Morre conhecido professor que atuou por muitos anos na rede municipal de Juazeiro

A rede estudantil de Juazeiro (BA) perdeu um dos seus grandes nomes. Morreu nesta sexta-feira (14) o professor José Gilberto Passos, conhecido como “Zé Jaime”. Ele trabalhou na rede municipal de ensino e também foi gestor escolar.

Em nota, a Secretaria de Educação e Juventude (Seduc) e toda equipe externou pesar pela perda de Zé Jaime. “A ele, nossa gratidão pela dedicação e contribuição à educação pública de Juazeiro“, diz a nota enviada pela assessoria. Não foi informado, no entanto, as causas da morte, nem locais do velório e sepultamento. (foto/divulgação)

Pedreiro terá salário maior do que professor em concurso público de Casa Nova; prefeitura esclarece

Como este Blog mostrou ontem (28), os vereadores de Casa Nova, no norte da Bahia, aprovaram o projeto de lei do Executivo Municipal que autoriza a realização de concurso público para a criação de cargos no quadro efetivo do município. Mas um fato curioso chamou a atenção: no documento, um professor aparece com salário inferior ao de um pedreiro, cujo pré-requisito, acredita-se, é saber ler, escrever e interpretar. A polêmica tomou conta das redes sociais e muitos internautas criticaram a prefeitura.

Sobre o assunto, este Blog entrou em contato com a assessoria da administração municipal e foi informado que o valor apresentado no documento (professor R$ 1.149,40 e pedreiro R$ 1.200,00) é referente às horas que serão trabalhadas. A assessoria disse que o professor trabalhará 20 horas semanais, enquanto o pedreiro deverá ficar 40 horas no serviço. “Não é questão de desvalorização, é uma questão de horas de serviço“, frisa.

A assessoria ainda esclarece que o valor apresentado é um indicativo inicial para o número de vagas, mas que poderá aumentar. Disse ainda que a prefeitura se propõe a não colocar nenhum professor contratado na rede municipal em 2018, mas sim que sejam todos concursados. O prefeito Wilker Torres (PSB) deve sancionar o concurso já na próxima semana, e a previsão para finalização dos trâmites em torno de quatro meses.

A assessoria ainda explicou que a o projeto de lei aprovado na quarta-feira aponta inclusive para a criação de novos serviços municipais, voltados para a segurança da cidade: a criação da Guarda Municipal e a municipalização do transporte urbano. Ao total, 411 vagas foram aprovadas, com uma despesa inicial, só de salários, de quase R$ 500 mil. A lista completa, com todos os cargos e respectivos salários, pode ser conferida acessando aqui.

Exclusivo: Direção do Colégio da Polícia Militar em Petrolina afasta professor denunciado por assédio sexual contra duas alunas

Um fato grave mudou a rotina do Colégio da Polícia Militar (CPM) em Petrolina. Um professor, com atuação destacada e reconhecimento pelos relevantes e dedicados serviços prestados à instituição, teria praticado assédio sexual a duas alunas. Uma delas, já maior de idade, e a outra menor de 18 reagiram ao assédio e comunicaram às suas famílias e à direção do CPM.

De acordo com o Tenente-Coronel Marcílio Amorim (foto), diretor do colégio, todas as providências foram tomadas imediatamente.

“Fui pessoalmente à casa dele, bati à porta e eu mesmo o conduzi à Delegacia de Polícia Civil para prestar esclarecimentos. Essa instituição honra a tradição da Polícia Militar e temos compromisso e responsabilidade com nossos alunos e com as famílias que acreditam no que fazemos aqui. Hoje sou diretor, mas fui aluno do colégio. Tenho compromisso profissional e de vida, e nunca admitirei esse tipo de comportamento”, desabafou Amorim.

O professor denunciado é Bráulio Wanderley. Contra ele foi aberto um processo administrativo pelo CPM. O professor, que já foi afastado do colégio, responderá também a um processo na Delegacia da Mulher pelos dois assédios cometidos. A direção do colégio disponibilizou todo o apoio psicológico às alunas e suas respectivas famílias, embora as duas continuem cumprindo a rotina diária de aulas, sem qualquer alteração. O professor nega todas as acusações contra ele.

