Em meio à polêmica sobre data do Corpus Christi em Petrolina, Vaticano fará procissão no domingo

Em meio a uma recente polêmica em Petrolina, por conta da decisão do prefeito Miguel Coelho em transferir a data do feriado de Corpus Christi para a próxima semana, o Vaticano tomou a mesma decisão, segundo informou o Portal Século News. Lá, a procissão de Corpus Christi acontecerá no domingo (18), e não nesta quinta (15) – quando este ano a comunidade católica em todo o mundo vai comemorar a data.

Já em Petrolina, o prefeito, que chegou até a receber críticas do bispo diocesano Manuel dos Reis por ter mudado o feriado para a próxima sexta (23), véspera de São João, revogou esse decreto. Miguel justificou ter voltado atrás após ouvir os apelos de representantes do comércio da cidade, que queriam a manutenção do feriado para amanhã.

Beijo gay apresentado em reportagem de TV vira polêmica na Casa Plínio Amorim

Um beijo romântico entre dois homens, exibido ontem (12) pela TV Grande Rio, numa reportagem alusiva ao Dia dos Namorados, deu o que falar na Casa Plínio Amorim. Indignado, o vereador Elias Jardim (PHS) – um dos que integram a bancada evangélica – protagonizou a polêmica durante a sessão plenária na manhã desta terça (13). (mais…)

Por meio de decreto, Miguel Coelho decide transferir data do feriado de Corpus Christi

Depois de divergências entre as entidades sindicais do comércio de Petrolina em relação ao feriado de Corpus Christi, o prefeito Miguel Coelho interveio e acabou com a discussão.

Por meio de decreto, o gestor transferiu a data do feriado, que neste ano cairia na quinta-feira (15), para o próximo dia 23 de junho. A decisão de Miguel Coelho já está, inclusive, no site da prefeitura (www.petrolina.pe.gov.br).

O problema é que o decreto do atual prefeito revoga uma lei, do antecessor dele, Julio Lossio (PMDB), baseada num projeto da ex-vereadora Anatélia Porto, determinando que o Corpus Christi seria comemorado em sua data oficial. Pelo visto, deve vir polêmica por aí.

 

Carnaíba: Prefeito mostra força na Câmara Municipal e deve emplacar polêmica redução de diárias dos servidores

Em Carnaíba (PE), no Sertão do Pajeú, um polêmico projeto de lei de autoria do Executivo Municipal vem rendendo assunto pelos quatro cantos da cidade. Orientados pelo prefeito Anchieta Patriota (PSB), os vereadores Alex Mendes, Victor Patriota, irmão Adilson, Antônio Chico, Cícero Batista e Everaldo Patriota querem reduzir as diárias do funcionalismo municipal de acordo com o projeto de Lei de Anchieta Patriota de N° 04/2017, que trata da disciplina e concessão de adiantamentos aos servidores para a realização de atividades administrativas fora da sede ou para realizações de eventos, feiras e programas especiais do município.  (mais…)

Polêmico caso de associação criada para representar três comunidades de Petrolina será encaminhado ao MPPE na próxima segunda-feira

Como este Blog mostrou ontem (9), a criação de uma nova associação de moradores, representando três comunidades de Petrolina, vem gerando polêmica nos últimos dias. A Associação Comunitária dos Moradores Unidos dos Bairros João de Deus, Monsenhor Bernardino e Vivendas é questionada quanto à legalidade para se criar uma entidade desse tipo, visto que as três já têm associações distintas, com a mesma finalidade: representar os comunitários.

Em entrevista a este Blog, o presidente da Associação Comunitária do João de Deus, Eugênio Alves, confirmou que o caso será levado ao Ministério Público de Pernambuco (MPPE) na próxima segunda-feira (12). “Eu e os presidentes das associações do Monsenhor Bernardino e do Vivendas vamos levar o caso ao Ministério Público na segunda-feira. Esperamos que o MP tome as providências com o grupo que fundou a associação e com quem deu apoio para que eles fundassem“, disse.

Segundo Eugênio, em Petrolina o posto de presidente de associações comunitárias desperta inveja e está em xeque por conta da politicagem. “O cargo de presidente, hoje, desperta uma certa inveja. Todo cidadão pode fazer reivindicações, mas não precisa ser presidente. Sou presidente há um ano. Eu nunca deixei de participar, de me envolver com os problemas da comunidade. Sempre fui representante de comunidade. O povo está desacreditado de associações comunitárias, por causa da politicagem. Não podemos vender as comunidades para políticos“, endossa.

