Três dias depois, Reitoria da Univasf emite nota sobre trágico acidente com estudante

Três dias depois, a reitoria da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf) se manifestou sobre o trágico acidente ocorrido com a estudante de Medicina da instituição, Fabiana Araújo Miranda. Ela se dirigia, com sua família, de Salvador para Petrolina, onde iria participar da colação de grau. Fabiana está internada.

Acompanhe:

A Univasf manifesta publicamente o desejo de recuperação plena e imediata do estado de saúde de Fabiana Araújo Miranda. Em deslocamento para Petrolina-PE, onde iria participar da solenidade de colação de grau da turma de medicina a qual pertence, envolveu-se em um acidente no município de Tanquinho, no Centro Norte baiano, por volta das 7h de domingo (8).

O acidente deixou gravemente feridos Fabiana e seu pai, Sr. Augusto de Jesus Miranda, e vitimou fatalmente a sua mãe, Sra. Heloísa Miranda de Araújo, além de dois ocupantes do outro veículo envolvido no acidente.

Em contato com a Assessoria de Comunicação do hospital onde ela está internada, fomos informados que os dados a respeito do estado de saúde de Fabiana só podem ser entregues aos familiares, conforme postura ética e administrativa da instituição.

Nesse momento de tristeza e esperança, a Univasf se solidariza com os familiares e amigos de todas as pessoas envolvidas no acidente, reiterando o desejo de restabelecimento da saúde de Fabiana e seu pai.

Julianeli Tolentino/Reitor

Em nota enviada ao Blog, Compesa garante qualidade da água distribuída em Petrolina

COMPESA-19980Em nota enviada ao Blog, a Companhia Pernambucana (Compesa) de Saneamento assegurou que a água distribuída para os petrolinenses “está dentro dos padrões de potabilidade” exigidos pelo Ministério da Saúde. A empresa contestou recomendação do Ministério Público de Pernambuco (MPPE), que ontem (20) atestou o contrário, e informou ainda não ter sido notificada sobre a recomendação.

Confiram:

A Compesa tranquiliza a população de Petrolina informando que a água distribuída para a cidade está dentro dos padrões de potabilidade exigidos pelo Ministério da Saúde, de acordo com a portaria   Nº 2914/11. A cidade possui três estações de tratamento de água que, juntas, produzem 1.600 mil metros cúbicos. A companhia investe R$ 850 mil apenas com produtos químicos, o que garante a produção de água com excelente padrão de qualidade.

A água produzida nas unidades da Compesa passa por um rigoroso controle operacional que monitora a cada duas horas todas as etapas do processo de tratamento.

De acordo com os dados do monitoramento bacteriológico realizado na saída das estações de tratamento dos últimos 12 meses, os resultados foram satisfatórios. Em nenhuma das amostras foi detectada a presença da bactéria Escherichia Coli.

A Compesa também realiza o monitoramento na rede de distribuição, diariamente, em vários pontos da cidade. Quanto à positividade de contaminação evidenciada pelo Ministério Público de Petrolina em algumas amostras da rede de distribuição, a Compesa esclarece que o fato decorreu de uma falha no procedimento de análise das amostras coletadas pela própria empresa. Porém o caso já foi corrigido e a Companhia está à disposição das instituições que regulam o serviço para comprovar a nossa transparência.

PS: A Compesa ainda não foi notificada. Apresentara os devidos esclarecimentos quando isso ocorrer.

Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa)

Em nota, agentes de endemias de Juazeiro repudiam “descaso” da atual gestão e falam de esperanças para novo governo

agentes-endemias-juazeiro

Os agentes de endemias de Juazeiro (BA) voltaram a lamentar “a falta de atenção” da administração municipal. Por meio de nota enviada ao Blog, eles afirmam que o Governo Isaac Carvalho vem descumprindo várias leis que beneficiam a categoria. Apesar da próxima gestão ser de continuidade, com o prefeito eleito Paulo Bomfim, a categoria demonstra-se esperançosa por melhorias. (mais…)

Celpe diz que quedas de energia em Petrolina são causadas pelas altas temperaturas

Celpe_640x307Diante da enxurrada de reclamações contra as constantes quedas na rede elétrica em Petrolina, que têm afetado várias comunidades, a Celpe/Grupo Neoenergia disse o problema é causado pelas altas temperaturas e que já está reforçando a rede.

