Dos três ministros pernambucanos que sinalizaram saída do Governo Temer, só Roberto Freire deixa cargo

As denúncias que atingiram o presidente Michel Temer (PMDB) provocaram um fenômeno, no mínimo, curioso ao longo desta quinta-feira (18): o efeito ‘ioiô’ em alguns ministros que ensaiaram a saída do Governo e ficaram. Na noite da quarta-feira (17), horas depois da divulgação de trechos da delação premiada dos donos da JBS, começou a correr a informação de que o ministro das Cidades, Bruno Araújo, defendia no partido o desembarque do Governo Temer e a entrega dos quatro ministérios do PSDB na gestão do peemedebista, inclusive o seu. Só que não.

No meio da tarde desta quinta-feira (18), uma hora antes de o presidente Temer fazer o seu pronunciamento do “fico”, os meios de comunicação começaram a informar que o PPS havia decidido que, caso o peemedebista não renunciasse, seus dois ministros – Raul Jungmann (Defesa) e Roberto Freire (Cultura), deixariam os cargos. Só que não.

Das três promessas de debandada, Roberto Freire ficou só. Foi o único que levou adiante a sua ideia inicial e deixou a pasta. Seu companheiro de partido, Raul Jungmann, licenciado da sua vaga de suplente de deputado federal, disse ter recebido um apelo dos comandantes das Forças Armadas para continuar.

Bruno Araújo, como bom tucano, fez que ia e não foi. Anunciou, por meio da sua assessoria, “que permanece no Governo Federal a pedido do partido, o PSDB”. A sigla, por sua vez, aguarda a divulgação do conteúdo das gravações dos executivos da JBS para, só então, se pronunciar.

Mendonça e Fernando Filho

Outros dois ministros pernambucanos não se pronunciaram. Mendonça Filho (Educação) é do mesmo partido do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), primeiro na linha de sucessão de Michel Temer. Já Fernando Filho, das Minas e Energia, recebeu e ignorou a recomendação do presidente do PSB, Carlos Siqueira, para que deixasse o cargo. Assim como fez quando foi indicado à revelia do partido, permanece no ministério. (Fonte/foto montagem: Blog da Folha)

Em artigo, presidentes do PSB e do PPS defendem fusão entre os dois partidos

presidentes psb e ppsOs presidentes do PSB e do PPS, Carlos Siqueira e Roberto Freire, respectivamente, assinam artigo publicado nesta segunda-feira (18) no jornal Folha de S. Paulo, em que defendem o sentido histórico da provável fusão entre os dois partidos – que será discutida em congressos das legendas em junho. O texto lembra as origens do PPS, herdeiro do Partido Comunista Brasileiro, o “Partidão”, e do PSB, socialista, além de citar a resistência à ditadura, a campanha pelas diretas, a Constituinte e o impeachment de Fernando Collor como situações em que as legendas atuaram conjuntamente.

Com essa argumentação, o texto apresenta a fusão como “alternativa real ao atual governo federal“, mais do que a união de dois partidos. O artigo destaca que PSB e PPS estiveram juntos na campanha de Eduardo Campos – sem citar o nome de Marina Silva. “É justamente a partir dessa aproximação que prosperou a tese da fusão entre os dois partidos, com intuito de oferecer à nação uma plataforma política conectada com os anseios da sociedade contemporânea e que dialogue com o século 21“, diz a publicação.

O artigo não usa a expressão “terceira via”, mas reforça os conceitos de mudança e renovação na política. “O que a sociedade deseja é encontrar novos atores e novas formas de se expressar e participar“, diz um trecho. “A sociedade pede mudança, um novo mundo pede passagem e este caminho já começou“, diz outro.

Enquanto a ala majoritária do PSB, liderada pelo presidente paulista da legenda Márcio França, defende a lógica histórica e o cenário atual como argumentos para basear a fusão, o movimento desagrada a quadros históricos do partido, como Luiza Erundina (SP), Glauber Braga (RJ) e o secretário sindical do partido, Joilson Cardoso. “Não vejo congruência em uma fusão com o PPS. Eles têm uma postura no Congresso de direita, enquanto nós mantemos uma posição crítica ao governo, mas de independência“, disse Joilson à reportagem no fim de abril. (fonte: Estadão/foto:reprodução)

(c) 2015 Blog do Carlos Britto | produzido por agencialaguz.com.br