O líder comunitário ainda afirmou já ter recebido o apoio da Federação das Associações do Município de Petrolina (Feamupe) e da Central Única de Bairros de Petrolina (Cubape). “Temos o apoio da Cubape e da Feamupe, e vamos nos reunir com outros presidentes de associações para que esse problema não se estenda“, finalizou, dizendo que se a associação tivesse sido criada para ajudar as comunidades, ele não iria se opor.

Nova mudança no trânsito em avenida da Cohab Massangano volta a virar polêmica

O trânsito de veículos na Avenida 32 da Cohab Massangano, zona oeste de Petrolina, virou novamente alvo de polêmica após a alteração feita pela Autarquia de Mobilidade Urbana (AMMPLA).

A via, que tinha sido transformada em mão única na gestão passada, voltou a ser mão dupla após a nova mudança. Como consequência, alguns comunitários da área não economizaram nas críticas.

Um deles contou a este Blog que a ação em transformar a avenida em mão única foi uma das poucas positivas do Governo Julio Lossio, mas por queixas de dois comerciantes apoiados por um vereador de Petrolina, voltou a ter o trânsito confuso de antes. O registro da foto acima é de 18h de ontem (1), mas o morador garante que tem sido assim diariamente, após a mudança. “A prefeitura nem tirou as placas das esquinas, que sinalizavam a direção dos veículos, e logo fica assim. Ninguém quer dar a vez. Lamentável”, desabafou. Está na bronca.

Sindimotos retoma atividades e poderá criar nova polêmica em Petrolina

Mliton Barbosa, um dos líderes dos mototaxistas de Petrolina, anunciou esta semana o retorno das atividades do Sindimotos – organização criada por ele para defender as causas dos profissionais desse serviço de concessão pública de transporte na cidadde. Mas junto com a volta da entidade, Milton falou também sobre uma mudança que deverá render uma nova polêmica.

Ele disse que pretende mudar para a cor azul, a camisa utilizada pelos mototaxistas associados ao Sindimotos. “Um decreto municipal poderá promover a mudança“, revela Milton.

Mas e a Lei municipal 698/97, a qual ordena uso somente das cores da bandeira de Petrolina (amaraela, vermelha e verde) em serviços, jogos, eventos e afins, que tenham recursos públicos municipais envolvidos? Caso Milton permaneça com a ideia, isso vai dar o que falar.

Gabriel Menezes cobra apoio de Miguel Coelho a eventos tradicionais do São João; governistas confirmam investimento

O vereador Gabriel Menezes (PSL), da bancada da oposição na Câmara de Petrolina, na sessão desta terça, 16, elogiou a programação oficial do São João da cidade, lançada pelo prefeito Miguel Coelho (PSB) na última sexta-feira, 12, mas se queixou que apesar do investimento apresentado pelo gestor para consolidar os festejos juninos do município como um dos destinos mais visitados do País na época, eventos tradicionais do calendário junino local, não estejam tendo a mesma atenção. A crítica está direcionada a um apoio mais consistente a eventos como a Jecana do Capim, Festival de Violeiros e Concurso dos Sanfoneiros promovido pela rádio Emissora Rural. (mais…)

Procurador-geral de Petrolina intervém em polêmica do monumento e garante: “Não foi construído com recursos públicos”

O procurador-geral da Prefeitura de Petrolina, Diniz Eduardo, decidiu se pronunciar acerca do mais novo equipamento turístico da cidade – o letreiro “#Eu Amo Petrolina”, inaugurado por Miguel Coelho na última quarta-feira (10). Quem acendeu a polêmica foi a vereadora Cristina Costa (PT), na sessão plenária da quinta (11), na Casa Plínio Amorim.

Segundo ela, o ‘Eu’ na cor azul da placa estaria ferindo uma lei municipal (nº 698 de 26 de junho de 1997), a qual determina que qualquer monumento construído ou adquirido pela administração precisa obrigatoriamente ter as cores da bandeira do município (verde, amarela e vermelha). Além destas, apenas a cor branca, por ser neutra, também pode ser incorporada. Mesmo tendo tomado conhecimento de que o letreiro foi construído por uma empresa privada, a Novo Centro, e doado ao município, a vereadora justifica que a área onde foi instalado é pública.