A Companhia Energética Pernambuco (Celpe) esclarece que identificou ocorrências pontuais no fornecimento de energia relacionadas às altas temperaturas registradas na região, realizou o monitoramento das áreas afetadas e está executando diversas ações de manutenção e reforço na rede elétrica, como a substituição de transformadores de maior potência. A concessionária também ampliou o número de equipes de prontidão para atender casos emergenciais.  Preventivamente, a companhia investiu mais de R$ 5 milhões em 49 obras de melhoramento da rede em todo o município de Petrolina, com a finalidade de minimizar o impacto provocado pelo calor na região“, esclareceu a Celpe, em nota enviada a este Blog.

Representante do DNIT em Petrolina esclarece críticas sobre restauração da BR-407

recapeamento BR-407Por meio de nota, a representante do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT)/Unidade Petrolina, Dorotéia Gomes de Jesus, esclareceu as críticas acerca da restauração que está sendo feita na BR-407.

Confiram:

Em resposta à matéria publicada por esse Blog a respeito da restauração da BR-407, o DNIT esclarece:

O DNIT está executando atualmente a restauração da BR-407 na travessia urbana de Petrolina, já tendo feito a restauração do restante da rodovia entre Afrânio (PE) e Petrolina.

A camada de asfalto colocada é um microrrevestimento asfáltico a frio, com uma espessura de 1,5 cm bastante fina, que tem a função de rejuvenescer a camada de rolamento existente, impermeabilizando-a e aumentando a sua vida útil. E a BR-407/PE está em condição muito boa de conforto e segurança em toda a sua extensão, devido ao trabalho do DNIT para mantê-la no melhor estado de conservação possível.

Quanto à sinalização horizontal da travessia urbana da BR-407, ela será feita até o final da próxima semana nos trechos em que houve a restauração do pavimento.

Atenciosamente,

Dorotéia Gomes de Jesus/DNIT

Direção da UPE Petrolina diz não achar prudente realização de provas do Enem onde funciona a Escola de Aplicação

Por meio de nota, a direção da Universidade de Pernambuco (UPE)/Campus Petrolina diz não achar prudente que as provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) sejam realizadas no prédio onde funciona a Escola de Aplicação. O motivo é a ocupação dos estudantes contrários à PEC 241.

Acompanhe a nota:

A Direção da UPE Campus Petrolina informa que desde que foram divulgados os espaços onde serão realizadas as provas do Enem, comunicou aos responsáveis pela aplicação, que devido ao processo de ocupação, não seria possível o aluguel do prédio.

A Direção entende que o processo de aplicação de provas deve ocorrer de forma tranquila para os candidatos, e como as estruturas físicas do Campus compreende todos os espaços construídos, a forma mais prudente é não ocorrer a realização das provas no prédio onde funciona a Escola de Aplicação.

A Direção informa, ainda, que a responsabilidade de comunicar aos candidatos sobre os locais de provas é dos organizadores. Porém, como até o presente momento não houve a comunicação oficial, e devido à grande procura na instituição, resolveu realizar esse pronunciamento.

UPE Campus Petrolina/A direção

Compesa explica falta d’água no Dom Avelar e garante que até amanhã sistema de abastecimento voltará à normalidade

compesaPor meio de nota da assessoria, a gerência regional da Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa) explicou que a falta d’água no Bairro Dom Avelar, reclamada mais cedo neste Blog pelo comunitário Augusto Simões, deve-se à intervenção no sistema de abastecimento na última sexta-feira (21).

A Compesa informa que após a conclusão da intervenção realizada na última sexta feira, o sistema foi religado. No entanto, o Bairro Dom Avelar, assim como o Terras do Sul, Mandacaru, São Joaquim e adjacências, ficam localizados na extremidade da rede, fazendo com que o sistema leve mais tempo para se restabelecer. Desta forma, até amanhã (22) a pressão deve estar normalizada por completo nesta área da cidade”, esclarece a Companhia.

Em nota, Sinpol-PE esclarece motivos que levaram categoria a paralisar atividades e critica governo estadual

greve-sinpol-pe

Em nota enviada à imprensa, o Sindicato dos Policiais Civis de Pernambuco (Sinpol-PE) justifica à sociedade as razões pelas quais levaram a categoria a deflagrar, no dia de ontem (20), uma greve por tempo indeterminado.

