Irrigantes do Norte baiano se reúnem em Juazeiro para debater uso racional da água

Produtores familiares do Baixo Salitre, no Norte da Bahia, estiveram reunidos na quarta-feira (10), em um seminário voltado para discutir as melhores soluções para a produção agrícola racional e o desenvolvimento socioeconômico da região. O evento foi promovido pela Associação Águas do Salitrinho, com apoio da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), e aconteceu na sede da 6ª Superintendência Regional (SR), em Juazeiro.

O Projeto Salitrinho é composto por mais de 320 agricultores familiares do Baixo Salitre, distribuídos numa área de aproximadamente 750 hectares, dos quais mais de 400 hectares são considerados produtivos. Atualmente os principais cultivos existentes no local são de culturas anuais como melão, cebola, tomate, melancia e abóbora. Em menor quantidade, são produzidos quiabo, pimentão, pimentinha e repolho. Dentre as fruteiras, a manga e a goiaba têm destaque, seguidas pela produção de banana e acerola.

O superintendente regional da Codevasf em Juazeiro, Misael Aguilar Silva Neto, explica que a Codevasf, nos últimos meses, fez algumas intervenções para desassoreamento do Rio Salitre, justamente para melhorar a oferta de água para as comunidades e produtores que dependem do rio. “É da essência da Codevasf participar de tudo o que envolva a irrigação no Vale do São Francisco e, com essas ações, a empresa reforça o seu papel de parceira do Salitrinho“, destacou.

Uso da água

A água do Salitrinho é fornecida pela Codevasf por meio de duas adutoras, implantadas pela Companhia a partir do projeto público de irrigação do Salitre, em Juazeiro. Em 2015, o Tribunal de Contas da União (TCU) recomendou à Codevasf que realizasse a cobrança pelo uso água, mediante tarifação específica. Até então, os agricultores familiares não pagavam por isso, já que o governo federal, por meio da Companhia, custeava todo o sistema de adução e distribuição, numa vazão aproximada de 900 litros por segundo.

Para gerenciar o uso dessa água, foi criada – em parceria com a maioria dos agricultores do projeto – a Associação Águas do Salitrinho, que hoje funciona semelhante a um distrito de irrigação. A entidade possui dois funcionários e é composta por um conselho administrativo, com oito pessoas, e um conselho fiscal, com três integrantes. Nas reuniões realizadas pela associação, com a participação de representantes da Codevasf, são analisadas questões como o descumprimento de pontos do estatuto da associação, como o plantio de áreas de tamanho acima do permitido, inadimplência referente ao pagamento da tarifa de água e até ligações clandestinas de energia elétrica. (foto/divulgação)

Representante da Prefeitura de Juazeiro participa em Jacobina de reunião do comitê da bacia do Rio Salitre

A gerente da Secretaria de Meio Ambiente e Ordenamento Urbano (Semaurb), de Juazeiro, Josefa Galdino, representou a cidade de Juazeiro na 18ª Reunião Plenária Extraordinária do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Salitre (CBHS), realizada em Jacobina (BA).

No encontro foram discutidos o acompanhamento do Plano de Bacia do Rio Salitre, a reestruturação e o emponderamento das câmaras técnicas do CBHS.  Além disso foi apresentado o projeto do Canal do Sertão, que está sendo elaborado pela empresa Geo Hidros com objetivo de levar água para o consumo humano e animal, sustentabilidade das atividades da pecuária e revitalização e segurança hídrica dos perímetros irrigados existentes. Esse projeto irá beneficiar 44 municípios.

O projeto ainda prevê 300 quilômetros de canal abrangendo 190 hectares, que irão conter plantio de 19 mudas de sequeiro a cada 15 km. Para Arakem Maltez, diretor da Geo Hidros, “é necessário uma assistência técnica em extensão rural para conscientizar a população quando a utilização desse recurso. Além de dar água ao pequeno produtor, é preciso prepará-lo”.

Segundo Josefa Galdino, a ocorrência de chuvas na região também é crucial para um cenário mais favorável. “Precisamos de chuvas para aumentar a vazão dos rios e uma conscientização ambiental para conseguirmos melhorar a situação do meio ambiente. Para isso, devemos ampliar as discussões sobre a situação da região do Salitre”, pontuou. (Fonte/foto: Ascom PMJ)

Desassoreamento do Rio Salitre beneficia agricultores familiares na zona rural de Juazeiro

Oito famílias que vivem da agricultura, entre as comunidades do Junco e Aldeia, na região do Baixo Salitre, zona rural de Juazeiro (BA), vão poder voltar a produzir novamente com água correndo perto de suas propriedades. Isso só foi possível graças a um trabalho de desassoreamento na calha do Rio Salitre, realizado pela 6ª Superintendência Regional (SR) da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e Parnaíba (Codevasf).