Diniz Eduardo ressaltou que o monumento não foi construído com recursos públicos, mas partiu da iniciativa de um empresário local, que decidiu doar o equipamento à prefeitura. “Por se tratar de um presente, entendemos que não contraria a lei. Seria ilógico a gente tratar um presente e exigir daquela pessoa que quer presentear o município quais as cores que a gente quer receber”, argumentou.

O procurador reforçou ainda que o prefeito Miguel Coelho (PSB) entendeu que o presente era para a população, e não para ele. Portanto, não poderia deixar de aceitá-lo por conta de um detalhe da cor. Diniz rechaçou também alguns comentários referentes ao coração no monumento (que assim como a cor azul, é emblemático de campanhas realizadas pelo grupo do atual prefeito). “O amor não é externado através de uma estrela, ou de uma pomba. É através do coração”, salientou. O procurador deixou claro que monumentos desse tipo existem em várias cidades e capitais do país, e fez questão de afirmar que a administração está aberta a receber, “de bom grado”, outras iniciativas semelhantes de empresários da cidade.

 

Pernambucano: Pênalti polêmico e árbitro de vídeo marcam empate no primeiro jogo da final entre Sport e Carcará

Terminou em muita polêmica o primeiro jogo da final do Campeonato Pernambucano Série A1, entre Sport e Salgueiro, na tarde de ontem (7) na Ilha do Retiro, no Recife. Pela primeira vez na história do futebol brasileiro, a partida foi decidida por meio da arbitragem de vídeo, que confirmou um penâlti contra o meia Toti, do Carcará, já no tempo final de acrescimentos, aos 49 minutos, quando o Leão vencia por 1×0.

Após mais de seis minutos consultando o lance pelo monitor eletrônico, o árbitro José Woshington da Silva decidiu confirmar a penalidade contra o atleta do Carcará. Jean Carlos foi para a cobrança, aos 54, empatou o jogo para o time sertanejo.

Em relação à partida, pode-se afirmar que houve dois momentos distintos. Na etapa inicial, o Sport tomou as rédeas, como era de se esperar, e tentou sufocar o adversário, que se preocupava muito mais em se defender. De tanto insistir, o Rubro negro abriu o placar com André, aos 27, numa sobra de bola na pequena área.

No segundo tempo, o Carcará – mesmo ainda atento à marcação – também saiu um pouco mais para o jogo. Tanto é que conseguiu uma bola no travessão do goleiro Magrão. No restante, o jogo foi apenas morno, já que a postura do Sport também foi desinteressada em relação ao primeiro tempo. O empate deixou o confronto final entre as duas equipes, no próximo dia 18 de junho, em aberto. O jogo será no Estádio Cornélio de Barros, em Salgueiro.  (Foto: Diego Nigro/JC Imagem)

 

Evitando polemizar, secretária diz que nota do coordenador de programa de residentes em Petrolina “foi precipitada”

Mesmo querendo encerrar definitivamente a polêmica da semana passada em relação ao Programa de Residência de Medicina de Família e Comunidade (PRMFC), desenvolvido em Petrolina em parceria entre município e Universidade Federal do vale do São Francisco (Univasf), a atual secretária de Saúde, Magnilde Albuquerque, considerou “precipitada” a atitude do coordenador do programa, o médico Flávio Arcângelis.

Ao contrário do que ele havia afirmado à imprensa, Magnilde ressaltou que jamais houve intenção, da parte do prefeito Miguel Coelho, em reduzir o número de residentes que atendem à Atenção Básica, por meio do PRMFC, acompanhados de seus preceptores. A secretária ressaltou que após ela e sua equipe serem apresentadas ao programa, propôs a Miguel uma ampliação desses residentes.

“Eles nos apresentaram o programa, e a gente entendeu que era muito importante para o município porque iria ajudar a população a ser atendida por profissionais qualificados e voltados para a estratégia da saúde da família. Então levei a Miguel. A gente discutiu e conversou sobre a proposta de aumentar o número de residência médica. E a gente conseguiu aprovar em março um projeto de lei na Câmara de Vereadores, aumentando em mais dez vagas, de 16 para 26, o número de residentes”, assegurou.