Confiram:

Em virtude do descumprimento de diversos prazos e acordos, propostos pelo próprio Governo do Estado, além do flagrante descaso com a Segurança Pública, nesta quinta-feira (20), mais de 4.000 mil Policiais Civis fizeram uma grande passeata pelas ruas do Recife. Ao final, em assembleia realizada em frente ao Palácio do Campo das princesas, decretaram GREVE POR TEMPO INDETERMINADO. O sindicato da categoria (Sinpol-PE) tem denunciado a condição precária em que se encontra a Polícia que investiga os crimes em Pernambuco. Faltam coletes à prova de balas, efetivo, viaturas, gasolina para diligências e até mesmo papel para imprimir os boletins de ocorrência da população. Além disso, em Pernambuco, os Policiais Civis recebem o pior salário do país entre a classe.

Com o objetivo de confundir e jogar a sociedade contra o movimento, o Governo de Pernambuco tem mentido ao dizer que a categoria está pleiteando 300% de aumento salarial. A verdade é que só existem duas reivindicações: melhores condições de trabalho e a implementação da reformulação do Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos da Polícia Civil, construído por técnicos da Secretaria de Administração e a diretoria do Sinpol.

O Governo também mentiu ao afirmar, em nota emitida, que já realizou 14 reuniões com o Sindicato este ano. A primeira tratativa sobre o tema aconteceu no dia 17 de agosto, quando mais uma vez estabeleceu e descumpriu um prazo dado para a apresentação de uma proposta concreta sobre as reivindicações.

Neste momento, dirigindo-nos ao povo pernambucano, esclarecemos que os Policiais Civis têm como função principal investigar e solucionar os crimes, encaminhando seus autores à justiça. No entanto, o que ocorre em Pernambuco é que a Polícia Civil está tão sucateada e abandonada que a maioria dos boletins de ocorrência registrados pela população têm se transformado apenas em arquivo, ficando sem a devida investigação. Com relação ao problema, é importante ressaltar que a responsabilidade por essa situação e, por conseguinte, da greve é do descaso com o qual o Governo de Pernambuco tem tratado a segurança pública e seus agentes. Por isso, esperamos contar com seu apoio, diante da compreensão que essa luta é de todos que reivindicam uma segurança pública eficiente.

Sinpol-PE/Ascom

CNBB manifesta preocupação com a PEC 241: “Retrocesso”

cnbbEm nota enviada à imprensa, a Comissão Episcopal Pastoral Para o Serviço da Caridade, da Justiça e da Paz, juntamente com bispos referenciais das Pastorais Sociais da Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), manifestou preocupação com a PEC 241, que cria um teto para os gastos públicos pelos próximos 20 anos. A PEC foi aprovada em primeiro turno pela Câmara dos Deputados, no dia 10 de outubro. A comissão classifica a proposta como um “retrocesso”.

Acompanhe:

Nós, Comissão Episcopal Pastoral para o Serviço da Caridade, da Justiça e da Paz, e bispos referenciais das Pastorais Sociais, da Conferencia Nacional dos Bispos do Brasil, reunidos em Brasília, nos dias 18 e 19 de outubro de 2016, manifestamos nossa preocupação com o cenário de retrocessos dos direitos sociais em curso no Brasil.

Entendemos que as propostas de reforma trabalhista e terceirização, reforma do Ensino Médio, reforma da Previdência Social e, sobretudo, a Proposta de Emenda Constitucional, PEC 241/2016, que estabelece teto nos recursos públicos para as políticas sociais, por 20 anos, colocam em risco os direitos sociais do povo brasileiro, sobretudo dos empobrecidos. 

Em sintonia com a Doutrina Social da Igreja Católica, não se pode equilibrar as contas cortando os investimentos nos serviços públicos que atendem aos mais pobres de nossa nação. Não é justo que os pobres paguem essa conta, enquanto outros setores continuam lucrando com a crise. 

Afirmamos nossa solidariedade com os Movimentos Sociais, principalmente de trabalhadores e trabalhadoras, e com a juventude, que manifestam seu descontentamento com as propostas do governo, bem como todas as organizações que lutam na defesa dos direitos da população.

Encorajamos as Pastorais Sociais a participarem, com os demais movimentos e organizações populares, na defesa das conquistas sociais garantidas na Constituição Federal de 1988, na qual a CNBB tanto se empenhou no final da década de 1980. Não desanimemos diante das dificuldades. Somos povo da esperança!

Com compromisso profético, denunciamos, como fez o Profeta Amós: “Eles vendem o justo por dinheiro, o indigente, por um par de sandálias; esmagam a cabeça dos fracos no pó da terra e tornam a vida dos oprimidos impossível” (Am 2,6-7). 