Na última semana o atual superintendente Misael Aguilar Neto vistoriou as obras. A intervenção da companhia foi solicitada pela Associação Águas do Salitrinho, entidade criada com a ajuda da Codevasf, e que hoje reúne mais de 292 agricultores familiares, distribuídos em uma área total de 473 hectares. A entidade é responsável pela gestão da água usada na irrigação, que é proveniente do rio Salitre, o qual teve sua vazão aumentada, graças a duas adutoras implantadas pela Companhia, utilizando água do Perímetro Irrigado Salitre.

Segundo o técnico da superintendência de Juazeiro, Júlio Cesar da Silva Santos, o serviço realizado foi a limpeza de um trecho do rio Salitre, com extensão de aproximadamente 500 metros, que estava assoreado, prejudicando os pequenos produtores da região. “O superintendente Misael Neto atendeu a reivindicação da associação e cedeu uma máquina para que a limpeza da calha fosse feita”, explicou.

Os trabalhos duraram três dias. Após a conclusão, o agricultor Cleber Murilo Mesquita Reis comemorou a ação. “É uma alegria muito grande ver a água correr de novo por aqui”. Ele observa que muitos produtores daquela região têm que bombear água de outras partes do rio, aumentando os custos, muitas vezes inviabilizando a atividade agrícola.

Fonte de renda

Devido à falta de água para a agricultura, muitas famílias passaram a criar pequenos animais ou trabalhar como diaristas nas plantações da região. Mas com o serviço realizado pela Codevasf, as oito famílias cadastradas na associação poderão voltar a trabalhar na agricultura irrigada, atividade considerada a principal fonte de renda no Baixo Salitre. “Em menos de três dias mudamos a realidade dessas oito famílias das localidades do Junco e Aldeia”, avaliou Misael Neto. “Isso é muito gratificante para nós da Codevasf, que temos como objetivo principal promover o desenvolvimento regional”, concluiu. (Fonte/foto: Ascom 6ª SR Codevasf)

Finalmente: Montada ‘força-tarefa’ em defesa do Rio Salitre

Solo fértil e água em abundância transformaram o Vale do Salitre, anos atrás, no principal abastecedor de frutas e verduras de Juazeiro (BA). A falta de cuidados, o uso indiscriminado da água e a proliferação de algarobas acabaram por deixar o rio praticamente inviável.

Agora, finalmente, a pedido da comunidade, a 6ª Superintendência Regional (SR) da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) e o Serviço de Água e Saneamento Ambiental (SAAE) iniciaram essa semana a limpeza da calha do rio, no trecho dos povoados de Goiabeiras I e II.

Com a retirada da lama no leito do rio, a água voltou a minar, enchendo de felicidade as mais de 150 famílias que vivem na região. Ainda faltam quase 5 km para a conclusão dos serviços, mas segundo o gestor da 6ª SR, Misael Neto, “está tudo dentro do programado”, segundo o gestor da 6ª SR, Misael Neto. (foto/divulgação)

Após reivindicações, Codevasf em Juazeiro se compromete em realizar obra de limpeza para melhor abastecimento d’água na região do Salitre

O gestor da 6ª Superintendência Regional da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) em Juazeiro (BA), Misael Neto, recebeu ontem (6) em audiência o presidente da Câmara de Vereadores, Alex Tanuri (PSL), o vereador Agnaldo Meira (PCdoB), representantes do SAAE e uma comissão de produtores familiares da região do Alto Salitre, zona rural da cidade.

O objetivo da reunião foi discutir a realização de serviços de limpeza da tomada de água localizada no Rio Salitre, que abastece aquela região, principalmente nas localidades de Goiabeira I e II, e a realização de uma ação para melhorar o abastecimento para os salitreiros, através de uma extensão da rede de distribuição, com a utilização de alguns canos com dimensões de 35 mm. A obra era reivindicada há tempos pelos moradores da região.

Na oportunidade o superintendente Misael Aguilar confirmou seu apoio aos pleitos dos produtores, e colocará uma máquina retroescavadeira a disposição para a realização dos serviços. Quanto ao aumento da rede de abastecimento, Misael afirmou na reunião que colocará à disposição dos produtores os canos solicitados, tão logo sejam realizados todos os procedimentos legais para a entrega do material.