Estudante de 17 anos acusa professor de abuso sexual no CETEP de Juazeiro e diz que direção tentou ‘abafar’ ocorrido; gestora nega omissão

Um professor do curso técnico de Enfermagem do Centro Territorial de Educação Profissional do Sertão do São Francisco (CETEP), em Juazeiro (BA), foi denunciado por uma estudante menor de idade que o acusa de assédio sexual. O fato, de acordo com a jovem, de 17 anos, aconteceu no último dia 13 de junho, dentro da própria instituição, que fica localizada no Bairro São Geraldo. A estudante relata que foi chamada pelo professor até o laboratório de enfermagem, quando percebeu que não tinha ninguém no local. “Inicialmente, fiquei na porta ao perceber que não havia ninguém no laboratório, o mesmo insistiu para que entrasse, assim fiz, ao entrar pediu para olhar meu joelho e insistiu para que deitasse na maca e tirasse minha calça, nesse momento me recusei e reafirmei que não havia nada de errado com meu joelho, no instante estava nervosa e o professor estava rindo“, afirma. (mais…)

Professor manifesta repúdio contra organização e arbitragem de xadrez na 39ª edição dos Jogos Escolares de Juazeiro

Indignado com o que considerou “falta de organização e de respeito”, o professor Ícaro Reis criticou duramente, numa nota de repúdio enviada a este Blog, a 39ª edição dos Jogos Escolares de Juazeiro (BA) na modalidade de xadrez.

Confiram:

Em virtude da falta de respeito, consideração e responsabilidade que a Secretaria de Educação e Juventude (SEDUC), através da Superintendência de Juventude tem com os alunos, pais e professores, venho através dessa nota, manifestar o nosso desapontamento e revolta devido a organização e realização dos Jogos Escolares na modalidade xadrez Pré-Mirim (Masculino e Feminino). Um evento que tinha como objetivo promover o esporte de forma saudável e justa, com uma troca de aprendizagem de ambas partes, acabou acontecendo totalmente o contrário. Mostrando o quando que as escolas “tradicionais” de Juazeiro exercem papel regulador e moderador, perante às escolas municipais, no qual o poder monetário pode interferir no julgamento e nos resultados obtidos dentro da competição.

Como professor voluntário, sei o quanto é difícil implementar um estudo de xadrez numa comunidade como o Alto do Cruzeiro, um bairro periférico marcado pela desigualdade, e miséria. Vivemos com as dificuldades todos os dias, não ter aula toda semana por não ter guarda, não ter material suficiente para termos aula, entre outros problemas que nos fazem sofrer e lutar cada vez mais para procurar melhores desempenhos nas competições em que participamos. 

Ao final de um ano de dedicação, chegamos para participar da 39º edição dos Jogos Escolares de Juazeiro, nos deparamos com um campeonato mal organizado, sem microfone, e com apenas dois árbitros para dar conta de mais de quarenta crianças. Contudo, os mesmos árbitros que tinham como objetivo ficar atento as suas responsabilidades, mostraram a incapacidade e a inexperiência, perante as regras do xadrez básico, dando vitórias erradas e aplicando regras inexistentes nos jogos. Quem sofre com isso? As escolas tradicionais? Não mesmo, as escolas municipais e públicas. Pode um subalterno falar? Realmente não.

Atrelado à inexperiência dos árbitros, tivemos um treinador de uma escola particular de Juazeiro, que capciosamente ficava próximo às mesas de seus atletas, orientando seus alunos quando o árbitro que tinha como obrigação punir, fingia não ver, por se tratar de uma escola “tradicional”, e quando foi advertido por um outro técnico que percebeu tal “malandragem”, no qual o técnico induzia uma criança de outra equipe a abandonar o jogo contra sua aluna, dizendo que havia xeque-mate, garantindo assim uma vitória para a equipe “tradicional”, vendo isso tal situação, outro técnico percebeu a atitude, chamou o árbitro. Para a surpresa de todos, ao invés de punir e seguir o jogo, o árbitro, perdido como sempre, decretou vitória para a equipe “tradicional”, fazendo a aplicação da regra inversamente. Assim, percebe-se o quanto que não existem valores e a camisa sempre vai pesar. Por que iria marcar a vitória para uma escola municipal?