O Espírito do Senhor nos anima no serviço da Caridade, da Justiça e da Paz. Com Maria cantamos a grandeza de Deus que “derruba os poderosos de seus tronos e exalta os humildes; enche de bens os famintos e manda embora os ricos de mãos vazias” (Lc 1, 51s).

Brasília, 19 de Outubro de 2016. 

Dom Guilherme Werlang
Bispo de Ipameri – GO
Presidente da Comissão Episcopal Pastoral para
o Serviço da Caridade, da Justiça e da Paz

Em nota enviada ao Blog, estudantes esclarecem ocupação de campus local da UPE

paralisaacao-estudantes-escola-de-aplicacaoNuma nota enviada a este Blog, integrantes do movimento estudantil que ocuparam o Campus da Universidade de Pernambuco (UPE) em Petrolina esclarecem os motivos da manifestação. Confiram:

Nota sobre a greve de ocupação na UPE

1. Porque ocupamos a UPE – Campus Petrolina?

A paralisação das atividades da Universidade de Pernambuco – Campus Petrolina ocorreu no dia 10 e 11 de outubro por meio de duas Assembleias Gerais Estudantis lotadas, com cerca de 900 estudantes. A decisão foi tomada devido aos problemas que vêm se agravando ao longo dos últimos cinco anos. Essas são as consequências de uma política de sucateamento da educação pública e saúde, em especial com os cortes orçamentários, tanto para o Ensino Superior quanto para a Educação Básica.

A atual conjuntura política e econômica do nosso país contribui para a intensificação de ataques aos direitos da população. As medidas drásticas que Temer (PMDB), aliado ao Congresso Nacional e outros governantes estaduais e municipais, tem imposto nos mobiliza ainda mais para lutar e combater esse governo antipovo. Não só medidas econômicas como a PEC 241 que congela os gastos públicos federais por 20 anos e a MP (Medida Provisória) que reforma o Ensino Médio, precarizando mais ainda o Ensino Básico, excluindo as disciplinas de artes, filosofia e sociologia. Lutamos também contra medidas que têm sido impostas para tentar calar os/as trabalhadores (as) e impedir que nos posicionemos e organizemos. Em relação aos docentes, está vigorando o projeto do Escola sem Partido. Nenhum direito a menos!

Portanto, para defender a nossa universidade e o direito de concluir nossos estudos, assim como de outros jovens poderem ter esse direito, decidimos nos somar a tantas lutas que já estão em curso no nosso país em defesa dos direitos à saúde, à terra, à aposentadoria, moradia, entre outros. A brava luta dos estudantes secundaristas em São Paulo, Rio de Janeiro, Goiânia, Paraná nos enchem de ânimo de luta. Não tem arrego!

2. Quais são as nossas pautas?

O atual governador do estado, Paulo Câmara (PSB), reduziu as verbas destinadas à UPE (Petrolina) de R$ 2,5 milhões para R$ 1,29 milhões. Este valor representa um corte de mais de 40% no orçamento da universidade! O que estava ruim, está piorando! Além disso, os prefeitos das cidades e distritos vizinhos, após serem derrotados nas últimas eleições municipais, cortaram os ônibus que transportam os estudantes até a Universidade. 

Assim, reivindicamos:

1. A revogação da PEC 241 e a reforma do ensino médio;

2. Liberação de verbas para o manutenção da universidade;

3. Realização de concurso público para professores, técnicos administrativos em educação e seguranças;

4. Garantia de transporte público e gratuito para os alunos das cidades adjacentes;

5. Implantação de uma política de assistência estudantil;

6. Restaurante Universitário;

7. Creches para filhos dos estudantes e servidores;

8. Residência Universitária;

9. Mais verbas destinadas para a melhoria dos programas de pós-graduação e de extensão;

10. Melhoria da infraestrutura: reforma do auditório, mais livros para a biblioteca, acesso a internet aberta, manutenção de elevadores, ar-condicionado, laboratórios e espaços de aulas práticas.

11. Clínica escola

12. Ônibus próprio para a UPE – Campus Petrolina.

3. Como está sendo a dinâmica da greve de ocupação?

Apesar de estarmos em estado de paralisação, a UPE nunca esteve tão em movimento como neste momento. Várias atividades estão sendo realizadas as quais atendem várias temáticas diferentes. Além disso, nos somamos a luta dos estudantes da Univasf e temos contado com um grandioso apoio de nossos professores, grupos de estudos e movimentos populares e estudantis! Venha entender mais e fortalecer essa justa luta!

Estudantes da UPE/Campus Petrolina

(c) 2015 Blog do Carlos Britto | produzido por proximavenda.com.br