Líder da oposição endurece nas críticas e reclama de falta de transparência da bancada governista na Casa Plínio Amorim

O vereador Paulo Valgueiro (PMDB), líder da oposição na Câmara de Petrolina, anda reclamando da falta de transparência dos colegas da bancada de apoio ao prefeito Miguel Coelho (PSB). Em nota enviada à imprensa, Paulinho, como é conhecido, declara que propôs na última sessão plenária, na quinta-feira, 23, requerimento com o objetivo de solicitar informações sobre o processo seletivo promovido pela Prefeitura destinado à contratações temporárias para a secretaria municipal de Desenvolvimento Social e Recursos Humanos. Ele também sugeria a possibilidade de suspender o processo até que seja esclarecida a legalidade da forma de inscrição e escolha dos candidatos. Mas o requerimento foi rejeitado

“Saliente-se que muitas são as denúncias de irregularidades que se apresentam, sempre no sentido de influências externas ao certame, haja vista, a modalidade escolhida não testar o conhecimento das pessoas, tendo em vista que a seleção tem exigido somente a entrega de curriculum para a escolha dos contratados”, justificou o oposicionista no texto do requerimento.

Diante dessas irregularidades, e em nome do princípio da transparência, Valgueiro afirmou no requerimento, “ser obrigação da administração municipal prezar por ele”, por isso apresentou a solicitação. O peemedebista acrescenta que a rejeição ao seu requerimento, deixou claro a ausência de transparência no processo seletivo e teceu duras críticas diante da interferência do poder executivo nos trabalhos da Câmara de Vereadores de Petrolina.

“Petrolina foi surpreendida pelo rolo compressor do Poder Executivo, pelo simples fato de requerer transparência nos atos da administração pública municipal. Votando a rejeição ao requerimento de minha autoria, entendo que essa ação conjunta dos representantes do executivo e os colegas vereadores para barrar o requerimento nos faz refletir sobre a real possibilidade de existirem problemas no processo seletivo questionado que não possam ser trazidos a público”, alfinetou o líder da oposição.

Paulinho lembrou na nota que “o trator” da situação também derrubou uma moção de repúdio de autoria do vereador Gabriel Menezes (PSL), também da bancada de oposição, e subscrito por ele, repudiando o posicionamento dos deputados federais de Pernambuco que votaram à favor do projeto de lei nº 4302/98 que permite a terceirização das contratações para qualquer tipo de atividade das empresas.

“A grande decepção da população é saber a forma como o Poder Executivo quer interferir nos atos da Câmara, e o que é pior, assistirmos a maneira subserviente de alguns vereadores com relação aos comandos. Isso é motivo de grande preocupação, pois fere o princípio da independência harmônica entre os poderes”, conclui Paulo.

Projeto do poder executivo tem tramitação ágil e é aprovado na Câmara; já o dos quebradores de pedra artesanal ainda não foi concluído

Um projeto de lei, do Poder Executivo, chegou à Câmara de Petrolina e em menos de dois dias foi para a pauta da sessão plenária e aprovado. Já o outro que inclusive já está aprovado em primeira discussão, que retornaria para conclusão da votação, não chegou à Mesa Diretora na quinta-feira (23). O texto, dos vereadores Ronaldo Souza IPTB) e Gabriel Menezes (PSL), regulamenta a profissão de quebrador de pedra artesanal, atividade principal para a sobrevivência de famílias da comunidade de Serrote Pelado, zona rural de Petrolina.

Recebemos com surpresa a pauta da sessão sem esse projeto, já que os colegas da situação tinham deixado claro que o texto seria votado nesta sessão. Está faltando respeito com as famílias que precisam dessa regulamentação. Para nós da oposição, não há interesse do poder executivo para que esse projeto seja aprovado, por isso estão se fazendo essas manobras para que seja deixado de lado”, enfatizou Paulo Valgueiro (PMDB), líder da oposição.

Presidente da Casa, o vereador Osório Siqueira (PSB), frisou que não teria ficado acordado que o PL dos quebradores de pedra entraria nesta quinta na pauta da Casa. Ele no entanto tranquilizou os interessados em ver a conclusão da votação que pode ocorrer na próxima terça (28).

O líder da situação pediu para retirar. Não se obrigava voltar à pauta na sessão de hoje, mas conversamos com os autores e terça concluiremos a votação. Se será aprovado ou não aí só com colegas, mas vou botar sim na pauta”, prometeu Osório.

Líder da oposição solicita ao prefeito Miguel Coelho a suspensão da seleção de secretaria de Desenvolvimento Social

O líder da oposição na Câmara de Petrolina, vereador Paulo Valgueiro (PMDB), deve apresentar nesta terça-feira, 21, requerimento solicitando informações sobre a seleção simplificada que vem sendo promovida pela secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos da Prefeitura de Petrolina. Ele explica que diante de irregularidades que chegaram ao seu conhecimento e da oposição na Casa Plínio Amorim, vai apresentar o requerimento, mas Paulinho resolveu provocar o prefeito Miguel Coelho (PSB) para que promova a suspensão do processo.

