Casa Plínio Amorim sem projetos nesta terça-feira

nova mesa casa plinio amorim_640x360A sessão desta terça-feira (10) na Casa Plínio Amorim, em Petrolina, promete ser tranquila. Depois da polêmica do projeto do Executivo que propõe mudanças para professores readaptados, não há nenhuma votação agendada para hoje, segundo a assessoria de comunicação da Câmara.

A expectativa é de que o projeto volte a ser discutido pelos vereadores, assim como outros temas que circulam na cidade. Dois projetos – um do Legislativo e outro do Executivo – ainda poderão entrar na pauta desta terça-feira. A sessão está marcada para as 18h.

Trabalhadores da Construção Civil de PE discutem com secretário executivo da Casa Civil atraso no pagamento dos salários

Construção civil

Representantes do Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil de Pernambuco reuniram-se na manhã desta quarta-feira (29) com o secretário-executivo de Planejamento e Gestão da Casa Civil do Governo do Estado, Ivan Rodrigues. A comissão apresentou ao secretário pontos relativos à campanha salarial da categoria e também questões como atraso no pagamento de salários por parte de empresas que mantêm contratos com o Governo.

O secretário afirmou que possíveis atrasos no pagamento de salários serão apurados e ressaltou que as demais reivindicações da campanha salarial em curso devem ser submetidas e apreciadas pela Justiça do Trabalho, que é o fórum competente de mediação junto à classe patronal. (Fonte/Fotos: Paulo Sérgio Sales/SEI-PE)

Oficiais da capital e do interior da Bahia realizam assembleia para debater pauta de reivindicações

downloadA noite de ontem (18) foi marcada pela Assembleia dos Oficiais da capital e do interior da Bahia. Em pauta, o grupo discutiu as propostas que serão encaminhadas ao governador Jacques Wagner (PT) para a elaboração do novo estatuto da categoria.

Os 700 oficiais presentes ao encontro debateram temas como a nova Lei de Organização Básica, o Código  de Ética da corporação e direitos e deveres da categoria. As propostas serão encaminhadas ao governador, que deve se posicionar sobre a pauta até esta sexta-feira (21).

Na assembleia, o item mais discutido foi a implementação da remuneração por subsídio e o reajuste da Gratificação de Atividade de Policial Militar (GAPM) na proporção de 10,06%. A categoria decidiu ainda pela formação de uma Assembleia Conjunta com as demais sindicâncias da classe. As informações são da Associação dos Oficiais da PMBA.

‘O Vale Acordou’ divulga pauta de reivindicações para ato público no dia 7 de Setembro

manifestantes Vale AcordouEm comunicado divulgado à imprensa, integrantes do Movimento ‘O Vale Acordou’ definiram a pauta de reivindicações que será levada às ruas, num ato público marcado para o feriado da Independência do Brasil, neste sábado (7).

Além da questão local – a mobilidade urbana –, o grupo vai clamar pelos seguintes pontos:

– Diminuição na carga tributária sobre produtos da cesta básica, remédios e diesel no transporte público;

– Aprovação e cumprimento do Plano Nacional da Educação;

– Aumento na qualidade do atendimento médico;

– Fim do voto secreto nas sessões em todas as câmaras legislativas do país;

– O fim de privilégios parlamentares entre eles foro privilegiado e aposentadorias por mandatos;

– Condenação e prisão dos mensaleiros;

– Aprovação e cumprimento da Lei de Combate à Corrupção;

– Diminuição do número de deputados;

– Reformas política e tributária;

– Flexibilização na lei de criação de leis por iniciativa popular.

A nova manifestação do ‘Vale Acordou’ acontecerá em Juazeiro, a partir das 6h30, e terá como concentração o ponto das barquinhas. (Foto/arquivo Blog)

Após ocupar prédio da Univasf, DCE vai deliberar sobre pauta discutida em reunião com reitoria

Univasf ocupada DCEO Diretório Central dos Estudantes (DCE) da Universidade Federal do Vale do São Francisco deverá promover uma assembleia, ainda na noite de hoje (19), para deliberar sobre o resultado da conversa que uma comissão de integrantes da entidade teve com a reitoria em Petrolina, após a ocupação pacífica do prédio nesta manhã.