Desse modo, nota-se o quanto que ainda existe despotismo das escolas particulares, diante das públicas, realidade que nunca muda, tornando cada vez mais indignante essa situação. Foi citado apenas um caso na competição de hoje. Houve mais de três e todos envolvendo tal escola particular e outras públicas e municipais que participaram do campeonato, sendo novamente prejudicadas.

Escrevo-lhes com a humildade, responsabilidade e o cuidado de sempre, sem querer ser dono de verdade, apenas mostrando minha indignação, registrada através desta nota de repúdio com a qual exigimos uma retratação formal da referida instituição.

Ícaro Reis/Professor

Professor cria conceito e atrai novo público para dança de salão na região

Um novo conceito de fazer as pessoas aprender a dança de salão, formando novos adeptos e admiradores para o ritmo, para se tornarem simplesmente felizes. É assim que vem sendo colocada em prática a nova abordagem de ensinar esse estilo no estúdio comandado pelo professor de dança, Bruno Jardim. (mais…)

Morador do Loteamento Recife encontra cascavel dentro de casa e ‘detona’ terrenos baldios

O professor universitário Rogério Fabiano Gonçalves, morador da Rua Raimunda Lira Neto (antiga Rua 23) do Loteamento Recife, zona norte de Petrolina, encontrou uma cobra cascavel dentro de sua residência. Ao Blog ele conta que é comum a presença de outros tipos de animais peçonhentos como aranhas e escorpiões, por exemplo. Ele afirma que o problema se deve aos terrenos baldios no bairro e põe a culpa no “descaso” de certos proprietários. Gonçalves ainda aproveita para alertar a prefeitura sobre a necessidade de realizar monitoramento regular e tomar medidas cabíveis. (mais…)

Professor critica “abandono” de praça na Avenida da Integração

O cenário de abandono pelo qual se encontra uma praça localizada na Avenida da Integração, em Petrolina, serviu de desabafo para um morador da área. De acordo com o professor René Cordeiro, há alguns meses a praça não é limpa e o mato começa a tomar conta. Ele diz ainda que leva um regador do prédio onde mora para molhar as plantas no local, e pede uma intervenção da prefeitura para reverter essa realidade.

Confiram:

Prezado Carlos Britto, bom dia!

Faz uns meses que a prefeitura não vem mais limpar a praça próximo onde moro. O mato está tomando conta da praça. Tenho plantado algumas mudas de árvores da caatinga e cuidado delas, junto com outra pessoa que mora ao lado da praça e que me ajuda.

A praça precisa urgentemente de uma boa limpeza e reparos, bem como de um ponto de água. A praça fica localizada na Avenida da Integração, em Petrolina, próximo ao número 870, perto dos Edifícios Torre do Olimpo e Premium e da nova unidade da Unimed/Petrolina.

Na praça existem brinquedos sucateados, equipamentos de exercícios quase todos quebrados. É uma praça muito agradável e que precisa de cuidados.

Estou fazendo minha parte em relação à arborização. Não tem um ponto de água. Carrego um regador do prédio onde moro para molhar as plantas. Peço por favor que divulgue no Blog e nos ajude. Ficaremos muito agradecidos.

René Cordeiro/Professor

Em universidade dinamarquesa, professor da Uneb busca conhecimento para investir no semiárido

Em parte mineiro, em parte carioca, mas radicado há cinco anos no Vale do São Francisco, o professor da Universidade do Estado da Bahia (Uneb) em Juazeiro, Luiz Adolfo Andrade, busca na Escandinávia conhecimento para investir no semiárido brasileiro. Atuando nos cursos de Jornalismo em Multimeios e no mestrado em Educação, Cultura e Territórios Semiáridos (PPGESA) do Departamento de Ciências Humanadas (DCH-III)/Uneb, Andrade foi aprovado no Programa de Pós-doutorado no Exterior, da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), para realizar estágio de um ano, entre março de 2017 e março de 2018,  no Centro de Pesquisas em Jogos de Computador da Universidade de Copenhagen, na Dinamarca. (mais…)