São denúncias de pessoas furando a fila porque fulano pediu, com critérios nada transparentes, pois é uma seleção que não testa o conhecimento das pessoas. Então diante dessas irregularidades, antes que seja através de ação no Ministério Público, seria uma  atitude sensata do prefeito suspender a seleção, para tornar o processo totalmente transparente“, frisou Valgueiro. As inscrições para a seleção da pasta da área social do município seguem até 24 de fevereiro e tem exigido somente a entrega de curriculum para a escolha das contratações.

Ruy Wanderley assume erro em votação de requerimento contra o governo, mas nega que tenha levado ‘bola nas costas’

O líder do governo na Câmara Municipal de Petrolina, vereador Ruy Wanderley (PSC), disse nesta terça-feira, 21, em seu discurso na tribuna da Casa Plínio Amorim, que assumia o erro por votação de requerimento do integrante da bancada de oposição, Paulo Valgueiro (PMDB), que contou com os votos da situação para ser aprovado na última quinta, 16. Entretanto o líder discorda de que tenha levado uma ‘bola nas costas’, termo usado em matéria postada neste Blog pelo descuido dos governistas.

“Não foi bola nas costas de forma alguma. Como líder, assumo o erro. Estou no comando da bancada com a confiança do prefeito Miguel Coelho. Tenho minha responsabilidade como líder. Não estaria aqui se por acaso achar que algo poderia ferir minhas convicções. Sempre falo como penso com o prefeito, porque acho que discordar é normal. Nessa liderança, o prefeito nunca me pediu nada que eu não pudesse fazer”, assinalou.

O requerimento de Valgueiro solicita declaração de renda e de domicílio eleitoral dos secretários municipais. Para Ruy, é direitos do vereador pedir informações. “Aprovar ou não, faz parte. Todos têm esse direito, sim”, justificou o líder governista.

Integrantes da oposição na Casa Plínio Amorim garantem que CPI do Nova Semente não passou por eles

O polêmico pedido de instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) na Casa Plínio amorim, proposto pelo vereador Ronaldo Cancão (PTB) para investigar supostas irregularidades na condução do Programa Nova Semente em Petrolina, gerou controvérsia na primeira sessão plenária do ano, realizada na manhã desta quinta-feira (2). Dois dos integrantes da oposição, Professor Gilmar Santos (PT) e o líder da bancada Paulo Valgueiro (PMDB), garantem que o documento sobre o assunto não passou por eles.

De acordo com o Professor Gilmar, a oposição sequer foi convidada para esse debate. “Fomos surpreendidos pela bancada governista”, declarou o petista. Gilmar deixou claro, contudo, que nem ele nem seus colegas de bancada terão dificuldades em respaldar a CPI, desde que as suspeitas de irregularidades sejam confirmadas.

O vereador disse que a dúvida é saber se a proposta é de qualificar ou inviabilizar o Nova Semente, diante das medidas tomadas recentemente pelo prefeito Miguel Coelho (PSB). “Já temos um prejuízo com a demissão de sementeiras, com as crianças que vão ficar sem acompanhamento, e de repente você tem uma CPI sendo apresentada no ‘calor’, sem uma análise mais crítica”, alfinetou.

Paulo Valgueiro foi mais além. Segundo o vereador, os governistas “tentam mudar o foco” ao falar em CPI porque estão vendo a repercussão negativa junto aos petrolinenses do novo modelo de Nova Semente apresentado pela atual gestão.

“Cabide de empregos”

Valgueiro rebateu os comentários de que o programa idealizado pelo ex-prefeito Julio Lossio (PMDB), seu aliado, seja um cabide de empregos”. Aliados de Miguel, e o próprio prefeito, justificam que o antecessor inaugurou unidades do Nova Semente no apagar das luzes, sem haver necessidade. Valgueiro justifica que o programa é exitoso justamente porque arregimentou mão de obra para cuidar das crianças, melhorando indicadores educacionais (Ideb) e sociais em Petrolina. Valgueiro disse que o papel de investigar o programa não é só do Ministério Público ou da Polícia Judiciária, é também do Legislativo. “Mas é preciso ver se realmente há algo errado com o Nova Semente”, ponderou.

Oposição confirma nome de Paulo Valgueiro para ser líder da bancada na Câmara de Petrolina

Uma reunião ocorrida nesta sexta-feira, 27, confirmou o nome do vereador Paulo Valgueiro (PMDB) como líder da oposição na Câmara de Vereadores de Petrolina. O encontro também definiu que a vereadora Cristina Costa (PT) será a vice-líder dos oposicionistas na Casa Plínio Amorim.