O Diretório reivindica, como principal item, ações da universidade que visem à permanência dos estudantes. Segundo a presidente do DCE, Robisnayara Barbosa, a pauta é antiga e faz parte da política nacional de interiorização do ensino superior – que, no caso da Univasf, ainda possui muitas lacunas.

Entre os pontos cobrados estão a implantação de um restaurante universitário, residência estudantil e creches para mães que estudam na instituição. O transporte dos alunos é outro item que entrou nas discussões. A maior reclamação diz respeito ao campus de Ciências Agrárias, localizado no C1 do perímetro Senador Nilo Coelho (a pouco mais de 10 km da sede).

Robisnayara explicou que várias reuniões foram feitas entre a reitoria, o DCE e a Empresa Petrolinense de Trânsito e Transporte Coletivo (EPTTC) no sentido de melhorar as condições dos ônibus e aumentar a quantidade de veículos para atender a linha. Mas nada avançou até agora. “A prefeitura ainda não assumiu, de fato, sua responsabilidade, sob a justificativa de que está fazendo o plano diretor”, informou a líder estudantil. Ela também deixou claro que a pauta atendida pela prefeitura, no quesito transporte, em relação ao Movimento ‘O Vale Acordou’, é diferente da que o DCE reivindica. “Nossa pauta não está sendo atendida”, completou.

Avaliação

Outra representante do DCE, Tatiana Aline mostrou-se otimista com o resultado da reunião de hoje em alguns pontos, mas ressalta que a maioria só dever ser concretizada em médio prazo. “É que não depende apenas do reitor (Julianeli Tolentino)”, avaliou. De qualquer forma, ela disse esperar que a reitoria se posicione de maneira mais evidente em relação à pauta. Hoje cedo, por meio de nota da assessoria, o reitor Julianeli já demonstrou disposição em atender os estudantes, dentro do possível.

Tatiane informou ainda que, após deliberar a pauta com os discentes, o DCE vai analisar se continua ou não a ocupar o prédio. Ela adiantou que amanhã (20), a partir das 19h, a entidade dever promover, no mesmo local, um debate sobre a adesão do município ao programa ‘Mais Médicos’, do governo federal, alvo de polêmica em todo o País.

Servidores da Codevasf em Juazeiro paralisarão as atividades na próxima terça-feira

Sinpaf CodevasfOs servidores da 6ª Superintendência Regional (SR) da Codevasf, em Juazeiro, irão cruzar os braços na próxima terça-feira (23). A decisão foi anunciada ontem (19), durante uma assembleia extraordinária realizada pelo Sindicato dos Trabalhadores de Pesquisa e Desenvolvimento Agropecuário (Sinpaf).

Na pauta de reivindicações, os trabalhadores pedem reajuste salarial, Plano de Cargos e Salários, acordo judicial para alguns servidores que estão com dois anos de atraso (valor de R$ 18,8 milhões) e plano de saúde.

A paralisação é de advertência e os servidores não descartam a possibilidade de greve. De acordo com o presidente regional do Sinpaf, Hércules Moraes, a mobilização segue o cronograma nacional do Sindicato. “Até o momento, não existe valorização profissional por parte da direção da empresa. Só há promessas”, afirma.

Após cartazes, Lóssio afirma que só voltará ao diálogo com ‘O Vale Acordou’ se prédio da prefeitura for totalmente desocupado

O vale acordou na prefeituraNuma nota enviada à imprensa por meio da assessoria de comunicação, a Prefeitura de Petrolina ressalta que só haverá nova tentativa de negociação da pauta reivindicada pelo Movimento ‘O Vale Acordou’ se os integrantes desocuparem por completo o prédio da prefeitura.

A decisão foi tomada pelo prefeito Júlio Lóssio (PMDB) após um fato registrado ontem (19), quando cartazes tachando o gestor de corrupto foram afixados no prédio. Confiram a nota, na íntegra:

Nos últimos dois dias, o prefeito Júlio Lóssio nomeou uma comissão para dialogar com representantes do movimento “O Vale Acordou”. A proposta sempre é a de ouvir as demandas e dar encaminhamento no que estiver dentro das possibilidades e for de competência da Prefeitura de Petrolina.