De acordo com Magnilde, o detalhe é que até o ano anterior (ainda no Governo Julio Lossio), os residentes que atuavam nas AMEs tinham como preceptores médicos dessas unidades. “No modelo novo que eles nos apresentaram, já não eram mais médicos dessas equipes. Os preceptores seriam médicos que estariam acompanhando todos os residentes dentro das equipes. E aí nossa única solicitação foi para ver de que forma legal isso poderia ser instituído. Não teve nenhum desacordo, nenhum desentendimento”, afirmou a secretária, dizendo ter ficado “triste” com a celeuma criada.

Contestação

Magnilde também contestou o fato de o coordenador do PRMFC ter justificado obstáculos por parte da atual gestão para atendê-lo. Ela garante que o médico foi “muito bem atendido” assim que ela assumiu a pasta. Em outra ocasião Arcângelis foi recebido por uma procuradora e uma técnica da equipe, em relação ao problema jurídico dos preceptores, e ambas repassaram todas as informações levantadas na ocasião à secretária. “Depois disso ele nos procurou sem agendar antes. Aí eu não estava na Secretaria. Infelizmente eu não estou à disposição a qualquer momento, porque tenho outras agendas”, explicou.

Na última quinta (27/04), quando Magnilde conseguiu marcar uma reunião com o reitor Julianeli Tolentino – que só não foi agendada antes devido a uma série de compromissos de Julianeli – a nota foi solta pelo coordenador à imprensa local.

“Estávamos resolvendo um problema jurídico, porque sou ordenadora de despesas e tenho de fazer as aplicações financeiras e pagamentos de forma legal. Eu estava dependendo dessa definição jurídica para resolver alguns problemas internos. Mas os residentes já estão nas AMEs, já estão nas unidades de saúde. O que me entristeceu foi ele soltar a nota sabendo que ia ter a reunião, e me entristeceu mais ainda por ele dizer que a reunião só houve porque ele soltou a nota, quando na própria nota ele coloca que a reunião estava marcada para o dia 27”, declarou Magnilde. Ela evitou especular, no entanto, se o fato teria cunho político.

Jaguarari: Decisão do prefeito em fazer dez dias de festejos juninos causa polêmica

Em Jaguarari, no norte da Bahia, uma decisão do atual prefeito Everton Rocha está causando polêmica e dividindo opiniões. O gestor confirmou dez dias de festejos no São João da cidade, apesar delicado que atravessa a saúde pública.

Para uma parte da população, o prefeito (que é também proprietário da única emissora de rádio local) “parece valorizar o supérfluo e esquecer totalmente a saúde municipal”. Além da situação precária das instalações físicas dos postos, existe falta até de medicamentos básicos como também de aparelhos essenciais para seu devido funcionamento.

Segundo uma fonte do Blog, os acertos firmados verbalmente, quando da realização dos contratos por escrito, estão abaixo dos valores inicialmente acertados. A data dos pagamentos está sendo postergada entre oito a dez dias, o que comprovaria “a irresponsabilidade da gestão municipal”. Com a palavra, a prefeitura. (Foto/reprodução)

Paulo Valgueiro joga para jurídico e presidente da Câmara presença de servidor da PMP sobre polêmica ‘mala preta’

Frisando que fez o papel de fiscalizador e defensor do Legislativo Municipal de Petrolina, o líder da oposição, vereador Paulo Valgueiro (PMDB), disse nesta quinta-feira, 20, que agora caberá aos advogados da Casa e ao presidente da Mesa Diretora, Osório Siqueira (PSB), a vinda do servidor Talles Khalil para esclarecimentos, conforme aprovado no seu requerimentos na última terça, 18.

O servidor foi acusado pelos vereadores de denegrir a imagem da Câmara e dos vereadores, ao espalhar nas redes sociais, segundo Valgueiro em seu requerimento, um banner apócrifo sobre uma suposta ‘mala preta’ na Casa Plínio Amorim em troca da aprovação das contas do ex-prefeito Julio Lóssio (PMDB).

O servidor mandou informar que não iria porque o Regimento Interno da Câmara não permite. O vereador da situação, Aero Cruz (PSB), reforçou o argumento de Talles após consultar o departamento jurídico da Casa, mas Valgueiro afirma que fez o seu papel de fiscalizador.