Professor Gilmar questiona quem propaga nota de Petrolina como a melhor do NE, quando a cidade tem “carências sérias” de políticas sociais

 

O vereador Professor Gilmar Santos (PT) questionou essa semana o ranking publicado pelo Portal da Revista Exame que aponta Petrolina entre as 100 melhores cidades para se viver e primeira no Nordeste. Só que Gilmar diverge que o olhar do levantamento enxergou a cidade do ponto de vista apenas econômico, não vendo os muitos problemas sociais que a cidade possui.

“Quando coloco minhas críticas é justamente por isso. Petrolina é terra de um povo bom, mas é uma cidade que não oferece acesso a uma série de políticas sociais. Quando falo é porque o critério desse ranking não é do ponto de vista de justiça social. Faltam espaços para o acesso à cultura, o esporte, saúde. É equivocada apontar a cidade só do ponto de vista econômico, porque se fosse do ponto de vista social, estaríamos bem atrás”, considerou Gilmar.

O vereador frisa que não desconsidera a riqueza e a importância do povo petrolinense, porem é um povo que sofre com muitas injustiças. Gilmar lembrou que nos últimos anos, os governos petistas encaminharam milhões para o município. Fora o Minha Casa Minha Vida, onde parte desses recursos foram transformados em política pública, Santos diz que a aplicação desses milhões enviados por Lula e Dilma para melhorar a qualidade de vida do povo em investimentos como o saneamento, não existiu.

“Onde estão esses investimentos em saneamento básico? Alguns dizem que outras gestões fizeram saneamento, sim, mas com que nível de qualidade. Estão ai os esgotos estourados. Tem a Compesa sob a influencia do PSB, onde estão que não transformaram esses recursos em melhoria de qualidade de vida para o povo? Então essa é a minha crítica. Não podemos vender ilusão para as pessoas e ficar atento quando querem se aproveitar da informação jornalística para apenas tirar um proveito político”, declarou o Professor Gilmar.

Professor acredita que problema da água salobra poderia ser sanado com projeto de revitalização de rios urbanos de Petrolina

riacho vitória

Após ler um post do Blog publicado na manhã de hoje (28), referente ao alerta feito pelo deputado estadual Odacy Amorim acerca do problema da água salobra, que pode voltar a incomodar os petrolinenses com a chegada das chuvas, o professor André Luiz Queiroz de Andrade decidiu emitir sua opinião sobre o assunto.

Segundo André Luiz, que é ex-vice presidente do Conselho Municipal de Defesa do Meio Ambiente (Condema) e conselheiro do ConCidades de Petrolina e de Pernambuco, um projeto de revitalização do Riacho Vitória (onde a água é captada para o tratamento, antes de ser utilizada pela população) e de outros rios urbanos da cidade seria a medida mais adequada.

Confiram:

O Riacho da Vitória é um dos rios urbanos de Petrolina, os quais hoje são utilizados pela Codevasf e pela Compesa como leitos para despejos e trajeto dos sais coletados das áreas irrigadas e dos esgotos domésticos. Por que o deputado não abraça um projeto de revitalização dos rios urbanos de Petrolina? a cidade e suas populações iriam agradecer.

Para tanto, a Codevasf e a Compesa precisariam parar de utilizar estes leitos. A prefeitura teria que reflorestá-los e, em algumas partes, promover o barramento das águas para possibilitar que fiquem perenes.

André Luiz Queiróz de Andrade/Professor Universitário, Ex-Vice Presidente do Condema e Conselheiro do ConCidades de Petrolina e de Pernambuco

Professor cobra transparência da prefeitura sobre construção de academia particular no Parque Josepha Coelho: “Tem algo esquisito”

professor-sebastian-torres

Depois da notícia de que uma academia de ginástica particular será instalada no Parque Jospeha Coelho, área central de Petrolina, surgiram vários questionamentos quanto à legalidade e transparência da obra. Para a implantação da academia foi necessário fechar uma arena, que servia sobretudo para uso coletivo de eventos culturais.