Avanços como o encaminhamento à Câmara de Vereadores do projeto de lei para a redução de 2% para 0,1% do ISS – o que vai possibilitar a redução de mais cinco centavos na tarifa do ônibus. Saliente-se que no último mês de junho, o prefeito já havia conseguido negociar a redução de cinco centavos. Portanto, essa redução pode levar a dez centavos a menos na tarifa; instalação do Conselho Municipal de Transporte; criação de um Fundo de Modernização da Frota; solicitação ao governo de PE para a redução de ICMS do óleo combustível, neste caso a Prefeitura, inclusive abrindo mão da sua cota-parte.

Esses encaminhamentos citados já foram encaminhados. Vale ressaltar que esses diálogos têm contado também com a intervenção da Diocese e da Câmara de Vereadores.

No entanto, em virtude de alguns excessos cometidos por alguns membros do movimento, a prefeitura de Petrolina informa que só volta a dialogar e buscar avançar nas pontuações colocadas pelo movimento, quando o prédio da Prefeitura de Petrolina for desocupado totalmente, dando cumprimento total a decisão judicial que foi expedida na última semana.

Certos de contarmos com o apoio de todos, reforçamos mais uma vez que sempre estamos abertos ao diálogo e ao fortalecimento da democracia.

Prefeitura de Petrolina/Ascom

Sindicato de aeroportuários aprova greve nos 63 aeroportos administrados pela Infraero

Aeroporto1-640x350Mais de 60 aeroportos brasileiros podem parar suas atividades no próximo dia 31. A informação é do Sindicato Nacional dos Aeroportuários (Sina), que marcou para esta data uma greve por tempo indeterminado nos terminais administrados pela estatal Infraero. De acordo com uma reportagem publicada na edição desta sexta-feira (19) no Globo Online, o sindicato confirmou, ontem (18), que o movimento teve adesão de 89% dos presentes nas assembleias feitas em todo país na última quarta-feira (17). A organização representa 13,6 mil funcionários da estatal.

A data-base da categoria é 1º de maio e, desde então, foi feita apenas uma rodada de negociação. O sindicato destacou que entre os principais pontos da pauta de reivindicações dos funcionários que não foram atendidos pela estatal estão o aumento salarial real (descontada a inflação) de 9,5% e melhorias em benefícios como o auxílio-creche.

Severino Macedo, presidente do conselho fiscal do Sina, disse ainda que a Infraero só renovará 71 cláusulas do acordo firmado no ano passado, que incluía 89 itens. Entre os pontos que ficariam de fora está o adicional por tempo de serviço de 1% sobre o salário por ano de casa. O adicional noturno, hoje de 60% sobre o salário, cairia para 20%. “A greve não é para cometer irresponsabilidade. Não vão ser os aeroportuários que vão atrapalhar o Papa Chico não. Mas temos que fazer pressão”, disse Macedo. (De Agência)

Sintrab/Saúde fará nova assembleia extraordinária em Juazeiro nesta sexta

sintrabO Sindicato dos Trabalhadores da Saúde (Sintrab/Saúde) em Juazeiro fará nesta sexta-feira (5), às9h, mais uma assembleia extraordinária com a categoria.

Na pauta, a resposta da prefeitura municipal às reivindicações dos servidores – a principal delas é a reposição salarial.

A assembleia acontecerá no Clube 15 de Novembro (conhecido como Clube dos Caçadores), localizado na Avenida Adolfo Viana, próximo ao antigo hospital Semec, e está aberta aos servidores filiados ou não.

Ao cobrar pauta, presidente do Sindsemp escancara situação a vereadores: “Tem profissional da EPTTC empurrando viatura”

servidores_640x480A presidente do Sindicato dos Servidores Municipais de Petrolina (Sindsemp), Léia Araújo, descreveu um verdadeiro quadro de penúria pelo qual estão passando os funcionários do município. O relato foi feito durante sessão ordinária de ontem (14), na Casa Plínio Amorim, onde Léia e sua equipe do Sindsemp foram pedir apoio dos vereadores ao movimento grevista deflagrado pela categoria na semana passada.