O Rio Salitre foi perenizado após a construção, pela Codevasf, de duas adutoras no perímetro irrigado Salitre, o que beneficiou mais de 600 famílias de agricultores que vivem às margens do rio. Elas sobrevivem do plantio de culturas de ciclo curto, como melão, cebola e tomate, entre outras; e captam a água por meio de sistemas simples de bombeamento ou por gravidade. (foto/divulgação)

Rio Salitre: 6ª SR Codevasf inicia projeto que beneficia pequenos produtores de comunidades ribeirinhas

Para atender a uma antiga demanda de pequenos produtores de comunidades ribeirinhas situadas na região do Baixo Salitre, a Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), por meio da 6ª Superintendência Regional (SR), sediada em Juazeiro (BA), contratou a realização de um estudo de fornecimento de água através de adutoras para uso principalmente na agricultura e pecuária.

Em um encontro no auditório da companhia, o superintendente regional, José Hailton Carneiro de Oliveira, o técnico da Codevasf Sérgio Antônio Coelho, o diretor da Área de Desenvolvimento Integrado e Infraestrutura, Luiz Augusto Costa Fernandes, e integrantes da empresa Geohidro apresentaram, a representantes das comunidades da região do Baixo Salitre, os estudos de concepção e pré-dimensionamento hidráulico de um sistema de adução de água bruta para utilização na pequena irrigação e na dessedentação animal. O governo do estado foi representado pelo diretor de revitalização da Secretaria de Infraestrutura Hídrica e Saneamento (SIHS), José Olímpio Rabelo de Morais.

Localizado na região norte da Bahia, o Rio Salitre nasce na “Boca da Madeira”, área que faz parte da Chapada Diamantina, no município de Morro do Chapéu, e deságua no rio São Francisco, na comunidade de Campo dos Cavalos, município de Juazeiro, a jusante da Barragem de Sobradinho. Ele passa por nove cidades – Morro do Chapéu, Várzea Nova, Miguel Calmon, Umburanas, Jacobina, Mirangaba, Ourolândia, Campo Formoso e Juazeiro – e possui uma extensão aproximada de 333,24 km, divididos geograficamente em Alto Salitre, Médio Salitre e Baixo Salitre. Há mais de vinte anos, pequenos produtores das comunidades ribeirinhas estabelecidas no Baixo Salitre disputam o uso da água com pequenos e médios produtores e empresários das regiões anteriores que, devido ao uso desordenado, acabam reduzindo a vazão do líquido no Baixo Salitre.

Novos encontros

O encontro realizado para apresentação dos estudos é o primeiro de três, nos quais as diversas comunidades envolvidas poderão conhecer o projeto e opinar sobre sua elaboração, ajudando na adequação dos estudos. Mais de 40 pessoas participaram do evento, sendo a maioria composta por presidentes de associações e entidades representativas e alguns pequenos produtores. (foto: Ascom 6ª SR/divulgação)

Rio Salitre transborda, destrói plantações e deixa famílias desabrigadas na zona rural de Juazeiro

chuvas destroem plantações campo dos cavalos

Com as fortes chuvas dos últimos dias, o nível do Rio Salitre, na zona rural de Juazeiro (BA), subiu e muitos produtores perderam as plantações. Na localidade de Campo dos Cavalos, por exemplo, mais de 50 famílias tiveram de deixar suas casas e também perderam tudo. (mais…)

Iniciada segunda fase do Projeto de Recuperação das Nascentes do Rio Salitre

rio salitre foto aéreaA segunda fase do Projeto de Recuperação das Nascentes do Rio Salitre, importante afluente do Rio São Francisco, foi iniciada no último dia 9 de janeiro. De acordo com o Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco (CBHSF), com recursos da cobrança pelo uso da água o órgão investirá aproximadamente mais de R$ 700 mil ao longo de dez meses de trabalhos.

A recuperação das nascentes está sendo realizada com os recursos da cobrança pelo uso das águas na calha do Rio São Francisco, administrados pelo CBHSF. As obras hidroambientais têm como objetivo, especialmente, o aumento da qualidade e quantidade da água desta bacia que abastece o Velho Chico na região do Submédio.

Na próxima segunda-feira (19), o coordenador da Câmara Consultiva Regional do Submédio São Francisco, instância do CBHSF, cacique Uilton Tuxá, estará na cidade de Morro do Chapéu, centro-norte do estado (local onde nasce o Rio Salitre), para fiscalizar as obras. (foto/reprodução)

(c) 2015 Blog do Carlos Britto | produzido por proximavenda.com.br