Um dos indignados com a obra é o professor Sebastian Torres, que tem um projeto social pelo qual oferece aulas a crianças carentes de várias comunidades de Petrolina. Em entrevista a este Blog, ele contou que, durante a atual gestão, tenta conseguir um espaço para implantar seu projeto, e agora cobra explicações da prefeitura sobre a academia no parque.

A gente está atrás de transparência. Por diversas vezes eu tentei um espaço na cidade para funcionar um projeto meu, que está há anos a céu aberto, com crianças carentes, no qual a gente cobra apenas boas notas [na escola] e bom comportamento, além da idade de 10 a 16 anos. Mas ficou nesse imbróglio: empurra pra lá, pra cá, e a gente nunca conseguiu, não deu em nada”, contou.

Há pouco mais de um mês, a assessoria de imprensa da prefeitura garantiu que a obra foi licitada, mas somente a Academia Pollo se interessou em participar da mesma. Com relação a esta questão, o professor Sebastian disse quese houve realmente essa licitação e saiu esse edital, ninguém ficou sabendo. A gente quer saber como foi essa concessão e de que foi. Eu creio que, no mínimo, tem algo esquisito”, indagou.

Ainda segundo a assessoria da prefeitura,em contrapartida, a academia será responsável pela manutenção do Parque, inclusive pagamento dos funcionários. Os atletas das seleções esportivas que representam o município terão acesso gratuito aos serviços oferecidos pela mesma, e também será disponibilizado para os frequentadores do parque um instrutor para orientar as pessoas que fazem corrida e caminhada no local.”

Abrangência 

O projeto de Sebastian abrange as áreas dos bairros José e Maria, Santa Luzia, São Jorge e outros bairros periféricos de Petrolina. Além do trabalho social, que é 100% gratuito, o professor dá aulas particulares e também atua em academias da cidade.Eu acredito que o conhecimento só é válido se ele for passado adiante. O objetivo número um do meu projeto é a inclusão social, é a educação através do esporte. E a gente quer uma resposta”, concluiu. O espaço está aberto para novos esclarecimentos da prefeitura.

Artigo do leitor: “A crise institucional e a conjuntura mundial”

MarcioNeste artigo enviado ao Blog, o Professor Márcio Araújo (foto) faz uma análise sobre a crise institucional no Brasil e a conjuntura para o ano de 2017, a partir de fatos como a eleição do republicano Donald Trump à Presidência dos Estados Unidos.

Boa leitura:

O final do ano de 2016 se aproxima, mas não paramos de ter movimentos político-econômicos apreensivos. Os desdobramentos dos fatos político-judiciais e dos eleitorais internacionais e municipais, tem tornado a cena econômica cada vez mais nebulosa, confusa, dir-se-ia até ciclotímica.

Os resultados das eleições nos EUA, com a inesperada vitória do candidato republicano pôs novamente em evidência preocupações com eventuais cenários político-econômicos internacionais que prejudiquem relações comerciais ou mesmo incitem nova onda de conflitos ou sabe-se lá o quê (tomara que nada de grave!), tal qual na experiência passada na última gestão republicana na Casa Branca.

O atual presidente americano (democrata) encerra um mandato visitando a Grécia, berço da democracia, concluindo um tempo no qual se tentou, ainda que simbolicamente, imprimir uma gestão de menos agressividade (comum aos EUA) em todos os sentidos, mas não tão exitosa, inclusive sem se evitar as continuadas ações preconceituosas, racistas e discriminatórias, embora tenha superado a crise econômica de 2008/09.

No Brasil o resultado das eleições municipais também permitiu análises com relação a um possível novo entendimento da sociedade e suas expectativas quanto às ações político-governamentais, o que pode estar sinalizando um desejo de mais “conservadorismo”, ou um posicionamento de se rechaçar posturas mais libertárias ou inovadoras. Isso pode ter ficado evidente nas principais capitais brasileiras, onde candidatos de pouca tradição política ou com posturas mais conservadoras se elegeram com relativa facilidade, ainda que a abstenção tenha sido muito grande e preocupante.