Segundo nota da assessoria de Valgueiro, o nome do peemedebista foi aclamado para comandar a oposição nas reuniões do Legislativo Municipal petrolinense. A estreia de Valgueiro como líder oposicionista poderá ser conferida na próxima quinta-feira, 2, como o retorno das sessões plenárias na Casa. (mais…)

Paulo Valgueiro contesta crítica de que teria votado contrário a aumento de subsídios do prefeito e secretariado

Em contato com este Blog, o vereador e futuro líder da bancada de oposição na Casa Plínio Amorim, Paulo Valgueiro (PMDB), contestou de que teria se posicionado contra o reajuste nos subsídios do prefeito Miguel Coelho (PSB) e do seu secretariado.

“Não poderia ser contra, até porque sou funcionário público”, argumentou. Valgueiro disse que sua postura contrária foi em relação aos erros contidos no projeto da reforma administrativa enviada pelo atual gestor à Casa Plínio Amorim. Para o líder da oposição, Miguel fala em diminuir secretarias para enxugar despesas, mas na prática vai em outra direção ao aumentar o número de cargos comissionados na sua administração. “Sou contra o discurso dúbio”, disse, referindo-se ao prefeito.

Valgueiro afirmou ainda que Miguel poderá ter problemas no futuro com o Ministério Público, da maneira como a reforma foi aprovada.

Paulo Valgueiro assumirá liderança da bancada oposicionista na Casa Plínio Amorim

Não foi preciso chegar até o final do mês, como havia adiantado semana passada o vereador Paulo Valgueiro (PMDB), para a bancada de oposição definir quem será seu líder na Câmara Municipal de Petrolina.

Como o Blog já havia especulado, Valgueiro ficará com essa missão.

O martelo foi batido em reunião realizada no último final de semana, entre os integrantes da bancada.

A única indefinição ficou por conta de quem será o vice-líder.

O aumento de salários e a falta de coerência

Embora o ano esteja apenas começando, as sessões da Câmara de Vereadores de Petrolina, mesmo que extraordinárias, já registram embates duros. A legislatura é nova, mas a acidez nos remete a um passado muito próximo.

Na oposição os vereadores Paulo Valgueiro (PMDB), Cristina Costa e professor Gilmar (ambos PT) já deram o tom: vão marcar em cima. E eles estão certíssimos.

Foram eleitos pela oposição e precisam mesmo fiscalizar o governo e as ações do prefeito Miguel Coelho (PSB). Aliás, fiscalizar e elaborar leis é papel de todo legislador, mas é preciso responsabilidade e coerência.

Cristina Costa e Paulo Valgueiro criticaram duramente o aumento dos salários do prefeito e dos secretários. A própria Cristina enviou nota pública dizendo que não concordou e nem votou no aumento dos salários dos vereadores.

Mas não se viu uma linha dos dois vereadores abrindo mão do próprio salário. Sim, mesmo quem não votou no aumento pode, sim, abrir mão desse ajuste. Espera-se do legislador e de toda autoridade política fiscalização, crítica, oposição ou qualquer item inerente a sua natureza política, mas se espera também que pratique o que cobra: coerência. De outra forma é apenas falácia, discurso e proselitismo político. Apenas isso.

Escolha de líder da oposição na Casa Plínio Amorim deve sair até final do mês, diz Paulo Valgueiro

Ao contrário da bancada governista, a oposição na Casa Plínio Amorim ainda não definiu seu líder. Mas o anúncio desse nome deverá ser confirmado, no máximo, até o dia 30 de janeiro. A afirmação foi do vereador Paulo Valgueiro (PMDB), maior favorito a assumir a missão.

Valgueiro, inclusive, foi quem teceu as críticas mais contundentes ao Governo Miguel Coelho até agora. Começou já da posse do socialista, quando tachou de “deselegante” a postura do novo prefeito, após a transmissão de cargo, ao criticar a música “Arruma a mala aê”, ironicamente utilizada em referência ao ex-prefeito de Petrolina Julio Lossio (PMDB). Aliados de Miguel, no entanto, garantiram que a música não saiu do carro de som da prefeitura.

Depois endureceu o discurso quanto à reforma administrativa do gestor, sendo um dos poucos a votar contra o projeto. Além dele, apenas Cristina Costa e Professor Gilmar Santos (ambos do PT) fizeram o mesmo. Mas Valgueiro se mostra tranquilo quanto ao futuro líder da bancada. Ele assegurou que entre a oposição há bons nomes e aquele que for o escolhido, cumprirá bem o papel. “Estamos conversando. Temos bons nomes na oposição e, até o dia 30, a gente sai com o nome do líder e do vice-líder”, avaliou.

Mas Valgueiro já demonstrou que disposição não lhe falta para assumir o desafio. Prova disso é que não deixou sem resposta o governista Ronaldo Cancão (PTB), o qual atribuiu a erros da gestão passada as críticas que a reforma administrativa de Miguel recebeu dos atuais oposicionistas. “Se o prefeito que foi eleito dizendo que a gestão anterior estava ruim, cabia a ele consertar o que o vereador aponta como erros da gestão anterior. Se ele (Miguel) veio para corrigir, não tem que estar criticando a gestão anterior”, finalizou.

(c) 2015 Blog do Carlos Britto | produzido por proximavenda.com.br