“O requerimento foi aprovado e cabe ao presidente a Casa e ao jurídico convocar ou não o servidor. Fiz minha parte. Ficará agora a cargo da presidência”, ressaltou, lembrando que quem encaminha o requerimento é Osório. Sobre a defesa de Aero ao servidor, Valgueiro não deixou passar em branco. “Se Aero consegue afirmar que não foi Talles Khalil, então ele deve sabe quem foi. Essas definições de obrigar ou não a vinda do servidor, repito, cabe agora ao jurídico da Casa. Minha função é fiscalizar”, acrescentou o oposicionista.

Julio Lossio Filho

Quem também falou sobre esse assunto foi o estudante de Direito, Julio Lossio Filho, presidente municipal do PMDB, que veio passar o feriado na cidade e foi à Casa Plínio Amorim, a convite dos amigos peemedebistas na Câmara. Filho do ex-prefeito, Julinho tachou de “falta de respeito” com a imagem do seu pai o envio do banner da ‘mala preta’.

“Eu achei muita falta de respeito, até porque meu pai não está aqui para responder. As contas dele foram aprovadas pelo Tribunal de Contas, e aqui cada um sabe o que faz e irá avaliar com suas consciências”, destacou, frisando que o melhor é que tanto o grupo do pai dele como o do atual prefeito Miguel Coelho (PSB), trabalham “pelo melhor por Petrolina”.

 

Vereador oposicionista mostra estar desinformado em relação a recente polêmica na Casa Plínio Amorim

Difícil a situação da Câmara de Vereadores de Petrolina. Nossos parlamentares poderiam aproveitar o tempo de forma mais eficiente para ações mais produtivas. Estudar, por exemplo.

Poderiam começar pela Lei Orgânica e o Regimento Interno. Se o vereador Paulo Valgueiro (PMDB), por exemplo, fizesse isso, não estaria promovendo um ‘cavalo de batalha’ por uma questão inconstitucional e desprovida de amparo legal.

É que o artigo 222 do Regimento Interno da Casa Plínio Amorim é muito claro: diz que só podem ser convocados para prestar esclarecimentos secretários ou responsáveis por entidades públicas da administração. Somente o responsável. Ainda assim, esse profissional só estará obrigado a responder assuntos da administração do órgão ao qual está veiculado.

Portanto, o servidor comissionado Talles Khalil não é obrigado a comparecer à Casa. Ou seja, o vereador está desinformado. Esperamos um nível melhor de trabalho até o final dessa legislatura.

Lideranças comunitárias prometem campanha para faculdade de Medicina de Juazeiro permanecer em área

Representantes dos moradores de bairros como Parque Residencial, Antônio Guilhermino, Brisa da Serra, João Paulo II e adjacências, em Juazeiro (BA), prometem ir às ruas da cidade para evitar que a faculdade de Medicina, que deverá se instalar na cidade, não troque o terreno próximo a essas comunidades por outro localizado na área do Juá Garden Shopping.

Lideranças como Jackson Reis, do Parque Residencial; Antônio Castro, presidente da Associação de Moradores do Antônio Guilhermino; e Cláudio Rodrigues, líder comunitário do Residencial Brisa da Serra afirmaram que estão atentos aos desdobramentos desse impasse e antes de qualquer campanha na rua, pretendem conversar com o prefeito Paulo Bomfim e o ex-prefeito e atual secretário de Planejamento Estratégico do município, Isaac Carvalho.

“Inicialmente nós queremos conversar com o prefeito e o ex-prefeito para se buscar meios de manter a faculdade na nossa área. Queremos entendimento. Caso contrário, vamos às ruas de Juazeiro com todo poder de mobilização que a gente tem”, antecipou Jackson Reis.

Para Antônio Castro, se a unidade for para um terreno autorizado e licitado, localizado no João Paulo II, a população irá ter muito benefícios. “Um novo campus, hospital-escola, policlínica, geração de emprego e renda e mais dinheiro para a saúde. Além disso, a faculdade ocupará uma área de apenas 3 mil metros quadrados no shopping, quando poderia ocupar 13 mil metros quadrados em nossa comunidade”, revelou Castro. (Foto/reprodução internet)

(c) 2015 Blog do Carlos Britto | produzido por proximavenda.com.br