Entretanto convém salientar que, ao mesmo tempo, continua a ser observado um movimento judicial-policial de investigação-punição de lideranças políticas e empresários, alimentando-se uma continuada crise político-institucional na qual se observa que os brasileiros parecem ficar cada vez mais órfãos de lideranças e de instituições/organizações saudáveis.

Se por um lado alguns alegam que essa turbulência pode fortalecer as instituições, por outro há quem considere o aumento da sua fragilidade quando se observa ocorrências em que lideranças “batem boca” publicamente, com acusações mútuas, como os casos recentes envolvendo senadores com juízes de primeira instância, senadores com ministros de Estado, juízes de última instância discutindo com juízes de última instância, ex-governadores e importantes deputados federais sendo presos, grandes empresários tendo que delatar pra fugir da prisão, enfim…

Se algo nos conforta, é que parece que a crise não é só nossa. Muitos americanos e lideranças e segmentos de demais países também ficaram apreensivos com o resultado da eleição lá nos EUA, fazendo inevitável paralelo com a eleição e reeleição do último republicano e os fatos e desdobramentos decorrentes. É possível lembrar um editorial do jornal francês “Le Monde” num daqueles dias, que abertamente criticava a postura da sociedade americana em ter elegido e reeleito o candidato de então. Cabeça de eleitor é complicada…

Mas, enfim, não há bola de cristal que possa prever 2017. Em termos econômicos, principalmente. Todas as previsões feitas para os últimos anos erraram feio, salvo exceções bem exclusivas e pessimistas. A crise institucional, no Brasil tem trazido profundas feridas cuja cicatrização demorará muito a acontecer. Os seus impactos negativos na economia não têm sido desconstruídos. De resto é observar e torcer pra deixar de piorar. Parece que não temos a quem recorrer.

Márcio Araújo/Economista e Doutor em Administração

Sento-Sé: Professor faz apelo para conserto de esgoto estourado no centro da cidade

esgoto-sento-se

Um esgoto estourado há mais de um mês no Centro de Sento-Sé, norte da Bahia, vem tirando a paciência dos moradores. Revoltado, o professor Joilton Pereira Almeida – conhecido como ‘Professor Kito’ – entrou em contato com este Blog para fazer um apelo ao Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE) local.

Acompanhem:

Eu, Joilton Pereira Almeida (Professor Kito), aposentado pela Rede Estadual, venho apelar aos meios de comunicação competentes sobre um grave problema social, que incomoda a gente e agride a condição de cidadania. Pois há mais de um mês essa caixa da rede do sistema de esgotamento sanitário está com problema, poluindo a rua, expondo os moradores a maiores riscos de doenças típicas desse tipo de problema. Essa é a Avenida Dr. Demóstenes Nunes Sento-Sé (mesma rua lateral da Câmara Municipal de Vereadores) e que liga à Praça Dr. Juvêncio Alves (praça principal).

Já estive por três vezes na empresa pública SAAE (Serviço Autônomo de Água e Esgoto). A diretora da escolinha da foto também comunicou o problema e nada foi feito até o momento do envio dessa reclamação. A foto comprova o grave problema que precisa de solução desde o dia 8 de outubro, quando estourou o esgoto. Espero que a força da importância dos meios de comunicação possa sensibilizar autoridades competentes do importante órgão a resolver o problema social que nos incomoda e preocupa.

Joilton Pereira Almeida/Professor

Professor da USP ministrará palestra na Facape em oficina sobre Exportação

exportacaoA Faculdade de Ciências Aplicadas e Sociais de Petrolina realizará nesta quinta-feira (27) uma oficina que abordará a competitividade na Exportação. O evento terá a presença do professor da Universidade de São Paulo (USP), Henrique Pedrosa Chagas, e acontecerá das 8h às 18h.

Totalmente gratuita, a oficina é destinada a empresas que estão no início do processo de exportação ou que têm interesse de exportar no futuro. A programação pode ser conferida acessando aqui.

(c) 2015 Blog do Carlos Britto | produzido por agencialaguz.com.br