ela tem que morrer por falta de crédito no celular? como fica o serviço de urgência e emergência em nossa cidade? quem tem que pagar por isso?

Estamos cansados de tantas desculpas, de tantas balelas, desde de dezembro do ano passado esse descaso.

Sem mais, agradeço pelo espaço.

Iolanda Nogueira/Moradora do Bairro Malhada da Areia

A Secretaria de Saúde do município, por sua vez, justifica informou que a operadora de telefonia ainda não restabeleceu a linha do Samu. Por esse motivo, o 192 está indisponível temporariamente. Enquanto isso, a população pode entrar em contato com o serviço por meio do número de celular (74) 99198-0828. “A direção do Samu permanece cobrando celeridade na resolução dessa situação”, diz a Secretaria.

(c) 2015 Blog do Carlos Britto | produzido por proximavenda.com.br