Por meio de um retroprojetor, Leia mostrou a situação dos guardas municipais, que têm apenas quatro coletes à prova de bala – e comprados do próprio bolso. Revelou ainda que os guardas estão sem fardamento e os agentes da Empresa Petrolinense de Trânsito e Transporte Coletivo (EPTTC) são obrigados a empurrarem a viatura que dá problemas quando estão fazendo rondas.

Isso é uma vergonha para Petrolina”, desabafou. Ela mostrou também o prédio da EPTTC, o qual está com o piso cedendo e apresentando rachaduras por toda parte. “Dá pra passar um envelope pelas rachaduras”, disse Léia. A lista de problemas apresentados pelo Sindicato tem ainda uma unidade de Atendimento Multiprofissional (AME) com obras paralisadas, banheiros de escolas da rede municipal sem condições de uso e postos de saúde precários.

Segundo Léia, “nada disso é novidade”, já que desde setembro de 2012 o Sindsemp vem tentando um diálogo sobre o Executivo, não só sobre o reajuste de salários, como também as condições de trabalho dos servidores.

A presidente afirmou ainda que o Sindicato chegou a reduzir a proposta, de 11% para 7% da dotação orçamentária do município com gastos de pessoal – tirando desse perfil os professores e agentes de saúde, cujos custos têm verba garantida do governo federal. Mas a contraproposta apresentada pela prefeitura excluía benefícios garantidos como pó-de-giz. Léia informou também que os profissionais da Saúde da Família também não foram contemplados, “como se tivessem deixado de ser servidores municipais”, criticou.

Sem festejos

Na pauta apresentada à administração, além de condições de trabalho, o Sindsemp exige que o prefeito Júlio Lóssio (PMDB) adeque o Plano de Cargos e Carreiras (PCC) e respeite os níveis de formação e carga horária dos servidores – o que, segundo ela, não está acontecendo. Também quer a antecipação da data-base da categoria (de maio para janeiro), outro ponto divergente entre as duas partes.

Em meio às reivindicações, a presidente do Sindsemp bateu forte em relação à programação junina, anunciada recentemente por Lóssio. Segundo Léia, o prefeito alega que a crise financeira do município impede a prefeitura de atender às reivindicações da categoria, mas não o fato de gastar R$ 8 milhões nos festejos deste ano. “Só há crise para os servidores. Mas na hora de reajustar o próprio salário, de contratar cargos de apadrinhados e de anunciar o São João, aí não existe nenhuma crise. Se o município está em crise, alguém mente ao dizer que temos o que comemorar”, afirmou Léia, sobre os festejos.

Vereadores

A sessão foi conturbada em alguns momentos, já que vários servidores lotaram o plenário da Casa e vaiaram alguns vereadores da bancada governista. Um deles foi o próprio líder, Elismar Gonçalves, que se mostrou determinado na defesa da administração. “Já conversei com Léia, sei das dificuldades dos servidores, mas entendo também as dificuldades (financeiras) do governo. Na hora em que o prefeito enviar o projeto (de reajuste) a esta Casa, estarei do lado dos servidores. Mas hoje tenho um lado e defendo uma posição. Pelo fato de estar com o prefeito, não tenho que baixar a cabeça ou calar a boca”, desabafou.

Em contrapartida, os vereadores oposicionistas fecharam apoio ao Sindicato e garantiram levar o impasse até o último instante. O líder da bancada, Ronaldo Cancão (PSL), chegou a falar novamente em trancar a pauta, sendo contestado por sua colega Cristina Costa (PT), a qual afirmou que a prerrogativa é somente do presidente da Mesa Diretora, Osório Siqueira. Ronaldo, por sua vez, deixou claro que não votará nenhum outro projeto enviado por Lóssio enquanto a pauta dos servidores não for cumprida pelo Executivo, e foi seguido por alguns colegas da bancada.

(c) 2015 Blog do Carlos Britto | produzido por proximavenda.com.br